A VERDADE NÃO SERIA BASTANTE PLAUSÍVEL SE FOSSE FICÇÃO - Richard Bach
Mostrando postagens com marcador Ricardo Bifulco. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Ricardo Bifulco. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 13 de abril de 2016

Novatos 1971...

Nem parece que 45 anos se passaram...nas pistas batalhamos por posições aguerridamente, sempre com respeito e hoje com a Graça de Deus continuamos amigos...




Não corri a prova "Uma Hora de Calouros" pois não tinha um carro da D3, mas nas pistas meus amigo João Carlos Bevilacqua, Jacob Kounrouzan, Edo Lemos, Guaraná e tantos outros fizeram nosso espetáculo na preliminar dos 500 KM de Interlagos vencido pelo saudoso amigo Luiz Pereira Bueno, secundado pelo amigo sempre presente Chico Lameirão com Sidney Cardoso no Ford GT40 em terceiro.


Ricardo Bifulco, Guaraná, João e eu dois anos atrás.
Com Chico Lameirão, Fernando Lapagesse, Regina Calderoni e Jacob em Interlagos.
Joca, Fernando Lapagesse entregando um troféu ao Edo sob o olhar de Leon Lorena.

Ao receber o recorte de jornal do João dias atrás pensei em escrever sobre a corrida, mas postando as fotos fui pensando nos amigos, nas situações, lembrando tantas coisas boas que acabei me perdendo nestas belas recordações...

Aos amigos com carinho,

Rui Amaral Jr 


sexta-feira, 22 de março de 2013

Ricardo Bifulco


Hoje meu amigo Ricardo levou suas belas réplicas dos grandes carros de competição brasileiros e numa bela entrevista no programa Sob Nova Direção contou para nós e para  os amigos Sérgio, Gláucio e Cassio, toda sua paixão e entusiasmo. 
Falar/escrever sobre o Ricardo é para mim complicado pois minha admiração por ele vem desde o dia que o conheci e vi as suas belas obras.
Ao Ricardo, Simone, Sérgio, Cassio e Gláucio meus parabéns pelo programa e meu forte abraço. 






Blog do programa com a entrevista do Ricardo e todas outras.

 A carretera com que Victório Azzalin e Justino de Maio venceram as Mil Milhas Brasileiras de 1965
 A Caninana carretera com que Orlando Menegaz venceu duas Mil Milhas Brasileiras, em 1957 correndo com Aristides Bertuol e 1961 com Italo Bertão
 BMW Esquife, com que Ciro Cayres e Jan Balder venceram os 1.500 KM de Interlagos em 1970
A Berlineta de tantas vitórias de Bird Clemente

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Ricardo Bifulco

As réplicas do Ricardo dos grandes carros de nossas pistas são para autorama, elas são simplesmente perfeitas, só de olhar de perto já nos emocionamos, eu por exemplo, jamais colocaria qualquer uma delas na pista, mas ele anda e até de vez em quando dá umas pancas.
Assim é o Ricardo, e estes seus carros...

 A Maserati de Celso Lara Barberis

500 KM de Interlagos 1961
Simca de Ciro Cayres



Ciro correndo com Jaime Silva
 Alfa P33 de Marivaldo Fernandes

Na visão de meu amigo Fernando Fagundes, o Hiperfanauto.
 Simca Abarth da equipe Simca comandada por Chico Landi, que teve como pilotos Ciro Cayres, Jaime Silva, Toco e Ubaldo Cesar Lolli
 Jaime

 Jaime e Lolli
 Camilo, Jaime e Ciro
 Jaime e Ciro

Jaime


quinta-feira, 1 de setembro de 2011

O Mago


A carretera Gordini de Luizinho e Pace.

Salve Rui! Tudo bem?

Muito obrigado pelas fotos!

Estou te encaminhando algumas fotos dos dois Gordinis Carretera que construí em autorama na escala 1:32, para reproduzir a dobradinha dos 1600Km de Interlagos de 1965. 
Como você sabe, o “47” venceu, pilotado pelo Luizinho Pereira Bueno e José Carlos Pace, e o “46” chegou em segundo, pilotado pelo Bird Clemente e o Wilsinho Fittipaldi. Se olhar atentamente, vai notar algumas diferenças nos carros, devido ao espaço de tempo na construção de cada um e as técnicas diferentes que foram utilizadas. Bem,  Vamos lá:
A carretera 47 foi feita a partir de uma cópia em resina de um Gordini de rua editado pela marca britânica Airfix na década de 60 e as únicas referências que eu tinha na ocasião, eram:  uma foto no livro do Ano da enciclopédia Barsa 1965 e uma foto no livro do Autódromo de Interlagos, escrito pelo Paulo Scali. 





A carretera 48 foi construía alguns anos depois, com outros recursos e utilizando desta vez, um kit original da Airfix da época, com chassis, motor, transmissão e guia da década de 60.  Como agora  eu já tinha várias fotos da carretera, ficou muito mais fácil a reprodução.
Como você pode observar, ainda não coloquei os faróis auxiliares, mas logo logo termino. Espero levar o carro para o Bird e Wilsinho autografarem. 
Voltando ao “47”, cabe aqui uma breve história que eu não posso deixar de contar, e antecipadamente, peço desculpas caso escreva demais, ok meu amigo? 
Como a carreteira ficou  pronta na ocasião do  Evento “Clássicos de Competição” em Interlagos, decidi levá-la para mostrar ao Luizinho e se possível, ter o autógrafo dele.
Olha, o que aconteceu lá no Box eu jamais esquecerei:
Estávamos eu, meu irmão  e o Poppi juntos pra lá e pra cá (como sempre J ) e então, vimos o Luizinho.
Gentilmente cumprimentamos ele e, antes que pudessem nos interromper, eu fui logo dizendo:
 “-Luizinho, lembra-se que conversamos há algum tempo e eu prometi que ia reproduzir um dos carros que você pilotou?”   
 Luizinho gentilmente disse que sim e fomos caminhando para dentro de um dos boxes. Paramos e eu tirei o carro da sacola que estava carregando , mostrei para ele(daquele jeito que uma criança mostra um desenho para o professor na escola esperando aprovação) e arrisquei:
“-Ficou parecido..??”

O Luizinho parou e olhou fixadamente o carro por alguns segundos.

Então, coloquei na mão dele o Gordininho. ( imagino o que deve ter passado na cabeça dele).
O grande Peroba balançou, juro que balançou. Eu vi um dos meus heróis de infância visivelmente emocionado.  Perguntei se ele me daria a honra de autografar a base do carro e ele prontamente concordou.
Cuidadosamente Luizinho abaixou-se para apoiar a mão, ensaiou a assinatura e mandou ver. Luizinho deu uma conferida no próprio autógrafo(para ver se ficou do seu agrado, suponho) e pronto, lá estava o carro com a base autografada. Pra variar, quase que eu dou vexame(são os 50% de sangue italiano ). 
Meu irmão filmou isto tudo,  mas mesmo que ele não tivesse filmado, não esqueço e nunca esquecerei este dia. 
Conversamos por alguns minutos e o Luizinho ora falava conosco, ora olhava o carro e numa destas olhadas, ele virou-se e falou com extrema  delicadeza, algo do tipo:
“-Ah, uma coisa, o CIPAN era azul, não era vermelho.”  Sem hesitar, agradeci , prometi corrigir as decalques e substituí-las assim que possível. Confesso que ainda não troquei, embora já tenha impresso novamente na cor correta, mas como estou relembrando este episódio, vou fazer sem falta.  
Algum tempo depois, comecei a construir o Porsche 908 do Peroba e fiz também  o Renault R8 que ele e o Bird pilotaram, mas aí, logo em seguida, ficamos sabendo de seu problema de saúde e o resto, todos sabem. 
Infelizmente não consegui mostrar o R8 para ele, mas pelo menos, prestei minha sincera homenagem com o Gordini  e espero de coração, que de alguma forma, este meu gesto possa ajudar a preservar a memória deste grande piloto  e toda a sua obra.

Rui, muito obrigado pelo espaço e por me fazer lembrar este episódio de minha vida.

Um grande abraço,

Ricardo Bifulco (Zé Ricardo)

----------------------------------------------------------

Resolvo colocar na integra o e-mail de meu amigo Ricardo, como dois outros dois amigos que tem o mesmo nome ele é simplesmente um gênio que constrói maravilhosas réplicas para autorama de grandes carros de nossas pistas.
A réplica da carretera #18 do Camilão que fez é simplesmente de tirar o fôlego. Loogo ele mostra para nós.
Obrigado a vôce Ricardo e um abração...

Rui