A VERDADE NÃO SERIA BASTANTE PLAUSÍVEL SE FOSSE FICÇÃO - Richard Bach
Mostrando postagens com marcador Luiz Pereira Bueno. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Luiz Pereira Bueno. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 4 de outubro de 2016

Porsche 908 1.000 KM de Nurburgring 1968 Jo Siffert e Vic Elford

O 908 de Seppy Siffert e Vic Elford voa para vitória!

1968 a Porsche lança o fabuloso 908, apesar do começo dificil neste mesmo ano vence os 1.000 KM de Nurburgring com a dupla Jo Siffert/Vic Elford, na foto voando para vitória.
Em 68 a FIA anuncia o novo regulamento para carros do grupo 6 Protótipos que usaria motores de no máximo 3.000cc.
Assim nascia o 908 com chassi tubular motor de 3 litros boxer com duas válvulas por cilindro que apesar da concepção conservadora garantia 350hp para um peso liquido de 650 kg.A versão de 68 era fechada o 908 LH ou como prefiro chamar "coda lunga".
À partir de 1969 a Porsche lança o 908/2 conversivél e com cerca de 100 kg à menos, um carro colecionador de vitórias nas mãos de grandes pilotos pelo mundo afora. No Brasil Mestre Luiz Pereira Bueno tocou um com sua  maestria habitual primeiro pela Equipe Z depois transformada em Hoolywwod.
Lembro de Luiz me contando sobre o carro e como com todos Porsches de clientes a fábrica fazia uma revisão do motor à cada 50 horas de uso, ocasião em que Luiz e Tite Catapanni aproveitaram e correram na Austria uma corrida do mundial.

A maravilhosa "coda lunga"! Com este carro Hans Herrmann/Gérard Larrousse em 1969 quase venceram as 24 Horas de Le Mans chegando apenas 100 e poucos metros atrás do Ford GT40 de Jacky Ickx/Jackie Oliver.

Caro Walter, eis o 908/2 com que Jochen Rindt correu os 1.000 KM de Buenos Aires em 1970 com Alex Soler Roig.

Mestre Luiz
Tive a honra de assistir a primeira corrida de Luiz com o 908/2 da Equipe Z em Interlagos, quando largando da última fila chegou na curva "Um" na ponta, meu irmão Paulo me contava que seu amigo Walter sócio de Luiz e Anísio Campos na Equipe Z quase teve um ataque cardíaco na ocasião! 

  500 KM de Interlagos 1972, Luiz com o 908/2 já da Equipe Hoolywood vem à frente de Reinold Joest com o 908/3 um carro bem mais avançado...essa também tive a honra de ver de perto! 

O parceiro de Luiz na corrida de Zeltweg Tite Catapani à frente de Ronnie Peterson na Ferrari 312P, quando o Porsche foi fazer a revisão na fábrica. Um dia ainda conto sobre esta corrida!

Rui Amaral Jr


quarta-feira, 13 de abril de 2016

Novatos 1971...

Nem parece que 45 anos se passaram...nas pistas batalhamos por posições aguerridamente, sempre com respeito e hoje com a Graça de Deus continuamos amigos...




Não corri a prova "Uma Hora de Calouros" pois não tinha um carro da D3, mas nas pistas meus amigo João Carlos Bevilacqua, Jacob Kounrouzan, Edo Lemos, Guaraná e tantos outros fizeram nosso espetáculo na preliminar dos 500 KM de Interlagos vencido pelo saudoso amigo Luiz Pereira Bueno, secundado pelo amigo sempre presente Chico Lameirão com Sidney Cardoso no Ford GT40 em terceiro.


Ricardo Bifulco, Guaraná, João e eu dois anos atrás.
Com Chico Lameirão, Fernando Lapagesse, Regina Calderoni e Jacob em Interlagos.
Joca, Fernando Lapagesse entregando um troféu ao Edo sob o olhar de Leon Lorena.

Ao receber o recorte de jornal do João dias atrás pensei em escrever sobre a corrida, mas postando as fotos fui pensando nos amigos, nas situações, lembrando tantas coisas boas que acabei me perdendo nestas belas recordações...

Aos amigos com carinho,

Rui Amaral Jr 


segunda-feira, 21 de março de 2016

Luiz, João, Edo, Jacob...

Antes tudo amigos queridos, apenas Luiz subiu antes da bandeirada final os outros sempre que possível vejo...Edo, Jacob e Joãozão começaram comigo em Estreantes e Novatos no ano de 1971.
Mais tarde posto as fotos da F.2 e das Lotus com as devidas explicações.

Um abração aos amigos

Rui Amaral jr

 Mestre Luiz e Lian em Córdoba como comentou João Carlos...na sua Argentina Juan.
  Jacob Kounrouzan , João Carlos Bevilacqua e Edo Lemos.

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Conta Ricardo...SOBRE SER PILOTO NO BRASIL, ANOS 60

SOBRE SER PILOTO NO BRASIL, ANOS 60
 1 - Quem eram os grandes feras desse tempo? Quem eram as velhas lendas?

Crispim, Bob Charp, Ricardo, Amador Pedro e Chico Lameirão..."apenas" uma miríade de campeonatos vencidos por estas feras!  

Amigo Walter,

Essa é uma questão a qual eu me encontro com limitações para responder com total responsabilidade especialmente nos pontos de qualificação dos pilotos. Posso certamente expressar sobre os pilotos que me causaram direta impressão nos idos dos finais dos anos 60.

Bird e Jorge Lettry
Os incríveis DKW, aqui uma carretera pilotado por Marinho.
 Crispim, Chico e Marinho.

Eu deveria começar pelo Bird Clemente que foi e é para sempre um ícone de inspiração para todos os pilotos com desejo de aprimorar suas observações sobre pilotagem e manobras. Bird pilotou com absoluto êxito os tração dianteira Vemag - DKW e os críticos curto de entre eixos Alpine/Interlagos - Berlinetta. Dois pequenos monstrinhos com enorme diversidade operacional e desempenho. Em ambos, Bird foi completo. Em ambos fazia equipe com o que havia de mais competitivo na época: na Vemag-DKW em dupla com Mario Cesar de Camargo Filho o Marinho e na Willys entre outros bravos, com Luiz Pereira Bueno. De um lado nos boxes com o engenheiro Jorge Lettry adiante de outro com o chefe de equipe dos chefes no Brasil, Luiz Antonio Grecco. Uma poderosa e inigualável salada de conhecimento do automobilismo de competição, suas improvisações e soluções enquadradas dentro um regulamento tão elástico quanto mecânico onde asas, barbatanas, spoilers e aerofólios eram desconhecidos.

 As incríveis Berlinetas pilotadas com maestria por Luiz e Bird, nas fotos no GP IV Centenário no Rio de Janeiro enfrentando carros com maior potencia! 

A evolução das Berlinetas o Willys Mark I vencendo as Mil Milhas Brasileiras de 1967, #21 Luiz Pereira Bueno/Luiz Fernando Terra Smith e #22 Bird Clemente e Marivaldo Fernandes.
Os incríveis Gordini da equipe Willys...tomando a curva num nítido sobresterço!

Esse conjunto de capitães nas suas respectivas áreas geraram monstros da mecânica de competição como Nelson Enzo Brizzi mais a imagem é indelével e o completo Miguel Crispim Ladeira.
Preciso ser conciso e deixar claro que uma miríade de outros extraordinários e históricos participantes mereceriam citação e mensagem. Mas este contexto responde uma pergunta pessoal quer em observação quer em apreciação.

2 - Quais os melhores carros desse tempo?

Esta é uma resposta que merece atenção e sobretudo objetivo do que pode ser considerado o melhor carro sob o ponto de vista esportivo e formação de pilotos.

Foi um privilégio a Ford Willys associada a Renault na época no Brasil buscar produzir o projeto do Jean Rédélé - Alpine/Interlagos no que tange a formação de pilotos e pilotagem. Carro campeão dos Alpes nos idos dos anos 50 tratava-se de um veículo extremamente difícil de conduzir em alto desempenho mas que propiciava recursos de pilotagem uma vez dominado como acesso a tangência das curvas num angulo ou corda mais profunda o que propiciava aceleração completa em "full drift"- derrapagem controlada com tração.

O detalhe da tração era visceral na condução esportiva desse carro que possuía uma suspensão semi-elíptica atrás bem conhecida de nós através do Fusca. Esta tinha tendência a suspender a  roda interna nas curvas e perder tração por ausência na época do sistema de autoblocante que na real deformou em muito a capacidade de pilotagem ao nivelar centenas de pilotos que jamais teriam desempenho no nível dos dois pilotos acima mencionados.

Uma exacerbada afinação e sensibilidade era exigida do piloto em alto desempenho para não permitir perda de tração nesse carrinhos o que rapidamente resultava e perda de controle por perda de tração. Este detalhe é diferencial e muito importante. Observando Bird e Bueno podia-se ver claramente que o primeiro lançava com total segurança o carro em full drift enquanto que o segundo "navegava" o carro como se estivesse cortando marola e o resultado era de total competição entre ambos num nível de difícil discernimento de quem desempenhava melhor.

Observar esta dupla nos dias de ontem foi e é uma glória. Anos mais tarde eu vi o Ronie Peterson fazer o Sol inteiramente nas quatro em drift de controle da saída de frente chamando a traseira no acelerador no seu Lotus F-1 que na época tinha 40% de autoblocante. Naqueles tempos, idos dos anos final de 70 os pneus ainda não resistiam em coeficiente de aderência a um blocante mais presente ou nos tempos atuais...controlados eletronicamente...!!!

Ronnie em Monaco 1973...

Viva Bird e Bueno, um legado de perícia inestimável perdido na bacia de estupidez de um país que teima em não entender que o esporte motor é apenas a primeira indústria geradora de negócios, oportunidades e desenvolvimento técnico de um país - vide a Inglaterra.

Ricardo e Luiz na Inglaterra.
 Luiz Pereira Bueno toma com maestria em seu March 721 o Bico de Pato em Interlagos no GP Brasil 1972
500 KM de Interlagos 1972 - Luiz à frente de Reinold Joest na curva Dois.
Luis no Bino, a tocada do Mestre era rápida e suave.


Foquei nessa dupla impagável em detrimento de um batalhão de outros gênios do volante que, peneirados, quer por pilotagem, quer por apoio e patrocínio, quer por sorte e oportunidade, nos deram oito títulos mundiais.

1970 Torneio BUA de F.Ford, Ricardo vence a primeira bateria à frente de Emerson.

O Brasil nunca mais será campeão porque enquanto dormimos imbecilmente nos louros destes campeões vitoriosos o mundo não parou desenvolvendo categorias e oportunidades no esporte motor disciplinado, regrado e de desenvolvimento total.

Ricardo Achcar

quinta-feira, 26 de março de 2015

Conta Chico

.......... , pois é RUI, vendo essa bela foto do mestre LUIS P. BUENO em seu BERTA - FORD, me veio à lembrança de um episódio de um dia de treino, em que WILSON FITTIPALDI estava também treinando com o primeiro COOPERSUCAR F I  e em dado momento ele pediu para o LUIS sair com o BERTA, pois ele queria ver como se comportava seu F 1 no vácuo ......!!!!!!! Saíram juntos e o LUIS começou a abrir do COOPERSUCAR o que depois de algumas voltas eles entraram para os BOXES e aí eu cheguei para o LUIS e lhe falei que ele poderia ter """" maneirado """" um pouco, no que ele me respondeu ,naquele jeito engraçado de falar que """" não foi por querer """".........!!!!!!!!!! . Tinha um humor fino.......!!!!! Certa vez , ele já doente, fomos visita- lo a ATIBAIA. Estávamos no auto do CELSO FREITAS com ele pilotando sua maquina, o EURICO SODRE e eu . Quando chegamos em sua casa, o EURICO falou para ele que tínhamos feito a viagem em 20 minutos, o que de pronto LUIS perguntou se então tínhamos parado para almoçar ........???????? !!!!!!!!!!! Foi uma risada só ,há há há !!!!!!!!!!!

Luiz, Vitório Andreatta Filho, Wilsinho, Pace e Chico. 


Que DEUS o TENHA......

Abraco amigo de CHICO LAMEIRÃO


terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Conta Chico..

... , pois é amigos, vejam esta foto promocional da equipe  HOLLYWOOD  em que HILL esta no momento posando, mas depois ele chegou a andar no meu F.FORD........da ESQ. P/ a DIR. ANISIO CAMPOS , eu dentro do F.FORD, HILL , mestre LUIS P. BUENO e LIAN DUARTE....!!!!!!!!

Abraço Chico Lameirão

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

England 1968

Outro dia comentava sobre a atuação de Luiz e Ricardo na Inglaterra, das centenas de digitalizações que fiz da revista inglesa Autosport mostro à vocês apenas três, sei que tenho outras com vitórias do Ricardo e outras do Luiz, assim que encontrar vou postar.

Mestre Luiz saudades, e à você Ricardo amigo e ídolo ou ídolo e amigo.

Rui Amaral Jr




 Luiz, Amadeu Girão de boné Greco de camiseta escura e Paulo Cesar Salles ainda garoto de anorak.


 Ricardo Vencendo em Malory Park com Luiz e Ferreirinha.
Ricardo no curral esperando para classificar no carro ajeitado por Ferreirinha, que está ao seu lado, durante toda noite!
No Rio, na ponta!

quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

Conta Chico.

FOTO do seu blog, do MESTRE LUIS, na CURVA do BICO do PATO esta dando o que falar entre alguns ex-pilotos como RICARDO ACHCAR, JAN BALDER, EURICO SODRE, CELSO FREITAS, eu e mais uma """" penca """ que daria uma lista enorme..... Gosto de ver fotos de carros e pilotos em ação, pois elas nos dizem muita coisa em prestando atenção ....... Os """ modernos"""" diriam ao ver essa foto que """" xi, errou""" , mas vamos devagar com o andor, MESTRE LUIS teria errado se ele estivesse nessa posição em uma SAIDA de CURVA prestes para enfrentar uma reta,mas aí ele esta antes da tangência, portanto sua roda D.D. vai um pouco mais à frente """ passar a mão nela"""" com toda a suavidade que esse momento exige.....!!!!!!!! Quando escrevi em 2011 para o calendário da MAHLE sobre a ANTIGA ESCOLA BRASILEIRA de AUTOMOBILISMO, em que após a escrita a MAHLE me cedeu mais uma página para colocar fotos para exemplificar o meu texto..........procurei algumas fotos do LUIS sem achar nada e agora tempos depois vejo essa bela imagem dele, paciência fazer o que !!!!!
Como diz RICARDO ACHCAR , quando voltarmos a ver CARROS /// CARROS e não CARROS /// AVIÕES, voltaremos a ver os pilotos """"" trabalharem""""" como nos trabalhávamos em nossa época, diria que era um colírio para todas as vistas. Procurem o calendário da MAHLE de 2011 , que acho que vale a pena dar uma olhada tanto na escrita como nas fotos que infelizmente não tem essa do saudoso MESTRE LUIS.



BOM ANO para você RUI e para todos os seu seguidores desse seu blog que esta indo no caminho certo, pois temos que sonhar que um dia teremos um AUTOMOBILISMO de VERDADE...


Abraço amigo de CHICO LAMEIRÃO 



-------------------------------------------------------------------------------------

Feliz 2015

À todos um ano maravilhoso e de pé embaixo!

Rui Amaral Jr

NT: A foto em questão copiei muito tempo atrás do blog do Candreva ou Corradi, maravilhado com a tocada do Luiz postei logo à seguir em "AERODINÂMICA" aos dois meu muito obrigado. 


quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Conta Chico

Pois bem...me desculpem se escrevo antes do texto do Chico para a foto que vou mostrar abaixo mas simplesmente me deu vontade de outra vez dividir com todos a maneira como escrevo. Montei o "Historias" de uma sugestão do meu amigo Carlos de Paula e para escrever sobre os amigos e o que gosto, o automobilismo, com os amigos estou sempre em contacto, são papos intermináveis pessoalmente ou por telefone com todos; Chico, Ricardo & Ricardo & Ricardo Bifulco, Crispim, Biju, Jr, Arturão, Julio, Manduca, Caranguejo, Duran, Conde, Ronaldão, Claudinho, Fernando, Fabio Poppi, Zuzu, Regina, Cassio, Gláucio, Gabriel, Sergio, e por falar nisso devo uma visita ao Bird, e outros muitos outros e assim vou dividindo com vocês um pouco da historia de nosso automobilismo. Escrevo, ou escrevemos sem prepotência ou soberba, sem pensar que sei o sabemos mais que ninguém dividimos tudo aqui como se estivéssemos papeando sentados numa mureta de box e vocês são sempre muito bem vindos à este papo.
O motivo de todo esse papo é a foto e o e-mail que recebi do Chico contando um pouco sobre ela. Abri o e-mail no sábado ou domingo e resolvi esperar o Caranguejo enviar o Cancha Reta IV para conversar com o Chico depois de fazer o post, o que aliás não contei para ele e hoje liguei perguntado se poderia postar seu comentário na foto. E como sempre nossos papos começam em um parafuso ou roda e acabam em Tazio ou Jimmy, mas enquanto conversávamos fui colocando os nomes nas fotos, quando chegou o de Eloy Gogliano falamos sobre o grande dirigente que com Wilson Fittipaldi idealizou e realizou as Mil Milhas Brasileiras. Ao chegar a vez de colocar o nome de grande Luiz Pereira Bueno veio a mesma emoção de sempre quando falamos dele. Ao escrever disse à ele que o chamava apenas de Luiz, meu irmão e outros o chamavam de Luizinho muita gente o chama de vários apelidos e Chico então me disse que também o chamava de Luiz e assim ficou nosso grande campeão na foto.

Desculpem novamente se me alonguei e um abraço nosso à cada um de vocês.  

Rui Amaral Jr   

     
"... , pois é RUI, vendo a foto da largada da FORMULA FORD da TEMPORADA BUA me veio algumas lembranças à mente, e em primeiríssimo lugar, como não poderia deixar de mencionar o PÚBLICO, AUTODROMO de INTERLAGOS (((( o verdadeiro )))) completamente lotado...!!!!!!!!!!, o que será bom para as nossas OTORIDADES darem uma olhada e porém com as duas mãos na """" cabeça""" para verem onde eventualmente se está errando ..!!!!!!!!!! Agora o GRID , onde talvez eu possa errar alguma coisa, mas vamos lá :::::

EMERSON F. ( LOTUS). RAY ALLEN. ( ROYALE). WILSON F. (LOTUS)

LUIS P. BUENO ( LOLA). LOTUS (?). IAN ASHLEY ( LOTUS)

CHICO L. ( MERLIN ). (?). NORMAN CASARI ( MERLIN). (?) (?)

(?). (?). (?)

PS: Na sétima posição talvez seja eu, pois me lembro que o NILSON CLEMENTE me emprestou seu capacete BELL todo BRANCO, o que da para enxergar na foto... Lembro também de ter chegado em quarto ou quinto e que EMERSON venceu secundado por IAN ASHLEY ... não lembro do número do carro, mas era verde das cores da equipe de S. MOSS pelas quais LUIS P. BUENO e RICARDO ACHCAR corriam... Não se pode deixar de mencionar a variedade de chassis no GRID, tais como LOTUS , ROYALE, MERLIN, TITÂN, CROSLER e mais um que não me lembro......... , """ igualzinho"""" 'as nossas categorias !!!!!!!!!!!???????????????

Abraço amigo de CHICO LAMEIRÃO"

Torneio BUA de Formula Ford - Março de 1970

NT: O Torneio BUA de Formula Ford foi disputado no Brasil em cinco corridas, Rio de Janeiro, Curitiba, Fortaleza, novamente Rio e aqui temos um belo depoimento do Ricardo Achcar sobre a corrida e a final em São Paulo. No link abaixo a Quatro Rodas digitalizada onde vocês encontrarão a matéria sobre a corrida no ano de 1970 na edição de março. A foto comentada é da AutoEsporte de março de 1971.


PS: Na continuação do papo ontem falamos da carreta que comprei do Chico, feita na Porsche, do VW D3 ex Hollyhood que comprei do Luiz, carro que o Julio Caio correu e do painel que o Chico fez para ele, abaixo mostro a foto.
E mais...apenas uma indiscrição...mas provavelmente no ano que entra teremos o livro  "Chico Lameirão" e lá vamos saber mais, muito mais!

  Box em Interlagos autódromo José Carlos Pace, o #27 de Ricardo Bock e ao fundo meu carro repousa sobre a carreta.
 
Largando em Interlagos ao lado de Adolfo Cilento e Duran.

quarta-feira, 16 de julho de 2014

A ESTRÉIA DO MAVERICK

 Essas duas fotos são do livro do Bird e do Luiz, a de cima, do livro do Luiz nos treinos dos 500 KM com um autógrafo do Bird onde escreveu "Bons Tempos"...obrigado Bird, vocês foram um exemplo! Me intrometendo no post do Caranguejo, Rui.  
Affonso, Marivaldo, Nilson, Bird, Luiz e Tite.

Em junho de 1973, após o lançamento do Ford-Maverick, podemos dizer que tivemos um mini-torneio (não-oficial) de cinco provas, do tipo endurance, com a estréia do Maverick nas pistas e a presença dos grandes pilotos da época. De forma oficiosa, não seria leviandade declarar o campeão dos Mavericks o piloto que tivesse a melhor performance nestas corridas.

Foram as seguintes as provas:

-25 Horas de Interlagos;

-500 Km de Interlagos;

-6 Horas de Tarumã;

-200 Milhas de Interlagos;

-Mil Milhas Brasileiras.

 25 Horas-Bird/Nilson.
25 Horas Luiz/Tite/Alex.
 Luiz e Tite vencem os 500 KM.

Luiz x Bird nos 500 KM.


De um lado estavam Bird Clemente na equipe Dropgal Ford (comandada pelo lendário Luiz Antonio Greco); no outro, Luiz Pereira Bueno na equipe Hollywood (capitaneada por Anísio Campos). Na estréia dos Mavecos, Bird ao lado de seu irmão Nilson e do gaúcho Clovis de Moraes saíram na frente com vitória na tradicional 25 Horas de Interlagos, em agosto. Peroba, secundado por José Renato Catapani e Alex Dias Ribeiro, atrasou-se e terminou em quinto. Nos 500 Km de Interlagos, os irmãos Clemente correram em dupla e L.P. Bueno inscreveu-se com Catapani. Os dois ex-pilotos da Equipe Willys (Luizinho e Bird) reviveram seus melhores tempos e lutaram por cada centímetro da pista. Impossível prever o vencedor, diante de dois pilotos de tamanho gabarito. A vitória viria no detalhe. Quando Nilson Clemente entrou nos boxes, errou o pit e as chances da equipe Hollywood aumentaram. Quando foi a vez do carro #11 ir para os boxes para o reabastecimento, foi necessário trocar os pneus (os do lado direito) e Luizinho e Tite demoraram a voltar. Após um último esforço, Bird /Nilson venceram o segundo round. Para as 6 Horas de Tarumã, novidades nas equipes. Nilson Clemente não veio ao sul e foi substituído por Ismael Chaves Barcellos e Clovis de Moraes retornou à Dropgal Ford. Na Hollywood, Luizinho preferiu ficar coordenando dos boxes e cedeu seu lugar ao Lequinho Ribeiro. Apesar da tripulação do #20 ser de maioria gaúcha, o trio Bird/Clovis/Ismael teve problemas e terminou em segundo. Os vencedores foram Tite Flecha/Alex, com a dupla Pedro Carneiro Pereira/José Asmuz em terceiro, com o melhor Opala (sim, era aquele que Bird Clemente desenvolvera para a quebra do recorde brasileiro de velocidade, três anos antes). A etapa seguinte seriam as 200 Milhas de Interlagos, mas surpreendentemente, desta vez a ausência ficou por conta da Equipe Dropgal-Ford, talvez preparando o carro para as Mil Milhas. Então quer dizer que Luizinho/Tite estavam de sangue doce, sem adversários na corrida? Que nada. A dupla Marivaldo Fernandes/Mario Patti Jr. da equipe Manah em outro Maverick, deram a maior canseira nos Hollywoodianos e só não venceram devido à quebra da alavanca das marchas e um atraso no pit-stop. A prova decisiva seriam as Mil Milhas, que não contariam com os Divisão 1, como nas quatro provas até então. Entrariam em cena os Divisão 3.

 Largada das Mil Milhas Brasileira 1973...Pedro na pole e Bird/Nilson com o 3º tempo.  


As Mil Milhas Brasileiras de 1973 foram disputadas pelos carros da Divisão 3, o que significaria um nível de preparação maior e alguma dúvida quanto à capacidade de resistência dos velozes D3 ante uma prova longa. A equipe Dropgal-Ford apresentava o #20 com um setup diferente: motorzão 302-V8 com quatro carburadores Weber 48 mm, 420 HP e Bird e Nilson ao volante, enquanto isso os Hollywoodianos...

 Nilson e Bird festejam a vitória nas 25 Horas com Greco e equipe. 


A equipe de Anísio não se inscreveu, o que animou a concorrência, outros Opalas e tais. Um deles, o do piloto Pedro Victor DeLamare foi o pole position. E de fato, no dia da corrida, DeLamare saiu feito um foguete, mas não agüentou por muito tempo. Com uma tocada segura, os irmãos Clemente foram os melhores e Bird encerrava assim sua brilhante carreira com vitórias nas mais importantes provas de turismo de então: as 25 Horas de Interlagos, os 500 Km e as Mil Milhas. Nada mau para quem só havia retornado às pistas para ajudar a carreira do irmão Nilson...

CARANGUEJO