A VERDADE NÃO SERIA BASTANTE PLAUSÍVEL SE FOSSE FICÇÃO - Richard Bach
Mostrando postagens com marcador Nascar. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Nascar. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 26 de maio de 2016

E quando Karl encontrou Jimmy?

Karl Jochen Rindt e James Clark Junior

É, além dos encontros nas pistas, encontraram-se uma vez, inscritos no mesmo carro, no caso um Ford Fairlane da Equipe Holman/Moody, na Rockingham 500 de 1967.
O sempre sorridente Clark e o bocudo Rindt. Isso seria possível?
Claro. Jimmy estava de férias nas Bahamas quando recebeu um telegrama de John Holman convidando-o a participar da American 500 em Rockingham e como seria sua primeira experiência  com a NASCAR, o convite incluia Jackie Stewart no compartilhamento da barata. Um gaiato não apelidou Stewart de "Smart" (esperto) à toa. Enquanto o Vesgo grasnava uma
desculpa qualquer, Holman achou outro parceiro para o Jimmy:Karl Jochen Rindt

E o dia em que Karl encontrou Jimmy...

Jimmy no Fairlane

Sim, isso foi possível quando Clark foi convidado para participar da Rockingham 500 de 1967, ao volante de um Ford Fairlane da Equipe Holman/Moody. Jimmy estava de férias nas Bahamas após vencer o GP do México/67 quando recebeu um telegrama de John Holman convidando-o para a American 500, um evento da NASCAR. Inicialmente, pensou-se que Clark poderia dividir o volante com seu compatriota Jackie Stewart, mas um gaiato não apelidou Stewart de "Smart" à toa. Enquanto Jackie grasnava uma desculpa qualquer, Holman arranjou um parceiro à altura do Terceiro Gigante: Karl Jochen Rindt.
O sorridente Jimmy e o bocudo Rindt. Daria certo?
A prova ocorreria no dia 29 de outubro e os treinos começaram numa quarta-feira. Apesar de sua bagagem em ovais e da vitória nas 500 Milhas de Indianápolis de 1965, Clark teve alguma dificuldade com o Fairlane e não evitou uma batida no muro, mas classificou-se. Sua experiência na corrida, durou 144 voltas até o motor do carro estourar, impedindo até mesmo o parceiro Rindt de experimentá-lo. 
Quem venceu? Ah, algum red-neck. Isso importa?
O versátil Jimmy afirmou ter gostado e prometeu voltar, mas havia um encontro marcado para ele em abril de 68 em Hockenheim...

Caranguejo

___________________________________________________________


Hoje quando meu amigo Caranguejo lá na gelada Bagé abrir o computador e ver este post vai esbravejar, só espero que o chimarrão quente levado por sua querida Glória o acalme!
Isto porque eu depois de  mais de duzentos ou trezentos  posts dele não esperei pelas fotos, que no e-mail não vieram e postei os textos dos dois e-mails da forma que conclui que ficaria bom...e gostei!

Um abração aos queridos amigos Glória e Caranguejo,

Rui Amaral Jr

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Tim...

Ontem assisti um documentário de cerca de uma hora sobre a carreira de Tim Richmond vou procurar e postar pois vale ver a carreira deste grande velocista que assombrou o mundo da NASCAR na década de 1980.
Lembrei então tudo que se dizia e escrevia sobre sua figura controvérsia e antes de mais nada lembrei das grandes vitórias que maravilharam o mundo do automobilismo norte americano. Acredito que um piloto deva ser como ele, ir buscar o resultado, fazer chover, batalhar sempre...
À Tim minhas homenagens!

Rui Amaral Jr  



quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

NASCAR - Milton Bonani

Milton

Andar com o carro foi muito legal, mas bem diferente do que a gente está acostumado. Na reta anda meio de lado e se soltar a direção ele vira para a esquerda sozinho. A gente fica brigando com o carro o tempo todo. 


É duro prá cacete, a embreagem pesa uma tonelada, mas acelera forte. Tem 600HP e faz muita curva - desde que seja para a esquerda. Pneus de tamanho diferente, cambagem positiva do lado esquerdo e negativa do lado direito.


A pista é um tri-oval de uma milha. Dei quase 190km/h de final com média de 140km/h na melhor volta. Dava para andar mais rápido, mas o instrutor que vai ao lado regula.


Anda de macacão, capacete e HANS. Fiquei imaginando que esses caras andam 800 quilômetros com uma ronha dessas. Não deve ser fácil


O pior foi entrar e sair pela janela com essa minha barriguinha.



Milton Bonani


terça-feira, 19 de junho de 2012

A.J. Foyt

Tive meus ídolos e heróis no automobilismo desde muito cedo, e A.J. foi um deles, assim como Clark, Tazio, Fangio, Luizinho, Camillo e tantos outros...
Lembro como se fosse hoje, na minha primeira temporada como POC - Piloto Oficial de Competição - , era assim que eram denominados os graduados na época, fiquei um pouco decepcionado com um de meus heróis. Achei que ele não era um piloto tão rápido quanto imaginava, quando o acompanhava de longe. Tempos depois, já acostumado à lida do automobilismo, voltei à admirá-lo e guardo essa admiração até hoje.
É difícil a vida de um piloto, e ela tem que ser acompanhada de determinação, garra e conhecimento, coisa que à esses homens não faltaram. Talvez tenha faltado à mim!
À eles meu reconhecimento, e gratidão, por ter visto e conhecido suas carreiras. 
Este post é de 10 de Março de 2011 e hoje senti a necessidade, ao mostrá-lo novamente, de escrever este pequeno mas sincero texto.  
A você A.J. e a todos outros grandes pilotos, minhas homenagens.    


Rui Amaral Jr  

Sua primeira corrida com um Ford.

Admiração essa é minha palavra para definir a carreira dele. Ontem no Facebook alguns amigos e eu falávamos sobre ele depois que coloquei uma frase sua ao ser perguntado quem era seu assessor de imprensa de pronto Foyt respondeu “meu assessor de imprensa é meu pé direito!” assim hoje deu vontade mostrar um pouco da carreira desse incrível piloto.
Nascido em 16 de Janeiro de 1935 na cidade de Hockley no Texas começou a correr em 1953 em corridas típicas dos EUA, Stock, Midget e outras. Sua carreira demorou a decolar, mas já no final da década era um nome consagrado nos EUA. Em 1960 vieram as primeiras vitórias de peso e daí para frente a consagração, 61 a primeira das quatro vitórias em Indianápolis as outras foram nos anos de 1964, 1967 e a ultima em 1977 já com 42 anos de idade e pilotando um carro construído por ele o Foyt/Coyote.


Indianapolis 1977 sua quarta vitória com um Foyt/Coyote. 
A.J e seu pai Tony em Indianapolis.
A.J. e seu pai Tony em um enrrosco nos Midgets.




1991 classificado na primeira fila em Indianapolis aos 56 anos 

Em 1965 sofreu o pior acidente de sua carreira, correndo de NASCAR em Riverside foi considerado morto pelo medico da pista, seu amigo e outro grande piloto Parnelli Jones reanimou-o no local. Dez semanas depois Foyt voltava às pistas para vencer ainda cinco corridas na temporada.  
No ano de 1967 correndo com outro grande piloto americano Dan Gurney venceu as 24 Horas de Le Mans pilotando o maravilhoso Ford Mark IV. 


Pilotando o Ford GT Mark IV em Le Mans 1967, na vitória com Dan Gurney.
O Mercury na vitória nas 500 Milhas de Daytona 1971.

Venceu as 500 Milhas de Daytona no ano de 1971 pilotando um Mercury.
Enfim correu e venceu em todas categorias que participou, Nascar, Stock Cars, Indy, IMSA entre outras, venceu 159 vezes e foi sete vezes campeão americano nas várias categorias. 
Piloto, construtor, dono de equipe Foyt conquistou todas as glorias possíveis no automobilismo. 
A você A.J. nossas homenagens.  










quinta-feira, 10 de março de 2011

A.J. Foyt

Sua primeira corrida com um Ford.

Admiração essa é minha palavra para definir a carreira dele. Ontem no Facebook alguns amigos e eu falávamos sobre ele depois que coloquei uma frase sua ao ser perguntado quem era seu assessor de imprensa de pronto Foyt respondeu “meu assessor de imprensa é meu pé direito!” assim hoje deu vontade mostrar um pouco da carreira desse incrível piloto.
Nascido em 16 de Janeiro de 1935 na cidade de Hockley no Texas começou a correr em 1953 em corridas típicas dos EUA, Stock, Midget e outras. Sua carreira demorou a decolar, mas já no final da década era um nome consagrado nos EUA. Em 1960 vieram as primeiras vitórias de peso e daí para frente a consagração, 61 a primeira das quatro vitórias em Indianápolis as outras foram nos anos de 1964, 1967 e a ultima em 1977 já com 42 anos de idade e pilotando um carro construído por ele o Foyt/Coyote.
 Indianapolis 1977 sua quarta vitória com um Foyt/Coyote. 
A.J e seu pai Tony em Indianapolis.
A.J. e seu pai Tony em um enrrosco nos Midgets.




1991 classificado na primeira fila em Indianapolis aos 56 anos.

Em 1965 sofreu o pior acidente de sua carreira, correndo de NASCAR em Riverside foi considerado morto pelo medico da pista, seu amigo e outro grande piloto Parnelli Jones reanimou-o no local. Dez semanas depois Foyt voltava às pistas para vencer ainda cinco corridas na temporada.  
No ano de 1967 correndo com outro grande piloto americano Dan Gurney venceu as 24 Horas de Le Mans pilotando o maravilhoso Ford Mark IV. 

Pilotando o Ford GT Mark IV em Le Mans 1967, na vitória com Dan Gurney.

O Mercury na vitória nas 500 Milhas de Daytona 1971.

Venceu as 500 Milhas de Daytona no ano de 1971 pilotando um Mercury.
Enfim correu e venceu em todas categorias que participou, Nascar, Stock Cars, Indy, IMSA entre outras, venceu 77 vezes e foi sete vezes campeão americano nas várias categorias. 
Piloto, construtor, dono de equipe Foyt conquistou todas as glorias possíveis no automobilismo. A você A.J. nossas homenagens.  

Vale conhecer mais de sua história em seu site: http://www.foytracing.com/AJFoyt/aj_bio.html