A VERDADE NÃO SERIA BASTANTE PLAUSÍVEL SE FOSSE FICÇÃO - Richard Bach

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

ALICATÃO




João Lindau





"ALICATÃO" era assim que o João se referia a certos pilotos afeitos a usar o pedal do freio antes do tempo. E ainda tinha o prazer de falar em conversa com os outros pilotos , quem o iria contestar ,na foto ao lado não é o carro que era muito baixo ,era ele que tinha uns 2.10 m .
Conheci sua família toda , desde seu pai até seu filho , que a ultima vez em que vi estava quase da sua altura . Só que ele era uma simpatia , amigão de todas horas , fizemos muitas viagens e corridas juntos , era fã incondicional de seu tio Oswaldo Brandão herói corintiano cujo filho Marcio , corria com um VW D3 do Pedro Victor que depois veio a ser pilotado por mim . Um dia em sua homenagem ainda crio um "TROFÉU ALICATÃO" e faço questão de ser o primeiro agraciado.

sábado, 20 de dezembro de 2008

ANJOS DA GUARDA


Eles são nossos anjos da guarda , só que ninguém se lembra deles , os Comissários de Pista , na época em que eu corria Bandeirinhas , estão lá para nos proteger , sinalizar óleo na pista , eventuais acidentes etc , são a nossa visão da corrida antecipada , onde não conseguimos enxergar . Só que deles não achei uma pequena foto sequer , são na maioria voluntários , amantes do esporte , vêem tudo de errado que fazemos e também tudo que fazemos certo , a visão de corridas deles nem a tv acompanha .
Depois da bandeirada final eles sempre saem de seus postos e no meio da pista agitam suas bandeiras , e se você andou bem , tem sempre um aceno direccionado a você . É muito bonito.
Às vezes assistindo corridas vemos algum piloto mais nervoso empurrando-os quando eles vem prestar ajuda.
Lembro de uma corrida ,foi em 1971 eu novato , acho que era a Copa Sulamericana ,vinha babando atrás dos ponteiros já que minha Caixa 3 me havia atrasado na largada .Na parte final da curva do Sol , curva maravilhosa ,raio longo dois pontos de tangencia vindo da Reta Oposta era feita em 4º marcha , dei uma rodada daquelas , fui rodando quase até o Sargento , numa destas rodadas , virado para a Curva do Sol vi o bandeirinha acenando sua bandeira amarela com listas vermelhas (óleo na pista) , nunca fiquei sabendo se ele percebeu o óleo pela minha rodada ou eu que não tinha visto a bandeira .Outro que me lembro , nas Mil Milhas em 1984 meu carro quebrou na mesma reta antes do Sargento ,era umas duas horas da madrugada e chovia canivetes , os Stock os carros da Turismo 5000 ,as Alfas balançavam tanto na freada que assustava , passando a meio metro de meu carro . Imediatamente chegou aquele "bandeira" , sinalizando sua bandeira amarela , me ajudou a descer do carro , me colocou em segurança , e voltou a sinalizar ao lado de meu carro parado , para que outro piloto não sofresse um acidente .
O grande Emerson Fittipaldi nervoso depois da quebra de seu F1 , deu uns empurrões ( penso que até uns tapas ) num Comissario que veio ajuda-lo . Acho que foi no Rio de Janeiro . Algum tempo depois estava na choperia de meu amigo Werner e fui apresentado a ele , eu tenho 1.90m , ele era duas vezes meu tamanho , um armário . Super simpático me contou sua aventura com o Emerson sempre rindo , sem nenhum ressentimento . Pena não lembrar seu nome. Acredito que sendo o Emerson não só o grande piloto que é , mais também um grande cara , se desculpou com ele , só lembro que ele não guardava magoa nenhuma .
Acho que todos Comissários são como esse grandão : Anjos da Guarda.
16/01/2009 foto adicionada ,agradeço ao Sergio Berti , que também me informou o apelido do gigante , muito sugestivo "Pulguinha"

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

MARAZZI









Só alguém que sabia acelerar um carro de corrida , poderia escrever uma matéria como esta , e nisto meu amigo Expedito era único . Piloto , motociclista , jornalista de primeira grandeza , escrita fina ,texto claro , escrevia sobre o que conhecia .
Em 1982 ele nos brindou com esta matéria na excelente revista MOTOR3 , não conheço quem a poderia ter escrito com maior propriedade .
Revendo , lembro dos amigos , Duran , Ferraz , Espanhol (J.M.RAMOS) , Aparecido , Bruninho , e o João Lindau , que nos deixou antes da bandeirada final . Na primeira foto quem está em meu carro é o Pankowisk outro amigo.
Dias depois demos uma festa em homenagem ao Expedito , na choperia do Duran ,Talbot na Av Henrique Schaumann , só que esta é outra história.
Obrigado Velho.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

CHAPA




Seu nome é Flávio ele e sua mulher Mari são meus amigos a mais de trinta anos , preparou o primeiro motor para mim em 1977 , já fazia naquela época motores fortíssimos , se juntos não ganhamos nenhuma corrida , podem ter certeza que a culpa não foi dele.

Em 1982 resolvi fazer uma temporada na Turismo Especial Paulista que nada mais era que a D3 , amortecedores nacionais , cambio de 4 marchas , pneus slic da Pneubras , e outras modificações para baixar o custo da categoria.

Tínhamos feito já duas corridas da temporada , o Carlão tinha feito para mim um ótimo acerto de chassi , na corrida inicial quebrei quando disputava a segunda colocação , na segunda corrida fui terceiro ,atrás do Mogames e do Laercio , só que tínhamos feito a melhor volta da corrida .

O Carlão em Portugal com a Stock Car marcamos um treino o Chapa e eu para o meio da semana , íamos testar três motores , com diferentes configurações que ele havia preparado.

Os motores tínhamos ido buscar no dia anterior , o Chapa os tinha montado na SALECAR de nossos amigos Marcos , Arno e Fabinho Levorin .

Cedo naquele dia fui busca-lo na Freguesia do Ó onde ainda hoje é sua oficina , eu morava na V Olímpia e íamos para Interlagos , pensem só na volta que dei. Carro na carreta , dois motores para testar , um jogo de pneus , um monte de tralha mais dois ajudantes e fomos embora para a pista.

Já na marginal , ele guiando a Caravan branca , puxando a carreta com o Fusca , me falava a cada cinco minutos " tem um fusca vermelho nos seguindo" , eu todo feliz pensava ,"que bom três motores , dois jogos de pneus , um monte de tralhas , o autodromo quase que só para nós , vai dar para andar o dia inteiro".

Arrumado o box , a esta altura ele já tinha queimado meu anorak vermelho , preto e branco no escapamento do carro , logo ele que é corintiano . "Vai se trocar" obedeci ,coloquei macacão , entrei no carro , um ajudante afivelou meu cinto , e ele ordenou "ignição" , colocando o capacete outra ordem , "liga o motor" liguei o motor que já havia sido esquentado e lá vem outra ordem "sai".

Ai começou toda confusão , engatei a primeira , fui tirando o pé da embreagem bem de vagar , por causa da caixa 3 , e nada do carro sair ,coloquei segunda e nada , ele lá fora gesticulava ,e falava alguma coisa , mais não dava para ouvir por causa do barulho do motor . Gesticulei que as marchas não estavam entrando , ele uma fera colocou meio corpo para dentro do carro engatava as marchas , e me mandava tirar o pé da embreagem . Desliguei o motor , e num lampejo lhe disse , "está sem o disco de fricção" pra que ,ele ficou uma fera ,falou um monte de bobagem , até que eu disse "olha nos outros motores". Nenhum deles tinha o tal disco de fricção , colocaram o platô e num descuido esqueceram os discos .

Desci do carro e eu que não sou de maltratar os carros , eles nos dão as vitórias , as derrotas na maioria das vezes é nossa culpa , bati a porta que era bem leve com força , ele me olhou e disse "vou arranjar um disco" , mais aquela altura o treino já estava arruinado.

Voltando para oficina pela marginal , eu já fulo da vida desci do carro e fui para casa de táxi , não sem antes falar uns impropérios a ele . Esta é a parte da história que ele conta até hoje , só os meus impropérios e ainda reclama , por eu ter descido do carro na marginal .

Este é o Chapa , amigão , de tanto tempo .



AMARELO 18


Camilo e seu tio Chico Landi

Tirando a 18 da carreta

O ano era 1966 eu então com 13 anos , já vinha pertubando minha mãe , "quero ir assistir as Mil Milhas o Camilo vai ganhar" ela não me deixou ir assistir a largada que era a meia noite ,assim que amanheceu pedi para alguém me levar até Interlagos , que na época era no fim do mundo , não lembro quem me levou .Do lado de fora do autódromo , já entrando , o amigo que tinha ido comigo e eu falávamos ao ouvir o ronco dos motores , é o Camilo . Devia ser umas 9h , e para nossa decepção não era ele que liderava . Suprema ousadia , a prova era liderada pelo Pace com KG Porsche seguido se não me engano pela dupla Jan Balder/Emerson Fittipaldi com Malzoni , para nós na época simples figurantes no palco montado para vitória de nosso campeão . Não sabíamos nós de todas as glórias que estes três rapazes nos trariam no futuro , já estávamos vendo uma página da história . De repente a liderança passou ao Emersos/Jan , e lá vinha o Camilo , com aquele ronco ensurdecedor do V 8 ,e nós torcendo . Acho que eles nem sentiram o gosto da liderança , um problema no motor os fez parar logo depois , e para nossa alegria lá vinha o Amarelo 18 na liderança . Se não me falha a memória , depois foi só entregar o carro ao Celidonio e comemorar a bandeirada de vitória .
Posso estar muito enganado , mais no troféu das Mil Milhas está escrito " Gloria eterna aos vencedores das Mil MIlhas " deve ter sido o Barão , Wilson Fittipaldi que idealizou e realizou as Mil Milhas quem a escreveu .
Neste dia a gloria , para nossa felicidade ,foi da dupla Camilo/Celidonio . Voltamos para casa felizes , tivemos que descer até o Largo do Socorro para pegar um táxi , uma baita caminhada , só falávamos da vitória do Amarelo 18 do grande Camilo Cristófaro*.

SAUDADES

O Gonzagão tem um baião que define bem esta palavra. Dos grandes caras que vou citar , resta para mim a lembrança e o privilégio de com eles ter convivido. De uma coisa vocês podem ter certeza , vem muitas historias deles por aqui.

Expedito Marazzi

Antonio Carlos Avallone

Adolfo Cilento Neto

João Lindau

Arno Levorin

Fredi O'Hara

Nivaldo Correa

Edgard Soares

Luiz Carlos Lara Campos

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

MAIS QUE CAMPEÔES

TAZIO



JIM


AYRTON

Fui apaixonado pelo automobilismo desde cedo , lembro que a partir dos 10 anos lia tudo que me caia nas mãos , tinha muitos ídolos no Brasil ,destes escrevo outro dia . Um em particular tinha uma enorme admiração , Jim Clark ,para mim era tudo que um piloto poderia ser .Minha mãe era casada em segundas núpcias com um cara super legal , o Dino Genovesi , e ele me deu a primeira assinatura que tive da revista AUTOESPORTE na época uma revista completa. Quando chegou o primeiro numero surpresa em assinante estava escrito "JIM CLARK do Amaral" era eu.Mais tarde , já começando a correr , entendendo mais do assunto , vi que não estava errado , acompanhando outras carreiras , vi muitos pilotos sensacionais ,ainda vou mostrar todos , e comecei admirar um certo italiano , que tinha corrido em todas categorias de sua época , até de moto , dele o Adolfo Cilento me emprestou um livro em italiano , que contava sua vida. Pilotos rápidos , campeões , grandes pilotos graças a DEUS nosso esporte tem de sobra . Mais aqueles que independente do equipamento , das condições da equipe e outros fatores conseguem superar tudo , são mais rápidos que o carro , em minha modesta opinião foram apenas três . Tazio Nuvolari , Jim Clark e Ayrton Senna . Em 1938 a AUTO Union havia perdido seu grande nome , o excelente Bernd Rosemeyer ,morto num AUTO UNION de carroceria aerodinâmica a mais de 435 km/h , sem seu grande piloto e com a nova formula de três litros a equipe começa a sofrer sem resultados , ai chega aquele italiano já famoso e leva o carro que nas mãos de outros não andava e vence com ele o GP da Itália e o GP de Donington na Inglaterra. Tazio era mais rápido que o carro.E o que escrever sobre Jim Clark piloto com um modo de pilotar incomparável , alguém que entendesse menos de automobilismo , e o visse andando só em um pista , talves pensasse , este não é rápido , só que era e bem mais rápido que todos , e naquela época muita gente boa disputava com ele . Em um mesmo dia guiava Esporte Prototipos , Turismo e F1 e em todas brigando lá na frente. Foi o mentor da Lotus , que com esta base ganhou ao longo do tempo mais de 70 corridas de F1 . Em 1968 uma reta de Hockenheim nos tirou o privilegio de vê-lo pilotar.
Dele falou outro baita piloto Dan Gurney " se ele pode morrer o que será de nós".
E o Ayrton ,ora ele era o Ayrton Senna ,herói em todo mundo , dele já se escreveu muito . Pouco pelo que ele representou para todos nós . Uma curva de Imola ,a Tamburelo levou o nosso campeão .Algumas pessoas vão dizer que sou louco , mais para mim estes três grandes homens representam a essência do automobilismo de competição.

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

VENENO PURO


Luis Antonio Siqueira Veiga o Teleco para mim um grande amigo , um baita cara ,correu no Brasil em diversas categorias , na Divisão 3 sobressaiu-se ao pilotar um VW para a equipe AUTOZOOM com ele correu Alfredo Guarana Menezes dois grandes pilotos rapidíssimos , em 1973 foi para a Inglaterra correr na F3 pela MARCH. Dele escreveremos ainda muitas histórias , esta me contou na época em que a viveu , 35 anos atrás e agora estamos contando a vocês.

" O ano era 1973 eu corria pela MARCH na F3 , meu amigo Jean Pierre Jarrier corria também na MARCH só que na F2 , estávamos saindo da sede da equipe em Biscester , para irmos para minha casa perto de Oxford .Estava de carona com o JP pois ele dormiria em casa , nosso carro era um Ford RS 3000 e íamos tranquilos ,de repente comecei a sentir que ele andava rápido , muito rápido , para nós muito rápido era muito rápido mesmo . Olhando para trás vejo o motivo , o Ronnie Peterson que também estava na sede da equipe connosco , vinha atrás de nós com seu Ford Cortina Lotus e vinha babando , com tudo . Começamos uma corrida muito louca pelas estradas inglesas , aquelas bem apertadas do interior . O Ronnie querendo ultrapassar e o JP segurando , andando de lado , freando no limite , uma loucura . A certa altura , numa saída de curva nosso carro derrapou saindo de traseira para fora da estrada e batendo com a roda traseira esquerda em um buraco , devemos ter andado uns 100m em duas rodas pelos campos . Enfim quando paramos , notamos que era impossível andar , pois havia quebrado uma ponta de eixo , a roda e o pneu rasgado . Pra variar chovia pra caramba , largamos o carro lá mesmo e tomamos uma carona com o Ronnie , nos divertindo com toda aquela loucura e eu , assustado com tudo aquilo . Meses depois a policia inglesa foi atrás do JP na minha casa , deixando uma intimação policial . E olha que a esta altura já éramos profissionais. "

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

O COMEÇO


A primeira vez que andei em uma pista foi com meu irmão Paulo , ele e seu parceiro Luciano haviam comprado um PORSCHE SPYDER 550 , e estavam treinando para os "500 km de INTERLAGOS" o ano era 1961 e eu estava com 9 anos. Depois de treinarem , me convidaram a dar umas voltas ,não lembro quantas foram ,só lembro o vento batendo em meu rosto no "RETÂO" e o aslfalto passando rápido. O carro maravilhoso prateado com os bancos vermelhos já conhecia bem , pois ficava na garagem de casa . Em outro treino me lembro de um acidente na curva 3 que na época era chamada de " BACIÃO ", um piloto (depois fiquei sabendo que era um mecanico ) passou reto na freada e caiu no barranco ,pois na época não existia nenhuma barreira.
Sai correndo dos boxes , que eram no "CAFÉ" desci a "SUBIDA DOS BOXES" correndo , ao chegar na "JUNÇÃO" me apavorei , o mato era alto e a pista muito larga . Cheguei na 3 a tempo de ver o piloto saindo de maca , não sei o que lhe aconteceu.
Este foi o começo desta paixão cheiro de gasolina e pneus , um barulho tremendo ,adrenalina correndo solta.
Neste blog pretendo divulgar histórias contadas por quem as viveu,amigos que como eu são apaixonados pelo esporte.Pilotos ,preparadores ,mecanicos ,gente que acompanhou de perto ,enfim todos que tiverem uma história verdadeira para aqui colocar.Resultados ,polemicas atuais ,deixo para outros comentarem, neste particular recomendo o exelente http://www.blogdoautomobilismo.com/ do Carlos de Paula, o http://www.bandeiraquadriculada.com.br/ do Paulo Peralta,e outros.