A VERDADE NÃO SERIA BASTANTE PLAUSÍVEL SE FOSSE FICÇÃO - Richard Bach
Mostrando postagens com marcador Richie Ginther. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Richie Ginther. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 12 de junho de 2012

PERNAS-CURTAS por Henrique Mércio

Paul Richard “Richie” Ginther
Richie na vitória do México

Nascido em 1930 na Califórnia, na infância conheceu alguém de suma importância em sua carreira, o futuro campeão da F1, Phil Hill, que era amigo de seu irmão mais velho. Através de Hill, Ginther teve seus primeiros contatos com as corridas em 1948. Ao terminar os estudos, passou a trabalhar com seu pai na Douglas Aircraft e dividia seu tempo participando de corridas em Laguna Seca ou Riverside. Porém, no começo dos anos cinqüenta, o pequeno californiano teve de largar seu MG, chamado que fora por seu país, para lutar na Guerra da Coréia. Lá aperfeiçoa seus conhecimentos de mecânica, trabalhando com motores de aviões e ao retornar, junta-se ao amigo Phil Hill na famosa Carrera Panamericana, pilotando uma Ferrari 4.1.

Phill Hill e Richie
Richie e Hill na Ferrari 4.1 na Carrera Panamericana.
Richie e a Ferrari 250 Testarossa na Targa Florio 1960.

 Em 1954 retoma a carreira solo, participando de provas com um Austin Healey. Nessa época, torna-se contemporâneo de um jovem piloto que também era muito participativo, um certo James Dean. Os resultados de Richie chamaram a atenção de Johnny von Neumann, chefe de equipe e revendedor da Porsche para a Califórnia, que confia-lhe um desses carros alemães. Mas sua grande chance surge em 1956 quando passa a pilotar Ferraris. Logo, estava conversando com Luigi Chinetti, chefão da NART (North American Racing Team) e representante de Enzo Ferrari nos Estados Unidos. Esse contato abriu as portas para Ginther tanto em provas européias como as 24 Horas de Le Mans, e também em corridas norte-americanas como as 12 Horas de Sebring ou as 24 Horas de Daytona, sempre com a marca do “Cavalinho Rampante”. 

1961, Richie lidera Von Tripps no GP de Monaco, ambos de Ferrari 156 "Shark Nose"

Em 1960, Richie é chamado para correr na F1 pela equipe italiana, apadrinhado tanto quanto o possível por seu amigo Hill. Estréia com uma sexta colocação em Mônaco, pilotando uma Ferrari Dino 246. Participa em mais três corridas em 60, em uma delas o GP da França, com o pouco conhecido Scarab Type 1, mas é com a Ferrari que obtém o seu melhor resultado: uma dobradinha com Phil Hill em Monza/60. Em 61,divide a equipe Ferrari com Wolfgang von Trips, Phil Hill, Olivier Gendebien e os novatos Giancarlo Baghetti e Ricardo Rodriguez. Consegue boas colocações como um segundo lugar em Mônaco e dois terceiros, em Spa e Aintree, no ano em que Hill vence o campeonato mundial. De 62 a 64, correrá pela BRM, fazendo em 63 sua melhor temporada, com 3 segundos lugares (Mônaco, Monza e Watkins Glen) e 2 terceiros (Nurburgring e México), terminando com a terceira posição no Mundial. 

 Oulton Park 1963 Ginther #2 larga na primeira fila ao lado de Grahan Hill #1, Jim Clark #4 e Trevor Taylor ambos de Lotus.
 GP da Holanda, Zanvoort 1965, #10 Grahan Hill BRM P261, Jim Clark #6 Lotus 33, Richie Guinther #22 Honda P261, John Surtees #2 Ferrari 158, Dan Gurney #16 Brabham BT11 e Mike Spence #8 Lotus 25.
 Honda RA272.
GP do Máxico 1965 Richie e a Honda RA272 largam para vitória.

Em 65, vai para a Honda com a missão de acertar o modelo RA272 (motor 1.5 litro, 270 cavalos à 12.000 rotações). Apesar da experiência de Ginther, o carro era de difícil acerto e a vitória só veio na última prova do ano, no México, graças ao ar rarefeito da pista de Magdalena (2.245 metros de altitude). Não só é a primeira vitória de Richie na categoria, mas também da Honda e dos pneus Goodyear. Em 66, enquanto espera que o novo motor Honda de 3 litrosfique pronto, atua como consultor do filme “Grand Prix”, de John Frankenheimer, que retrata o mundo das pistas, onde também faz uma ponta. Participa de três corridas com a equipe japonesa sem resultados de relevo e no ano seguinte, une-se a Dan Gurney no projeto do Eagle-Weslake, mas decide abandonar as pistas após um acidente nos treinos para as 500 Milhas de Indianápolis. Daí para frente, o “aposentado” Richie tornou-se um cigano, rodando pelos desertos californianos em seu “Trailer”. Em 1989 está passando uns tempos no sul da França quando um sofre um ataque cardíaco. Tinha 59 anos.

Henrique Mércio - Caranguejo

Richie Ginther e a Eagle Weslake 1967.






sábado, 10 de março de 2012

Paul Richard “Richie” Ginther e Wolfgang Graf Berghe von Trips

Hoje volto a mostrar dois posts, de meu amigo Caranguejo, que contam a história de dois dos personagens do incrível GP da Bélgica em Spa 1961.


  Von Tripps



Richie Ginther



Ambos textos são do Caranguejo

segunda-feira, 9 de maio de 2011

PERNAS-CURTAS por Henrique Mércio

Paul Richard “Richie” Ginther

Phill Hill e Richie Ginther.

Nascido em 1930 na Califórnia, na infância conheceu alguém de suma importância em sua carreira, o futuro campeão da F1, Phil Hill, que era amigo de seu irmão mais velho. Através de Hill, Ginther teve seus primeiros contatos com as corridas em 1948. Ao terminar os estudos, passou a trabalhar com seu pai na Douglas Aircraft e dividia seu tempo participando de corridas em Laguna Seca ou Riverside. Porém, no começo dos anos cinqüenta, o pequeno californiano teve de largar seu MG, chamado que fora por seu país, para lutar na Guerra da Coréia. Lá aperfeiçoa seus conhecimentos de mecânica, trabalhando com motores de aviões e ao retornar, junta-se ao amigo Phil Hill na famosa Carrera Panamericana, pilotando uma Ferrari 4.1.

Richie e Hill na Ferrari 4.1 na Carrera Panamericana.
Richie e a Ferrari 250 Testarossa na Targa Florio 1960.

 Em 1954 retoma a carreira solo, participando de provas com um Austin Healey. Nessa época, torna-se contemporâneo de um jovem piloto que também era muito participativo, um certo James Dean. Os resultados de Richie chamaram a atenção de Johnny von Neumann, chefe de equipe e revendedor da Porsche para a Califórnia, que confia-lhe um desses carros alemães. Mas sua grande chance surge em 1956 quando passa a pilotar Ferraris. Logo, estava conversando com Luigi Chinetti, chefão da NART (North American Racing Team) e representante de Enzo Ferrari nos Estados Unidos. Esse contato abriu as portas para Ginther tanto em provas européias como as 24 Horas de Le Mans, e também em corridas norte-americanas como as 12 Horas de Sebring ou as 24 Horas de Daytona, sempre com a marca do “Cavalinho Rampante”. 

1961, Richie lidera Von Tripps no GP de Monaco, ambos de Ferrari 156 "Shark Nose".


Em 1960, Richie é chamado para correr na F1 pela equipe italiana, apadrinhado tanto quanto o possível por seu amigo Hill. Estréia com uma sexta colocação em Mônaco, pilotando uma Ferrari Dino 246. Participa em mais três corridas em 60, em uma delas o GP da França, com o pouco conhecido Scarab Type 1, mas é com a Ferrari que obtém o seu melhor resultado: uma dobradinha com Phil Hill em Monza/60. Em 61,divide a equipe Ferrari com Wolfgang von Trips, Phil Hill, Olivier Gendebien e os novatos Giancarlo Baghetti e Ricardo Rodriguez. Consegue boas colocações como um segundo lugar em Mônaco e dois terceiros, em Spa e Aintree, no ano em que Hill vence o campeonato mundial. De 62 a 64, correrá pela BRM, fazendo em 63 sua melhor temporada, com 3 segundos lugares (Mônaco, Monza e Watkins Glen) e 2 terceiros (Nurburgring e México), terminando com a terceira posição no Mundial. 

Oulton Park 1963 Ginther #2 larga na primeira fila ao lado de Grahan Hill #1, Jim Clark #4 e Trevor Taylor ambos de Lotus.
 Honda RA272.
 GP da Holanda, Zanvoort 1965, #10 Grahan Hill BRM P261, Jim Clark #6 Lotus 33, Richie Guinther #22 Honda P261, John Surtees #2 Ferrari 158, Dan Gurney #16 Brabham BT11 e Mike Spence #8 Lotus 25.

   GP do Máxico 1965 Richie e a Honda RA272 largam para vitória.
Comemorando a vitória no México 1965.

Em 65, vai para a Honda com a missão de acertar o modelo RA272 (motor 1.5 litro, 270 cavalos à 12.000 rotações). Apesar da experiência de Ginther, o carro era de difícil acerto e a vitória só veio na última prova do ano, no México, graças ao ar rarefeito da pista de Magdalena (2.245 metros de altitude). Não só é a primeira vitória de Richie na categoria, mas também da Honda e dos pneus Goodyear. Em 66, enquanto espera que o novo motor Honda de 3 litrosfique pronto, atua como consultor do filme “Grand Prix”, de John Frankenheimer, que retrata o mundo das pistas, onde também faz uma ponta. Participa de três corridas com a equipe japonesa sem resultados de relevo e no ano seguinte, une-se a Dan Gurney no projeto do Eagle-Weslake, mas decide abandonar as pistas após um acidente nos treinos para as 500 Milhas de Indianápolis. Daí para frente, o “aposentado” Richie tornou-se um cigano, rodando pelos desertos californianos em seu “Trailer”. Em 1989 está passando uns tempos no sul da França quando um sofre um ataque cardíaco. Tinha 59 anos.

Henrique Mércio

Richie Ginther e a Eagle Weslake 1967.