A VERDADE NÃO SERIA BASTANTE PLAUSÍVEL SE FOSSE FICÇÃO - Richard Bach
Mostrando postagens com marcador VW D3. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador VW D3. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 8 de novembro de 2016

S...

...a curva do S é composta de duas curvas, a primeira chamada de S mesmo e a continuação a curva do Pinheirinho pois lá nos primórdios do autódromo existia uma araucária mais conhecida por Pinheiro.
Mesmo hoje com a descaracterização de nossa pista ele continua parecida com a verdadeira, apenas a chegada dela que antes vinha de uma reta entre a curva do Laranja e sua tomada e hoje vem daquela excrecência chamada de Laranjinha.
Nas duas fotos estou nelas, na primeira freando depois da reta que nos trazia do Laranja e na segunda saindo do S e já tomando o Pinheirinho, em ambas na Divisão 3, a primeira caso não me engane em 1978 a segunda em 1982.

 Neste carro eu entrava no S em segunda marcha, depois de reduzir de quarta para segunda, um pouco adiante do carro que ia à minha frente uma acelerada forte e tirava um pouco o pé para entrar no Pinheirinho logo voltando acelerar forte. Este carro que comprei do grande Luiz Pereira Bueno foi pilotado por meu amigo Jullio Caio de Azevedo Marques para a equipe Hollyhood, o cambio era uma Caixa Um com a primeira e segunda marchas mais curta que o outro, apesar do diferencial ser o mesmo 8:31.
   Aqui estou tomando o Pinheirinho com o Elcio Pelegrini em meu encalço, com uma Caixa 3 com a primeira longa que alcançava com o diferencial 8:31 algo como 95/105 km/h, vinha em terceira na reta que antecedia, entrava no S em primeira para saindo do ponto de tangencia acelerar forte e colocar a segunda marcha para logo à seguir de uma pequena tirada de pé fazer o Pinheirinho, onde logo após a tangencia acelerava forte indo até a zebra do lado de fora, em ambos os carros os pneus era 10/20/13. 

Rui Amaral Jr

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Velocidade pura...

 Jr Lara e seu Pequeno Foguete.

"Essas velocidades se deram em meu VW quando brigava francamente com os Passats que já dominavam a D3 nos anos 1980/1981. Esse fato "velocidade" é mostrado nos poucos videos que existem, um em Interlagos e outro em Jacarepaguá, só dava o meu VW e os Passats.

Explico, como conseguimos atingir com os motores box acima de 8000 rpm.... "

Junior Lara Campos

 Arturão bi campeão brasileiro da categoria.
 Edson Yoshikuma

 Paulo Gomes e Luiz Pereira Bueno
 Pedro Victor de Lamare e Luiz Pereira Bueno
Vicente Correa
João Franco



Tenho lido muita bobagem sobre a velocidade máxima de nossos VW D3, alguns falam que em Interlagos chegavam à absurdos 240 km/h, então vamos tomar Interlagos como referencia...
Os carros mais rápidos saiam da curva Dois à cerca de 180 km/h e logicamente a velocidade final depende muito da relação da quarta ou quinta marcha usada bem com da relação do diferencial, segundo o Jr Lara seu carro foi pego no radar à 208 km/h o Arturo Fernandes que corria com relação final mais curta deveria chegar à uma velocidade menor pois ele mesmo me conta que tirava o pé antes do meio do Retão para não estourar o motor, eu que usava diferencial 8:31 e quarta 0.96 chegava à velocidade próxima do Jr...

Amadeu Rodrigues e eu na linha de chegada em Interlagos, era um treino da corridab pelo Anel Externo.

 apenas uma vez quando fizemos uma corrida pelo Anel Externo com a mesma relação peguei um vento de popa e vi meu contagiros chegar à cerca de 200 giros a mais, na época calculei a velocidade mas não lembro direito qual era, cerca de 5 km/h a mais. 
Velocidades acima destas era dos Maverick D3 com seus V8 de mais de 350 hp ou depois os Passat D3 que tinham cerca de 35 hp a mais que os VW boxer.

Rui Amaral Jr 

terça-feira, 10 de novembro de 2015

Claudio Zarantonello

Moinho Silver

Ontem mostrei o VW D3 que corri no ano de 1982 e como sou apressado não citei alguém que foi muito importante naquele ano e em outros; meu amigo Claudinho.
Claudinho & irmãos são proprietários de uma empresa que constrói moinhos para a industria de vários setores, inclusive a alimentícia onde atuávamos com os Alimentos Selecionados Amaral S.A.

Com Samuel Gross e Claudinho na homenagem que eles receberam ano passado.
Claudinho e as maravilhas que ele hoje restaura.

E lá eles têm um maquinário completo e o Chapa e eu usávamos e abusávamos dele sempre pedindo alguma peça importante que na época era dificílima de encontrar, pois ao contrário de hoje muitas delas eram artesanais como os suportes do freios à disco traseiro, e muitas outras...
E Claudinho sempre atendendo nossos pedidos...
Foi gostoso aquele ano de 1982 e o Campeonato Paulista da D3 - TEP - que disputamos, comprei o carro de nossos amigos Levorin no começo da temporada, nos primeiros treinos o ele era um bom carro mas não competitivo para disputar a ponta, havia conseguido virar com ele em Interlagos no tempo de 3.37s o que me colocava no meio do pelotão. Logo o Chapa refez os motores com novos equipamentos e muitas peças feitas pelo Claudinho. Já descrevi aqui em Comprando o #8 e Efeito Canguru como acertamos o carros e já na segunda corrida eu virava o temporal de 3.23. 90/100 que se não me engano foi recorde para categoria. 
Daí em diante pude brigar com os carros de ponta como o Mogames, Alvaro Guimarães, Bruno, Elcio Pellegrini e tantos outros e se não venci nenhuma das corridas do campeonato foi por causa das quebras ou de alguma falha minha.

 1982 - no podium com Mogames e Laercio dos Santos.

E ficou esta amizade que para mim é tão cara e perdura até hoje.

Um abração Claudinho que Deus continue te abençoando meu amigo.

Rui Amaral Jr

 O #8 por Mestre Ararê.
  


    

terça-feira, 13 de maio de 2014

SHOW de D3

Sábado foi de festa em Interlagos, era aniversário do Arturão e a Regina Caderoni levou muita coisa boa, salgados doces...mas logo ao chegar encontro do Marcos Fernando com o bolo de fotos que vou mostrar agora, estava ao lado do Marcos Ponce e    ficamos lá relembrando os bons tempos da Divisão 3 que em algumas das fotos corria como Hot Cars!
Obrigado Marcos pelo carinho e amizade, um abração!

VW
 Alvaro Guimarães
 Ratinho no carro do João Lindau
 Elcio Pelegrini e a Fiat de Giuseppe Marinelli atrás o Passat de Waldir Silva
VW #17 Laercio dos Santos e Passat #2 de Armando Balbi
Marcos Cayres
Luciano Delarolle
George Lemonias
#38 Alvaro Guimarães, #13 Fabio Levorin, #42 Claudio Gonzalez
Artur da Cruz
George Lemonias
 José Ramos o Espanhol
 Ferraz
 Fabio Levorin com o carro que viria a ser o meu #8

 Amadeo Campos
Jeferson Leandrini
 José Antonio Bruno
George Lemonias
 Alvaro Guimarães
Ao lado do carro da SALECAR meu amigo e companheiro das M.M.Brasileiras de 1984 Fabio Levorin.
Amadeu Rodrigues
Samuel Gross
 Bruno


 Claudio Gonzalez

GOL
Marcos Troncon
 Amadeu Rodrigues
 Zé Romano
Dimas de Mello Pimenta
#6 Dimas e #16 Josué 

Passat
Ricardo Bock
#78-Egidio "Chichola" Micci 
Passat #117 Vicente Correa
Waldir Silva
João Franco e ao seu lado de azul Ico Cilento
#31- Clemente Faria
#44-Roberto Rempel; 
#32- Zé Junqueira
#55-Samuel Gross
#27 Pedro Bartelli 
 #12 Paulo Sarmento
Armando Balbi

#33-Toninho da Matta
#34 Paulo Mafra
Toninho da Matta
Vicente Correa
#12 João Franco com a mão na cabeça e ao seu lado Ico Cilento

FIAT
Depoimento de João Carlos Bifulco Gomes irmão do Ricardo no Facebook; O Fiat Spazio da foto, disputou as Mil Milhas daquele ano com o grande Bob Sharp fazendo dupla com o "Pino" Marinelli. Andou prá cacete. Na primeira volta, passou em 8º na geral! Inacreditável! Eu ajudei nos boxes, colocando as placas de sinalização. No amanhecer do dia, quando estava em 12º na geral, teve um problema numa das canetas do Weber ficou com um cilindro à menos. O problema foi resolvido, mas atrasou o carrinho que teve de descontar o tempo perdido, quando então quebrou uma homocinética. Pena!
Marcos Troncon -Fiat 147 1.100cc turbo.

FOTOS: Marcos Fernando Costa Dias.
NT: Não marquei as fotos e peço a quem quiser usá-las dar os devidos créditos ao fotografo. 

Com a colaboração do Caranguejo e Fabiano Guimarães.