A VERDADE NÃO SERIA BASTANTE PLAUSÍVEL SE FOSSE FICÇÃO - Richard Bach

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Fala João...

Foto: Anderson Zambrzycki - Fevereiro 2016

...Excelentíssimo Senhor João  Dória Prefeito do Município de São Paulo.
Mesmo antes de sua posse sei que estava preocupado com os rumos de nossa cidade depois da desastrada administração anterior.
Uma das preocupações suas era o Autódromo José Carlos Pace - Interlagos - tanto que na reunião promovida pelo vereador Mario Covas Neto na Câmara Municipal de São Paulo  na data de 29/11/2016 mesmo antes de sua posse o senhor enviou como seu representante o Sr. Cyro Laurenza que no começo da reunião tentou explicar a um publico profundo conhecedor do assunto as origens de nosso autódromo e mais tarde reconhecendo seu pecadilho e com a educação que lhe é peculiar pediu as devidas desculpas, porém nada adiantou sobre o pensamento do senhor sobre o assunto.
Meses antes, mais precisamente em Fevereiro daquele ano eu havia escrito um texto para este blog mostrando o descaso da SPTuris e da administração do autódromo para com todos nós que fazemos parte deste mundo, mundo este que levou o nome de nosso país à todos cantos do planeta, fazendo campeões em cada recanto do mundo onde é organizada uma corrida de automóveis.   
Sei das limitações que o leonino contrato com a Formula Um assinado por gestões anteriores traz à sua administração, mas o ocorrido na gestão passada volta à ocorrer agora, com a administração do autódromo faltando com o respeito à uma classe toda de esportistas, gente que como o senhor leva para casa o sustento honesto de seu trabalho, que como o senhor provê mulher e filhos com sua lida.
Sei que sua administração está cuidando do caso, mas peço ao senhor ao tomar qualquer decisão ouça os verdadeiros interessados e não aceite mirabolantes projetos que apenas irão afundar cada vez mais nosso templo.


Rui Amaral Jr

PS: Talvez o titulo de meu post àquela época tenha parecido forte demais, mas traduz todo meu sentimento e acredito que de uma categoria de esportistas.


link  
  -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Anexo neste momento dois comentários pertinentes ao tema, do Renato S.22 e de meu amigo Edson. Abaixo um link importante para o blog de meu amigo Roberto Zullino.


Renato S.22 de agosto de 2017 14:50
Acho que ele está preocupado somente com sua campanha para presidente, simplesmente não fez absolutamente nada por Interlagos, estamos na mesma situação da "jestão" Malddad...

EDSON MILTON RIBEIRO PAES22 de agosto de 2017 15:02
Perfeita matéria em forma de carta. Diria eu que a SP Turis não reúne condições técnicas e nem interesses que coadunem com o esporte a motor. Estendo um comentário ao Nobre Prefeito João Dória, caro Prefeito, antes de um logradouro Publico Interlagos é um Vulcão ativo, um Museu em tempo real, uma praça de esportes do antes durante e depois. Interlagos Prefeito é um espaço pulsante em que nomes importantes desfilaram e desfilam seus talentos de forma magistral.

Matar ou fazer com que Interlagos agonize é o mesmo que ferir Chico Landi, José Carlos Pace, Celso Lara Barberis, Marinho Amaral, e tantos e tantos nomes que abrilhantaram as tardes de domingo. Fora todos os outros que ainda estão por aqui lamentando os destinos de Interlagos. Prefeito João Dória, faça historia e resolva de vez os destinos de Interlagos. Obrigado.



quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Le Mans 24 Horas 1967

Dan e A.J...o champagne da vitória!
Dan ao volante e A.J comemoram!

Dan ao volante, o ressalto na capota era para sua altura, cerca de 1.90m.
A pole foi do Mark IV de Bruce McLaren/Mark Donohue
 Segundo no grid o Chaparral de Mike Spence/Phill Hill.

GRID

 Ferrari 330 P4 de Willy Mairesse/"Jean Beurlys" terceira colocada.
Esta vai especialmente para meu amigo de tantas décadas Claudinho Carignato.
Porsche 907 LH "coda lunga" de Jo Siffert/Hans Herrmann quinto  colocado.

RESULTADO 

CLASSIFICAÇÃO FINAL POR CATEGORIA

#1 Ford Mk IV  Gurney / Foyt
Prototipos 5000: #21 Ferrari 330 P4 Scarfiotti / Parkes
Prototipos 2000: #41 Porsche 907 LH          Siffert / Herrmann
Prototipos 1600: #45 Alpine A210 Renault            Vinatier / Bianchi
Prototipos 1300: #46 Alpine A210 Renault            Grandsire / Rosinski
Sport 2000: #37 Porsche 906            Elford / Pon
Sport 1300: #64         Abarth 1300 OT         Martin / Mésange
Grand Touring 5000: #28      Ferrari 275 GTB/C      Steinemann / Spoerry
Grand Touring 2000: #42      Porsche 911 S Buchet / Linge

Voltas mais rápidas:

Geral:  #3        Ford Mk IV     Mario Andretti (USA)            3:23.600         238.014 km/h

             #4        Ford Mk IV     Denny Hulme (NZ)     3:23.600         238.014 km/h

POLES POR CATEGORIA

Geral: #2 Ford Mk IV Bruce McLaren (NZ)   3:24.400         237.082 km/h

Prototype 5000: #21 Ferrari 330 P4 Scarfiotti / Parkes     3:28.900
        
Prototype 2000: #41 Porsche 907 LH          Siffert / Herrmann     3:41.600    
    
Prototype 1600: #45 Alpine A210 Renault Vinatier / Bianchi      4:12.200
        
Prototype 1300: #46 Alpine A210 Renault Grandsire / Rosinski 4:15.400
        
Prototype 1150: #53 CD SP66C Peugeot  Guilhaudin / Bertaut 4:27.400
        
Sports 5000: #62  Ford GT40      Salmon / Redman     3:38.700 
       
Sports 2000: #66  Porsche 906   Koch / Poirot 4:00.500
        
Sports 1300: #64  Abarth 1300 OT         Martin / Mésange     no time 
         
Grand Touring +5000: #9 Chevrolet Corvette Sting Ray Bondurant / Guldstrand  3:56.000    


Fontes de pesquisa e algumas fotos






Aos meus amigos Don Ricardo, Fernando, Antonio, Silvio, Oscar, Manuel e tantos outros que participam do Classic Group no Facebook.
Resolvi postar algumas fotos e resultados destas 24 Horas depois de alguns comentários de amigos após o meu post da foto de A.J no capô do Mark IV logo após a vitória, cada um sabia muito bem o que dizer, bom participar de um grupo onde a grande maioria gosta e entende de automobilismo.

Rui Amaral Jr

Dan e Foyt 50 anos depois, valeu Manuel Carvalho

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Conta Cuca...


Mil Milhas 1973


O autorama, era o brinquedo de todas as noites na casa do meu amigo Wlimar Foschi Filho, o Bilu. Eu fazia os carrinhos, com o patrocínio dele. Tínhamos uma equipe com os quatro carros da Autozoom, o #29, #90, #61 e o horroroso Manta roxo do Cabeção, além dos formulas 1. Era, e é uma casa na rua Pio Xi de três andares, sendo um porão, onde ficava montada a nossa pista.
Alfredo Guaraná namorava a Ligia, irmã do Bilu, e todas as noites queria ver os carrinhos e brincava com a gente em altos pegas, posso dizer que já dei uns paus no Guaraná, ao menos no autorama ele não me ganhava.
Estávamos Bilú e eu brincando com os nossos carrinhos, quando ouvimos um ronco forte de motor acelerando na frente da sua casa, segundos depois, um silêncio. Bilú olhou para mim, e balançou a cabeça negativamente, como se não fosse nada importante. Na época, ronco de motor de fusca era coisa normal. Foi quando ouvimos a voz da Ligia:
-Bilú, corre aqui...Saímos correndo pela entrada lateral da casa, e lá estava ele, Um fusca conversível branco, com o Robertinho da Autozoom no volante, com um sorriso enorme em baixo do bigodes.
-É o motor do carro do Guaraná, estou amaciando. Ele estáai?
Perguntou Robertinho...
-Não, ainda não chegou...
Respondeu a Ligia...
Ele não desligou o carro. Simpático, desceu, deu um abraço na Ligia, um oi para nós e disse:
-Fala para o Guaraná, que eu vou para a marginal de Pinheiros dar uma acelerada nesse motor, espero ele na frente do portão 3 em Interlagos...
Deu tchau a todos, entrou no fusca e saiu acelerando...
O ronco era forte. Ficamos os três na frente da casa calados só ouvindo o carro se afastar.
Bilú e eu, voltamos ao porão, e dez minutos depois, chega o Guaraná. Ele entrou pela lateral da casa e foi direto ao porão.
-Oi, tudo bem?
Era sempre um susto quando o Guaraná chegava, afinal, ele era e é um ídolo para mim. Indagou Guaraná.
Me apressei e disse:
-O Robertinho passou aqui, disse que esta te esperando na frente do portão 3...
-Como assim?
Indagou Guaraná.
-É, ele passou aqui com um fusca conversível e disse que ia andar na marginal para amaciar motor do seu carro.
Disse o Bilú.
O Guaraná não ficou surpreso, só soltou um “que doido”. Ligia chegou ao porão. Guaraná a abraçou já falando:
-Vamos para Interlagos?
Vamos...
Respondeu ela...
-Vamos lá garotada...
Convidou Guaraná.
Eu, fiquei triste, pois tinha que ir para casa, já se passavada 21 horas, o limite do meu pai era 22 horas.
Disse que não poderia ir, pois tinha que ir embora.
-Calma, eu te levo em casa e falo com o seu pai, pode ser?
Disse ele...
Claro que podia. Mas no caminho, num percurso rápido no Dodge 1800 laranja eu desisti. Eu sabia que mesmo ele falando com meu pai, ele não deixaria eu ir. Então, agradeci, e, quando ele parou na porta da minha casa, me fez uma grata surpresa. Abriu o porta luvas, e me deu uma credencial de box para a corrida.
-Quero você me ajudando na corrida...
Deu thau, e saiu acelerando pela Ibiraçu abaixo.
Fiquei parado com a credencial na mão.
Claro, fui a corrida com o Bilú, e a história dela, todos sabem. Foi uma aula de pilotagem do Guaraná. Sempre o meu ídolo.




Mario Marcio "Cuca" Souto Maior.

----------------------------------------------------------------------------------------

Não custa lembrar novamente: Conheço o Cuca desde 1972, quando eu trabalhava com meu amigo Expedito Marazzi e ele e o Gabriel, filho do Expedito, que eram cerca de cinco ou seis anos mais novos que eu viviam na Escolinha.
Os textos dele para o Histórias já foram copiados por outros blogs e até o Wilsinho Fittipaldi já pediu autorização para divulgar uma de suas deliciosas histórias de Rato de Box.

À vocês Anete e Cuca meu fraterno abraço e obrigado pelo carinho e por esta amizade tão longa.

Rui Amaral Jr 

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Comparações...

 Rindt demorou alguns anos para vencer sua primeira corrida, Jimmy foi Jimmy!
 O Quintuple na D50.
Ayrton na Lotus em Jacarepaguá.

Ontem assistindo a bela vitória de Lewis em Silverstone entre algumas considerações ouvi do comentarista que já andou na F.Um que muitos pilotos e gente que acompanha a F.Um desde muito tempo, que Jimmy Clark foi o maior de todos...ora bolas, hoje em dia a carreira dos pilotos é longa, mais de vinte GPs por temporada e muito tempo para bater os recordes dos grandes!
A carreira de Jimmy foi de apenas 72 corridas quando fez 33 poles, 28 voltas mais rápidas e 25 vitórias...Fangio então largou 52 vezes fez 29 poles, 23 voltas mais rápidas e venceu 24 GPs...Ayrton largou 161 vezes, fez 65 poles, 19 voltas mais rápidas e venceu 41 vezes!
Ora...hoje Lewis já chegou à casa dos 200 GPs disputados, Schummy disputou 308 GPs, Vettel já está também na casa de 200 GPs.
A categoria mudou e muito, hoje os carros ponteiros são sempre os mesmos as disputas estão marcadas, no tempo dos Grandes havia mais disputa, não que Lewis e Vettel se corressem naquela época também não se destacariam, pelo contrário são grandes pilotos mas...

Dizer o que de Tazio?
E de Amon que sequer venceu uma corrida da F.Um?
E Moss com seus múltiplos vice campeonatos?
E do Sueco? 


Rui Amaral Jr    

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Danilo Julio Afornali

Sabe quem é "o cara" da foto? Não?

Então vou contar:

Danilo Julio Afornali nasceu em 28 de setembro de 1935, em Curitiba, Paraná.
Começou a trabalhar com mecânica de motocicletas em 1950 e nunca mais parou. Exerce essa função ainda hoje e mesmo aposentado, continua trabalhando na área.
Sua carreira como piloto começou no fim dos anos 50, precisamente em Abril de 1959 quando então, preparou um CZ 150 para correr na pista de terra (saibrada) de Joinville, famosa naquela época por sediar corridas de alto nível, nacionais e internacionais.

Na sua primeira participação em corridas oficiais, conseguiu um honroso 3º lugar !

Dentro de sua carreira como piloto, disputou títulos com vários nomes da época como Ubiratan Rios,(que foi seu funcionário na antiga oficina na rua Presidente Farias - Curitiba), Lucílio Baumer (Joinville), enfim, pilotos que hoje tem seu nome escrito na própria história do motociclismo brasileiro.

As máquinas eram diferentes e as pistas também, eram máquinas muito potentes para a época mas que tinham um conjunto que nada facilitava sua tocada, dentre elas pilotou HRD Vincent 500 e 1000, BSA Goldstar 500, BMW 500, Rumi 125, AJS 500, Indian e CZ's, sempre trabalhadas para competição.
A falta de importação obrigava até a fabricação de peças para reposição, o que tornava este esporte ainda mais artesanal !

De todas as máquinas que pilotou, a que mais deixou saudades foi a velha HRD 1000, que com a palavra deste senhor hoje beirando os 82 anos subscrevo-me:

Sr. Danilo: " --- Nada aguentava ... todas derretiam ...Triumph, AJS, Matchless, Indian... foi aí que resolvi comprar uma HRD, adquirida no Edgard Soares... essas não enguiçavam ... depois disso, comecei a ganhar corridas e nunca mais parei ... nem quebrou a motocicleta !"

Foi esta máquina que o consagrou como "o pequeno grande piloto", dado os seus 1,64 m de altura e seus 54 quilos !

A consagração definitiva veio quando venceu em Joinville com a HRD Vincent 1000 ... até então os catarinenses eram insuperáveis em sua pista ... corridas eram realizadas e sempre vencidas por pilotos locais ... Danilo, com sua HRD 1000 conseguiu derrotar essas máquinas na categoria Fórmula 2 (Força Livre) , sendo o único piloto até então que conseguiu pilotar uma máquina deste porte em pista de terra e quebrar a série de vitórias ininterruptas dos catarinenses em sua própria pista !

Sr. Danilo: "--- Era uma máquina muito pesada ...eu conseguia fazer as curvas somente no motor... usava 3 das 4 marchas quase na pista toda ... no velocímetro via o ponteiro a quase 160 km/h, quando era a hora de colocar a 4ª marcha, reduzir novamente e preparar para a freada ... a reta ainda era curta ... mesmo no fim da reta, tinha às vezes que controlar a mão, pois mesmo naquela velocidade ela ainda patinava e queria levantar a frente ... os pneus daquela época ?? Eram Avon, ingleses ... eram lisos e para asfalto !"

Depois desta vitória, propostas para integrar a seleção nacional surgiram mas como o esporte era amador, era mais importante trabalhar, manter sua família e deixar as corridas somente para os domingos quando aí sim, tudo se encaixara perfeitamente.

Sua carreira oficial acabou no fim dos anos 60 , tendo como resultado 7 títulos Paranaenses praticamente consecutivos, um Campeonato Sul-Brasileiro (1965) incontáveis vitórias extra-campeonato e a participação em algumas corridas a nível nacional e internacional ...

Participou de uma 500 Milhas Internacional em Interlagos (1971), fazendo dupla com seu antigo rival Ubiratan Rios, conseguindo a dupla nesta competição um 5º lugar !

Dentre sua participações a nível nacional, lembra em Interlagos em 1962, com a famosa Lambretta 111, recordista deste circuito e que fora dos irmãos Tognochi. A mesma havia sido comprada recentemente após uma corrida em Curitiba e ele como piloto oficial daquela equipe, a Cicles Bittecourt, pilotaria nesta prova:

--- "Fui para Interlagos e nem sabia o traçado da pista ... dei 2 voltas e olhamos a vela ... mais 2 para acertar a carburação sob os olhos de Gualtiero Tognochi ... nas 2 voltas seguintes, igualei o recorde da pista, que era de Paulo Tognochi ... durante as 2 horas da prova, liderei 1:45 minutos ... no final da reta oposta, com a mão no fundo, furou o pneu ... ainda consegui fazer a curva, mas não deu pra segurar ... e caí !

Chorei !!! Perdi a chance de ganhar a corrida que valia a Taça Centauro !!!"

A época das Lambrettas tem histórias engraçadas... Giovanni Sgrô, proprietário da Italmotoneta participava das corridas como preparador (Equipe Italmotoneta) que disputava diretamente com a Lambretta de Carlo Papagna (Casa das Motonetas)... a rivalidade entre estas duas equipes era imensa... as Lambrettas de Carlo e Giovanni eram máquinas muito bem feitas e equivaliam-se, sendo a de Carlo Papagna preparada pelos seus amigos Tognochi de São Paulo e a de Giovanni Sgrô por ele próprio... numa destas corridas, na pista mista de São José dos Pinhais (parte saibro/parte asfalto), Danilo estava sentado no barranco ao lado da reta, desolado, pois sua Rumi 125 havia quebrado na bateria anterior, quando de repente, ouviu chamarem, ... era Carlo Papagna, que havia largado na bateria anterior e obtido um segundo lugar (a Lambretta de Giovanni havia ganho a primeira bateria) e que acabara de avistar Danilo sentado, assistindo a continuação das provas... Chamou-o para a pista e não dando-lhe tempo para indagar, colocou-lhe o capacete meio que às pressas e disse-lhe olhando nos seus olhos:

Sr: Papagna: --- "Chegue na frente daquela lá, só dela!!! Não importa a posição, mas chegue na frente!!!"

Esta foi a sua primeira corrida com Lambrettas... nem ao menos tinha treinado ou dado uma volta com tal máquina... conseguiu ainda, sob a autorização da direção de prova, dar uma volta na pista e conhecer a máquina...

Danilo largou e assumiu a ponta trazendo no seu encalço a Lambretta de Giovanni Sgrô... na disputa pelo primeiro lugar, as máquinas e os pilotos eram de níveis próximos e a briga pela primeira colocação intensa... a pista acabou ficando estreita para os pilotos que no calor da batalha, acabaram se enroscando...

Sr. Danilo: --- "As máquinas andavam iguais de reta e não existia diferença... na parte mista do circuito, fomos dividir uma curva e ele ficou por fora... Na ânsia de tentar voltar para dentro da curva, ele acabou perdendo o equilíbrio e caiu por cima de mim... Minha sorte foi que estava acelerando e o motor tinha um torque violento de baixa... na retomada, consegui sair dele, meio avariado, mas saí..."

Danilo que teve mais sorte, levou a Lambretta Iso de Carlo Papagna para a Vitória... ela estava inscrita na categoria Força Livre e arrebatou o prêmio do dia... desta forma, Danilo assumiu a pilotagem desta máquina naquele ano e trouxe muitas glórias ainda para a Equipe Casa das Motonetas...

Também ganhou a corrida de inauguração do atual Autódromo Internacional de Curitiba (1967) pilotando uma BMW 500 de 1951 modificada para a prova.

--- "A BMW resolvi modificar um pouquinho ...mandei fundir 2 pistões maiores e cabeçudos, trabalhei válvulas e cabeçotes ... foi para quase 650 cc... para complementar, coloquei 2 carburadores maiores e o resultado foi assombroso ! Além dela ficar rápida, as marchas eram elásticas e rapidamente o ponteiro do velocímetro engolia os 190 km/h !"

Trabalhou também como mecânico-preparador, pois um piloto aposentado, não consegue viver fora das pistas ... angariou diversos títulos em cada categoria que passou... Vice-Campeão Paulista nas TZ 350 com Adilon Mendes, em 1980 e Vice-Campeão Brasileiro na mesma categoria assessorando Ubiratan Rios, em 1981 e 1982 ... entre outros !

Participou também como preparador nas corridas de velocidade na terra e em diversas cilindradas .

Nos anos 70, o motociclismo no Paraná ficou jogado ao ostracismo e o autódromo de Pinhais (Internacional de Curitiba) abandonado ... os campeonatos praticamente inexistiam e o que se fazia para que o motociclismo não desaparecesse eram provas esporádicas...

Dentre essas provas, destacam-se as seguintes participações como preparador:

Prova de aniversário de Curitiba (1969) sob a pilotagem de Ubiratan Rios com uma Ducati Diana 250 de rua ... esta Ducati, no dia anterior, teve problemas no comando de válvulas que desgastou pelo entupimento num caninho de óleo... o comando foi refeito durante a madrugada com solda oxigênio e uma mola de amortecedor (acredite se quiser !), limado até casar nos graus certos , polido e retemperado com maçarico, óleo e prusciato ... no domingo, Ubiratan liderou a corrida deixando para trás a Aermacchi Alla D´oro pilotada por José Ferreira de Carvalho, sendo essa especial de fábrica ! Liderou mais de 2/3 de prova e abandonaram por fatídicos problemas elétricos !

Preparou uma Yamaha RD 250 para uma prova extra-campeonato em 1976, que pilotada por Mauro Bernoldi venceu a categoria Força Livre, sendo que nessa participavam motocicletas de concessionárias de Curitiba, como a exemplo de uma Honda 750 Four com Kit especial de fábrica 900 cc, que ficou em 2º lugar !

Nunca deixou de coexistir com este esporte nem com o ronco dos motores ... nunca desistiu da velocidade ...

Dos velhos tempos sobraram apenas as lembranças e as marcas de acidentes ocorridos nas competições ... sobraram também alguns troféus, medalhas, pistões, enfim, uma série de lembranças que jamais se perderão enquanto houver alguém que se interesse pelo passado das motocicletas e por esses homens que fizeram a história do motociclismo !

Será que temos história?
  
Marcelo Afornali...

Lembre-se:

Somente quem guiou um carro de corridas e sentiu a sensação da velocidade, sabe porque tantas pessoas deram a sua vida pelo esporte!!!!

"Sono i dettagli che fanno la differenza!!!"


----------------------------------------------------------------------------------

Sim...sei muito bem quem é Danilo Julio Afornali pois através de minha amiga e colaboradora do Histórias Graziela Rocha conheci o grande jornalista Ari Moro e através dele as histórias do grande Danilo. Mais tarde minha querida amiga Regina Calderoni me apresentou seu filho Marcelo Afornali, piloto de kart e Maestro Restaurador dessas pequenas grandes máquinas, que entre tantas outras atribuições é amigo e parceiro de meu grande amigo Claudio Zarantonello. 

Quero deixar aqui meu fraterno abraço ao senhor Danilo, minha admiração, respeito e carinho.

 Tomo a liberdade de lembrar aqui, entre tantos amigos motociclistas como eu,  três que lá do alto certamente olham por nós... Edgard Soares, Expedito Marazzi e Nivaldo Correa.

Rui Amaral Jr








segunda-feira, 12 de junho de 2017

Monza por Walter

Monza 1972 o Rato é Rei!
Caminhando para vitória e o titulo...

Vendo essas fotos lindas, viajei nos pensamentos.
Se eu fosse a Monza, ia ficar horas, talvez dias ali.
Primeiro, na reta de chegada, lembrando de 1972, Emerson Fittipaldi campeão do Mundo! O carro do Stewart quebrado no fim dos boxes, a torcida imensa invadindo tudo, bela lembrança.
Depois seguiria "pela contramão" para a Parabólica, com Cristian Fittipaldi voando de Minardi e Derek Warwick se arrastando de cabeça para baixo. Contornaria a Parabolica por dentro, para entender a curva.

Christian voando...

Lembraria das frenagens de protótipos, da F1, das corridas malucas de F3.
Pararia ali onde morreu o Jochen Rindt. Sentaria para pensar nisso. Pra que ele morreu? Que coisa besta.

1970 quando Rindt bateu não usava asa traseira.
F3 Monza 1969 - Ronnie Peterson x Giovanni Salvati.

F2 GP Loteria di Monza 1970, Salvati, Garry Birrel e Tino Brambilla.

Voltaria até a Variante e imaginaria como era ANTES: uma curva aberta e muito rápida! Lembraria de novo do Emerson em 1972, estreando a Variante pra ser campeão.
Subiria pra Lesmo ansioso para conhecer Essa curva dupla, tão rápida, onde o Watson partiu sua McLaren em dois e saiu do carro andando.

1971 - Ghetin vence seguido de Ronnie e...

Também sentaria ali e ficaria passando "filmes" na cabeça desde o GP de 1971, que o Gethin ganhou e a cada volta os caras passavam numa ordem diferente, até o Piquet, de Brabham BMW ou de Williams. Imaginem as Ferrari 512 e Porsche 917 vindo na primeira volta dos 1000km de Monza de 1971! Primeiro o ronco ecoando entre as árvores e depois os caras a mil... demais!

1.000 KM de Monza 1971...

Seguiria na contramao ate aquela chicane boba (nao sei o nome) e nao perderia tempo ali.
Voltaria ate a "primeira curva" prá olhar a reta da largada. Uma curva muito rápida, pouco relevante, porque nao rende ultrapassagens, mas é fundamental para encher o motor na reta seguinte.

O acidente de Ronnie, ao seu lado ajoelhado o grande Arturo Merzario, caminhando Brambilla...

Pararia depois na primeira chicane. Tétrica essa. Ali morreu Peterson (embora a culpa seja do hospital, onde morreu por embolia). Ali Brambilla levou uma "pneusada" na cabeça.
Ali, o imbecil completo do Schlesser tirou a vitoria do Senna em 1988.
Logo depois tem aquela posição para fotografar a reta de chegada com o grande placar luminoso.
Mas, mais importante, tem a curva que leva à grande curva inclinada. Andaria por ela, ia ficar horas ali. Lamentaria que ninguém corra mais ali.

A "Inclinada" com o Quintuple seguido por Moss, ambos de Mercedes Benz W196 Streanliner.  

Andaria pelos boxes, mais para conhecer. E sentaria na linha de chegada. Horas talvez dias...
Monza é tão bonito e tão importante para o automóvel do mundo que merece um passeio de uma semana.
Obrigado ao Rui por dividir as fotos e fatos do Bonani conosco.

Walter


Walter, seu comentário valorizou muito o nosso post. Obrigado pela aula.

Milton

------------------------------------------------------------------------------------

Um post do Milton sobre sua visita à Monza, um comentário do Walter e lá fui eu fazer um novo post...aqui no Histórias muitos textos e fotos de Monza que aproveitei, muito obrigado meus amigos.

Um abraço à todos, o próximo post será o nosso de nº2.500 e isto é história para o Caranguejo...até lá.

Rui Amaral Jr

PS:                                                          O voo do Rato!

1970 Emerson decola ao tocar a Ferrari 312B de Giunti.

sábado, 10 de junho de 2017

JIMMY E O CARRO DO SEU ROLLA

Jimmy com o Vollsted -Ford

 Jim Clark, o inesquecível campeão, pilotou muitos carros em sua carreira, como o DKW Sonderklasse ou o obscuro Lycoming Special neozelandês. Nessa relação também há o Vollstedt-Ford 67B, o carro com que Jimmy andou na Rex Mays 300, no Riverside International Raceway, em novembro de 1967, cinco meses antes de seu acidente fatal em Hockenheim. 
O camarada Luiz Carlos Dias, que é arqueólogo do automobilismo foi quem citou esse pouco conhecido monoposto pilotado por Clark. O terceiro Gigante só o conduziu uma vez mas ficou uma forte impressão. Nome conhecido também nos Estados Unidos por sua conquista na Indy 500 de 1965, Jim Clark desenvolvia sua carreira nos dois lados do Oceano. Após uma temporada em que fixara residência na França, tinha uma nova namorada – Kate Eccles – e estreara um carro promissor, o Lotus 49 com o motor Cosworth DFV V-8.

Jimmy e o Vollsted em Riversid-1967

Havia boas perspectivas para a temporada de 1968 da Fórmula 1, que começaria no dia 1º do ano. Até lá, poderia aproveitar para aumentar seu pé-de- meia participando em outras competições, no intervalo entre as temporadas. Lembrem-se que estamos falando de um escocês e naqueles tempos, um piloto costumava acertar individualmente com os promotores de uma corrida, o valor de sua participação. Quanto mais famoso, maior o prêmio de largada e ninguém era mais famoso que Jim Clark. Assim, em novembro de 1967, inscreveu-se na prova de Riverside, para conduzir o carro que Rolla Vollstedt projetara e construíra em Portland/Oregon. Cale Yarborough já o pilotara em Indianápolis, mas não completou a prova. Jimmy, pela primeira vez em muito tempo longe das Lotus, a princípio desconfiou da performance do Vollstedt, especialmente devido a uma superfície plana de alumínio, com borda de arrasto ajustável, instalada em cima do motor. 
Nos treinos porém, o bicampeão mudou de ideia. Ao fazer o segundo mehor tempo, logo atrás de Dan Gurney, ficou tão entusiasmado que pensou que esse recurso poderia ser experimentado na Lotus/F1.

Jimmy com o Vollsted encara Gurney na Rex May-1967

A prova, de 116 voltas, mostrou um desempenho inicial muito bom de Jimmy, que ultrapassou o Eagle-Ford de seu amigo Gurney. Por Vinte e cinco voltas, Clark sustentou o primeiro lugar, mas ele teve problemas com uma válvula e abandonou. Sem seu maior adversário, Daniel disparou para a vitória, fazendo dobradinha da Eagle com Bobby Unser e um certo Mario Andretti levando seu Brawner-Ford à terceira colocação. 

Jimmy perseguindo George Follmer em Riverside-1967

No final, outra demonstração de grandeza de Clark: sentindo-se responsável pela quebra, dizem que pediu desculpas pessoalmente a todos os membros da equipe, além de ter passado ao projetista Rolla Vollstedt, sugestões para melhorias no projeto, que sem dúvida, foram importantes e permitiram que a equipe do Oregon continuasse sua trajetória nas pistas até 1976. Com bons resultados, mas jamais voltou a ter um piloto daquele quilate. Pena...De volta à Europa, sabe-se que Jimmy levou adiante seu projeto de testar a inovadora asa traseira, mas parece que Chapman não gostou e impediu que continuasse, até dar o braço a torcer, na temporada de 1968. Mas já então, Clark se tornara uma lenda, correndo apenas na imaginação daqueles que o admiravam

Caranguejo

----------------------------------------------------------------------------------------

Mais uma vez vou palpitar no texto do amigo e sócio...muitas vezes me emociono ao ler ou escrever alguns textos e este foi um deles, ao escrever "Terceiro Gigante" ele obviamente se refere ao Trio Nuvolari/Fangio/ Clark nossos três heróis que levaram a arte de pilotar ao limite extremo!

Rui Amaral Jr     

terça-feira, 6 de junho de 2017

O Templo por Milton Bonani


A vinte quilômetros de Milão, a bela cidade de Monza - que por si só já vale uma visita - abriga aquele que é considerado por muitos o Templo do automobilismo. Dentro de um dos maiores e belos parques da Europa, o autódromo de Monza pode ser visitado de segunda a domingo das 10:00 às 18:00 horas durante todo o ano.

Na entrada, a foto de São Cristóvão o padroeiro dos motoristas.

Tanto no parque, como no autódromo a entrada é gratuita, mas para conhecer realmente o que há de melhor, a empresa Infopoint oferece 2 opções de passeio pelo circuito: um, onde se conhece as principais dependências, como a tribuna principal, sala de imprensa e o famoso pódio. Outro, onde se anda pela pista em uma volta completa sendo a parada para conhecer as famosas sopraelevate obrigatória.

Vencedor da prova em 1954, Fangio e a bela W196, na estátua que foi cedida pela Mercedes.

Construída em 1922 no tempo recorde de 104 dias, a pista tinha como objetivo principal servir para testes de velocidade máxima dos carros e de testes de pneus, mas já no próprio ano de construção foi realizada a primeira competição automobilística. Nesta época, apenas o vencedor era homenageado e, para tanto, o público invadia a pista e o carregava nos braços. Nasce aí a tradição que permanece até hoje de permitir que o público invada a pista.

Até hoje a “Pista Pirelli” conserva os tijolos originais que eram molhados para testes de aderência.

A pista de Monza possui muitas características interessantes. Seu pódio é único no mundo pois é construído sobre a pista.



Sua linha de largada é em local diferente da linha de chegada e seu traçado era muito peculiar pois possuía duas curvas de alta velocidade com 85º de inclinação. São chamadas de sopraelevate e foram utilizadas pela Fórmula 1 a partir de 1955 e apesar de nunca ter havido nenhuma morte nelas, foram consideradas perigosas e abandonadas pela Fórmula 1 em 1961.




Continuaram a ser utilizadas por outras categorias até 1970 sendo então definitivamente abandonadas. Apesar disso, estão bem conservadas e sua primeira parte é utilizada em rally e comemorações de carros históricos.


Já foram ameaçadas de demolição, mas atualmente existe um projeto de transformá-las em monumentos históricos coisa pela qual todo fã do esporte torce.


Suas chicanes são extremamente fechadas e dizem que a prima variante como é conhecida a curva a direita no final da reta dos boxes foi modificada em 2000 para que ficasse mais lenta a pedido do grande campeão Schumacher.

São as histórias que o famoso autódromo viveu.


Milton Bonani