A VERDADE NÃO SERIA BASTANTE PLAUSÍVEL SE FOSSE FICÇÃO - Richard Bach
Mostrando postagens com marcador Julio Caio Azevedo Marques. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Julio Caio Azevedo Marques. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Otto Kutner

Jan Balder, Otto Kurtner e Marinho



Ontem recebi a noticia de que o engenheiro Otto Kutner nos havia deixado. Telefonou-me Benjamin Rangel informando. Benjamin era dos que sabia da importancia desse homem nas nossa vidas no campo do esporte motor. Ficamos ambos satisfeitos em saber que Jan Balder esteve entre os presentes nessa partida do engenheiro.
Tempos passados escrevi um artigo publicado por nosso amigo Joaquim Lopes - Mestre Joca - sobre uma façanha da carreira do engenheiro Otto Kuttner cuja complexidade em explicar a importância me trouxe várias críticas pessoais sobre o formato para entendimento geral do texto explicativo. Mas é que se trata de um processo mecâico realmente complicado de explicar o funcionamento a não ser que o "design"do sistema seja o objetivo principal. Qual seja , fazer diferente...

Otto Kuttner a meu ver foi um passo adiante no idos dos anos 70 e hoje se anuncia como o precursor que entendeu o processo físico do sistema uma vez que aqui e agora Otto Kuttner se faz presente de par e liga com os engenheiros mais atuantes nos projetos dos monoposto de Formula 1.

Este é um trecho do referido artigo que rabisquei:
"...Meu aprendizado sobre o “como” do sistema Pullrod me foi oferecido pelo engenheiro Otto Kuttner, da Volkswagen um dos grandes engenheiros de pista que jamais foram aproveitados no Brasil, por falta de seriedade nesse nosso esporte motor. Otto era um da dupla que estava encarregado de assistir aos construtores na Formula Super Vê, sob organização da Volkswagen e bênção de Wolfang Sauer.

O que eu aprendi sobre o sistema me foi passado por um piloto importante de São Paulo que testou o Austro Kaimann Super Vê, modificado por Otto Kuttner. Das observações do piloto eu entendi o “Porque” num exaustivo e delicioso exercício dentro do laboratório da minha mente. Decorridos quase 30 anos, por mais que eu busque na internet algum tema elaborado sobre o sistema Pullrod, nada encontro."

E continuamos a nada encontrar mas a engenharia "entendeu" mas tem dificuldade de explicar ou preferencialmente manter "secreto"o objetivo e resultantes do sistema "Pull Rod" aplicados nas suspensões dos monopostos hoje mais do que nunca dependentes de combinações aerodinâmicas que a suspensão e  a geometria do monoposto deve se acomodar para exercer sua função.

Quando Sebastian Vettel parecia um piloto diferente e nós buscávamos definir seu lado prodígio nos anos da Red Bull, eu, sem desejar me vangloriar escrevi sobre a experiencia do engenheiro Otto Kuttner no formula Super Vê Austro Kaimann sob o comando de Francisco - Chico- Lameirão. Anos após esse avento, de fato, quase 30 anos decorridos, um dia conversando com o Chico ele me disse numa exposição de fatos e prodigiosa memória que : "naquele dia, quando eu desci do carro eu tinha certeza que eu necessitava de uns 30 cavalos a mais de potência para sequer aprumar o carro nas curvas tirando o máximo do poder de aderência do monoposto. Eu estava literalmente empurrando os outros dentro das curvas..."
Para um "acertador"de carros no qual fiz sólida reputação aquelas palavras partindo do Chico, de longe o melhor comunicador das atitudes do carro na pista que eu conheci, se traduzia numa informação de ouro a por um dia em prática se a oportunidade pudesse acontecer.

Nos Anos Red Bull de ouro do Jovem Sebastian Vettel ele havia adquirido a habilidade de extrair o máximo em aderência da suspensão traseira do seu monoposto operando com o sistema Pull Rod. Era visível seu desempenho nas saídas de curva quando literalmente "estilingava" o seu monoposto em comparação aos outros concorrentes inclusive seu colega de equipe.

Ali se aliava o piloto com o benefício máximo do desempenho mecânico da suspensão e conjunto geométrico do carro. Eu havia percebido isso e descrito essa observação que justificava na real o motivo do superior desempenho convergente entre homem e máquina.

Ao passar para a equipe Ferrari, Sebastian se pôs em dúvidas quer por si mesmo quer pelo público torcedor e observador. Teve um ano difícil de ajuste na pilotagem.

Em seguida a Ferrari foi se valendo e se ajustando penosamente com o sistema Pull Rod em ambas as posições, frente e traseira de seus monopostos. Sebastian voltou a tirar gradualmente o máximo proveito do conjunto e sistema no qual adquirira prática e inclinação de pilotagem e gradualmente Kimi Raikonnen parece ter seguido o caminho por observação.

É fato inegável que o ajuste do sistema na suspensão dianteira - direcional - é muito complexa porque demanda tempo e recalibragem total dessa geometria onde o ângulo do pino mestre exige uma combinação precisa com o caster para acompanhar o pouso do"patch"- trilha- das rodas dianteiras na condução direcional do monoposto. De fato o "Offset" do aro, quer de rolagem central, negativa ou positiva representam uma absoluta importância na extração máxima do sistema. Nesse pormenor eu não tenho suficiente conhecimento de informação para definir se a engenharia das equipes se ajusta nessas alterações para melhor combinar o efeito superior do sistema Pull Rod. Isso demandaria jogos de rodas com múltiplos Offsets e todo o conjunto geométrico provavelmente ajustado e combinado com o coeficiente de aderência dos pneus. Isso representaria dividir e indiretamente disseminar a informação com os fabricantes de pneus... algo seguramente menos plausível. De maneira que eu acredito que combinam o melhor desempenho do carro pela via da aerodinâmica e nesse pontos os computadores e os protocolos originados pelo túnel de vento finalizam a secreta combinação de operação para determinada pista e condição meteorológica. Por parte da Mercedes eu estou seguro que o processo é próximo do aqui descrito. 

E...Otto Kuttner vive entre nós para sempre no mundo da velocidade, pioneirismo, competência e conhecimento.
Obrigado Otto.

"O reconhecimento é a memória do coração"

Ricardo Achcar


_______________________________


...... , Caro RUI,  hoje a noticia não é das boas pois  OTTO KUTNER nos deixa. Foi um personagem muito importante para o nosso automobilismo de competição, mas a bem da verdade, talvez pelo seu jeito de ser, pouco apareceu. Engenheiro com  """" E """" maiúsculo da EQUIPE VEMAG foi a partir de uma sua pesquisa  que  os motores  dois tempos, três cilindros de  1. / 1.1 cc conseguiram  a potência de até  108 CVs, em que se há de se notar que estamos falando dos anos de 1960/61. Os pilotos da VEMAG, conseguiam andar na frente de famosas CARRETERAS  CHEVROLET CORVETTE  V8 e de outros carros também, inclusive em INTERLAGOS  antigo, o verdadeiro, graças a essa potência adquirida . Passando da  VEMAG para a VOLKSWAGEN foi um dos  mentores da implantação  da  categoria SUPER V, a melhor categoria até hoje existente e FORMULA V (((( esta  a segunda V )))))) e da vinda  para o BRASIL  dos autos da  ASTRO  KAIMANN, campeões estes durante sete anos dos campeonatos EUROPEUS para a categoria. Aqui com a concorrência  extremamente  forte do chassi POLAR de RICARDO ACHCAR OTTO KUTNER em pessoa redesenhou  um  auto  ASTRO - KAIMANN com uma suspensão dianteira tipo FULL ROAD, em que a um seu convite tive a primazia de o pilotar em sua estréia em GOIÂNIA me classificando para o grid de largada na segunda posição. Este auto foi feito em pouco mais de um mês a """" toque de caixa"""" mesmo. GUARANÁ com um POLAR, estava na minha frente mas eu  detinha uma folga impressionante , estava realmente confiante que iria ganhar aquela corrida quando a """" juventude """ do carro se fez presente dando um problema no trambulador. 
                Muitos anos mais tarde , aficionado que era de desenvolvimentos de autos em geral acompanhou  um que realizei de um ALPINE que denominei A 111, inclusive realizando ele um desenho de uma roda  para este projeto. Estava curioso do jeito que conseguimos  fazê-lo pois invertemos as bitolas  de como eram usados nestes autos. Além disso queria saber como iria funcionar o """"" casamento """"da suspensão CHEVETTE na dianteira com uma independente atrás além do câmbio HEWLAND de 5 M ,e de 524 KLGs  com 144 CVs. Infelizmente o auto saiu da """" minha mão """" , mas enfim , são algumas poucas palavras que gostaria de registrar para OTTO KUTNER.
Nosso automobilismo de competição deveria ter lhe dado condições para ele colocar algumas de suas idéias em prática...estaríamos em outro patamar com certeza.


                                              """""     Que DEUS o RECEBA em SUA NOVA JORNADA """""


                                                        Abraco amigo CiHICO. LAMEIRÃO 

Nosso amigo Julio Caio Azevedo Marques lidera Ingo Hoffman em Interlagos, ambos com Astro Kaimann. 


    


sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Lendas..

Toca o telefone, atendo e falo"fala Biju!" ( na verdade digo "fala Bijuca!" mas não ia comentar isto com todos sobre  uma pessoa tão séria quanto o senhor Benjamim Rangel!rs) de lá ele diz"estou tomando uns chops com uns amigos..." e na continuação querendo me enganar entra alguém e continua a conversa "pois é estava com o Ricardo - Achcar-..." na terceira palavra saco de cara que quem  falava então era o Crispim - Miguel Crispim Ladeira - amigo de tanto tempo, gente que mora em meu coração.
Pois é sempre assim, o Biju sempre tentando me enganar, outro dia foi com seu primo Gil e o Wagner - Gonzalez - e outro dia foi o Julio Caio - Azevedo Marques - ligando do telefone dele, não me enganam nunca!
Aí vocês me perguntam o por que do titulo "Lendas"...apenas por que são lendas vivas e com a graça de Deus somos todos amigos e sempre que podemos estamos juntos.

Crispim e o senhor Rangel fingindo derrubar um Scotch ontem à noite!
Maneco Combacau, Julio Caio de óculos, Crispim, Wagner dois senhores que não recordo o nome agora e sorrindo Ricardo - Achcar.
 Ricardo - Bock- Crispim e eu na FEI.

Ao Crispim, Biju e todos os amigos meu abraçalhão.

Rui Amaral Jr

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Conta Julio...

Julio vencendo na Super Vê com Piquet em segundo. 

"É um horror, o que aconteceu no Japão.

Isso mostra que tem que ser mudado a gestão da Fórmula 1.

Os profissionais que estão atuando com as principais responsabilidades, já fizeram a sua parte, estão muito velhos e não estão levando a serio as suas responsabilidades.

O Charlie White tem que ser punido, não poderia ter mais nenhum cargo no automobilismo, ele é o único responsável pelo acidente do Jules Bianchi.

Se o Charlie White fosse uma pessoa consciente com a sua responsabilidade e profissional, nada teria acontecido.

É de obrigação do Diretor da Prova em participar fisicamente de todos os exercícios simulados de trabalhos de resgate de um acidente e tem que ser ensaiados todos os tipos de acidentes em cada ponto do circuito.

Um trator não pode entrar num circuito com os carros em movimento de corrida, tem que aguardar o Safety Car a alinhar todos os carros

Todo metido, prepotente, arrogante e agora!!!

Rui,

Tudo bem?

Tem mais uma coisa que eu vi ontem, Charlie White, que deveria ser o Réu, ele é quem vai ser o responsável pela investigação, já virou palhaçada, o assunto é muito sério para conduzirem desta maneira.

O principio de tudo está todo errado. Acho que a FIA não sabe quais são os direitos e responsabilidades de um Diretor de Prova.

O culpado é o Diretor da Prova, pois ele é quem tem a responsabilidade civil durante o evento.

Ele que deixou o trator entrar, pois nesta questão somente o Diretor da prova pode autorizar a entrada do resgate e também o tipo de bandeira que tem que ser mostrada.

O correto é ele ser afastado das suas funções e nem participar da corrida da Rússia, isso seria o certo.

Não estou conseguindo abrir os seus dois links, pode ver o que esta acontecendo!!" 

Julio Caio Azevedo Marques

------------------------------------------------------------------------------------

Julio ao lado do carro depois da panca no Tarumã.

Pois bem, volto ao tema pois além de autorizar a divulgação o Julio escreveu mais alguma coisa a respeito do acidente e da próxima corrida na Russia. Julio foi o braço de Bernie durante alguns anos na organização dos GPs da Hungria, Portugal e Brasil, trouxe a Moto GP e a primeira corrida de Truck para o Brasil, foi um piloto rápido e competente, parou antes do tempo pois como seu  compadre Nelson poderia ter chegado à F. Um. Somos amigos desde a sala de aula do Colégio Paes Leme quase 50 anos atrás, assino embaixo de cada palavra dele.

Rui Amaral Jr  

Em nossa sala de aula ele aparece ao lado da professora, eu de óculos estou encoberto pelo João e na frente o Panga...







À você Jules. 

terça-feira, 15 de abril de 2014

Apenas uma foto...


...de um certo Candango à caminho do tri campeonato de F.Um! 
A foto é dos arquivos de meu amigo Benjamin "Biju" Rangel que dividia a equipe com Piquet... 

A equipe Gledson com Peter , Nelson e Biju como pilotos e Giba o chefão!

...acontece que por mais que eu peça o Biju nada escreve para nós, ontem num longo papo via Skype conversamos à três com nosso querido amigo Julio Caio -Azevedo Marques- mais de hora e meia...e um assunto que começou sério e cinco minutos descambou e nada dos dois escrevem algo para nós! Um dia quem sabe!

Um abração Julio, Biju e à todos.

Rui

terça-feira, 24 de julho de 2012

MAGIA PURA

“Rui, não esquece, dia 20 de Julho vamos fazer um encontro com os amigos”, desde Fevereiro ou Março, o Julio vem me lembrando e falando entusiasmado da reunião que ele planejava, afinal dia 20 é o Dia do Amigo, e aniversário dele!
Pois bem, agora mostro as fotos a vocês,  neste momento em que escrevo acabei de conversar com ele, e ainda está emocionado e feliz, afinal foi uma noite mágica , inesquecível, simplesmente um sonho!
Ele me pede para agradecer à todos, e envia um forte abraço à cada um. E eu digo aqui, obrigado Julio, você é um ser iluminado e cada um de nós que lá estávamos, devemos esse belo encontro à você!
Um forte abraço à todos do Julio e meu!


No alto Julio Caio e seu filho Julio Caio e a felicidade do encontro!





 Paulo Cezar Salles, Ricardo Di LOreto e Julio Caio
 Raki e seu pai Anísio Campos com Gláucio Teixeira


 Crispim, Bob Sharp, Ricardo Achcar, Amador Pedro e Chico Lameirão
 Ingo Hoffmann, Crispim, Julio, Louzão e Carlo Gancia
 Águia, Edson Yosikuma, Plinio e Julio
Águia abraça Bastos, que aos 80 anos continua firme eforte

 Jan, Reinaldo Campello, Ricardo e Águia
 Anísio, Águia e Reinaldo

 Maneco Cambacau e Bird Clemente
Carlo Gancia e Atilla Sipos

 Chico Lameirão e Ricardo Achcar
Amador Pedro conversa com Maneco Cambacou e Águia faz pose!

 Miguel Yoshikuma
 Águia e sua Berlinetta 
 Coelho, Louzão, Fukuda e Julio
Paulo Cezar Salles. Ricardo Achcar e Amador Pedro

 Maneco e Bird



 Ingo e Ricardo

Ulisses Martins Ferreira, Bird Clemente, Julio, Raki, Edson e Miguel Yoshikuma, eu, Ana Maria Martins Ferreira e Anísio Campos.
 Di Loreto, Campello e Edson Yoshikuma
 Julio e se filho com Chapela

 Ricardo Oppi, Anisio e sua filha Raki
Gláucio Teixeira, Ricardo Oppi e Paulo Solariz


 Ricardo e Paulo

 Eu, Miguel Crispim Ladeira, Ricardo e Paulo
Crispim e Ingo


 Amador Pedro, Águia e Anísio
Amador, Ingo, Anísio e Águia