A VERDADE NÃO SERIA BASTANTE PLAUSÍVEL SE FOSSE FICÇÃO - Richard Bach
Mostrando postagens com marcador Jody Scheckter. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Jody Scheckter. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 14 de julho de 2015

1973...


Costumo dizer que a temporada de 1973 foi traumatizante para mim, enquanto torcedor. Emmo perdendo o campeonato mundial para o Jackie Smart, a morte do Williamson e no final do ano, as tragédias do Cevert, do Pedro Carneiro Pereira e do Iglesias no espaço de 15 dias. E depois, eu levando pau na 5ª série!!
Hoje, dando uma pesquisada, achei flagrantes de dois momentos cruciais daqueles tempos. 
Emmo, depois daquele toque no Scheckter em Paul Ricard, quando começou a perder o título da temporada e uma sequência do acidente de Cevert no Glen. Repare que na terceira delas, Jody acena desesperado por auxílio.

Coisas que marcam.

Caranguejo

link





São longos nossos papos, o Caranguejo e eu comungamos das mesmas paixões, este é apenas um e-mail que hoje recebi dele, à mim a morte nas pistas também traz um gosto amargo desde o longínquo 1963 quando com onze anos assistia os 500 KM de Interlagos e das arquibancadas soube da morte de Celso Lara Barberis, depois infelizmente presenciei algumas que nem gosto de lembrar.

Aos que se foram fazendo o que gostavam e sabiam.

Rui Amaral Jr 
     

quinta-feira, 10 de julho de 2014

GP DA FRANÇA- 1973



Estava eu em casa, praguejando contra o frio quando toca o telefone. Do outro lado, as vozes do Rui Amaral Lemos Jr. e do Ronaldo Nazar, arquivo vivo do automobilismo brasileiro. “Oi, Caranguejo. Estamos ligando pra saber se ainda estás vivo”. Toda essa distância e esses caras lembram de mim.

- E eu posso saber o que os cérebros avoados estão fazendo?”

- Estamos assistindo ao GP de Paul Ricard, 73.

Le Castellet, GP da França, para mim, o começo da perda do Mundial de 73.

- Quem sabe possas escrever a respeito. - Diz o Rui.

- Se eu escrever, vou colocar vocês dois na história.

...e Emmo começou a perder.

Ronnie vencendo.
Stewart, Jody e Emerson.

No forte do verão francês, muita disputa entre Jody Scheckter (McLaren), Ronnie Peterson (Lotus), Denny Hulme (McLaren), Jackie Stewart (Tyrrell) e Emerson Fittipaldi (Lotus), estava prometida para o GP da França de 1973, em Paul Ricard. Na lista de inscritos, as novidades eram Henri Pescarolo substituindo o aposentado Nanni Galli na Equipe Williams e Reine Wisell no lugar de Mike Beuttler na March (o Cavalo-Marinho acidentou-se numa prova de F2 em Rouen, uma semana antes). Foi quando Emmo começou a perder. Ao que parece na largada, Emerson e Stewart (pole-position) prestaram muita atenção um no outro e Jody aproveitou-se disso bem como Peterson, para dispararem na frente. Stewart, Hulme e Emerson vinham atrás. Jackie e Denny Hulme tiveram problemas com seus pneus e Emmo subiu para terceiro que logo virou segundo quando Ronnie achou que ele estava em melhores condições para atacar Jody Scheckter.




E estava. Mas Jody não se intimidou com a pressão de Fittipaldi e faltando doze voltas, ainda era o líder. Emerson contudo, achou que poderia arriscar-se com um novato como o sulafricano e vencer, se o surpreendesse. A oportunidade surgiu quando encontraram o retardatário Jean Pierre Beltoise e sua BRM pela frente. Fittipaldi deu o bote, mas Jody o percebeu e eles acabaram batendo. Para um homem prudente, Emmo arriscou demais. O GP de Paul Ricard já seria sua segunda corrida sem pontuar e ele continuaria no zero em Silverstone e Zandvoort. Bom para Stewart, que depois do pneu furado, ainda terminou em quarto lugar,abrindo uma pequena vantagem e para Peterson, ganhador de seu primeiro Grande Prêmio. Naquela temporada ele ainda venceria em Osterreichring, Monza e Watkins Glen. 

Emerson tinha uma boa relação com Chapman, mas Colin ficou mal acostumado com o sujeito ao lado do qual aparece na foto, e queria total dedicação. O Mundial chegava à metade e a liderança trocava de dono.


CARANGUEJO


À partir de 1h e 35m o começo da tentativa de ultrapassagem!


Ronnie
O piloto que na Formula Ford usava o nome de Antonio Bronco agora na Ensign N173 como Rick von Opel. Coisas do Benjamim "Biju" Rangel...um dia contamos mais!

---------------------------------------------------------------

Parabéns meu amigo Caranguejo, não é todo dia que ficamos mais velho, um abração!



quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Ferrari 312 T4 - 1979


Com a 312 T4 a Ferrari voltou às vitórias em 1979, dominando os dois campeonatos, de pilotos e construtores. A luta pelo Campeonato de  Pilotos é entre Villeneuve e do Sul-Africano Jody Scheckter, que ganharam três corridas cada, sendo Schecter campeão graças a uma maior regularidade. Nas duas primeiras corridas do ano, Argentina e Brasil, foram feitas com as 312 T3, estreando a T4 na África do Sul, com Villeneuve em primeiro e Jody em segundo, repetindo a dobradinha na próxima corrida em Long Beach. A primeira vitória de Scheckter veio em Zolder. Outra dobradinha veio na vitória de Scheckter, desta vez em Monza, onde além de vencer é coroado campeão do mundo.


Gilles vence em Kyalami acima e Long Beach abaixo

Jody vence sua primeira corrida pela Ferrari em Mônaco

O carro é uma evolução da série T, e venceu três títulos de pilotos, Lauda 1975/77 e Jody 1979, e quatro de construtores, 1975/76/77 e 1979 para Casa de Maranello. Seu motor Boxer, com uma grande dimensão transversal não é adequado para a evolução da aerodinâmica e para superar os problemas os técnicos da Ferrari tiveram que alargar ainda mais os lados, para criar os condutores internos que, apropriadamente divididos, conduzem o ar para o radiador e para a alimentação. A suspensão foi redesenhada a fim de criar a menor resistência possível para o ar e os freios traseiros estão in board para reduzir o peso não suspenso, a aderência e aumentar a tração.


Jody vence em Zolder
Vitoria em Monza e o titulo para Jody
Jody em Watkins Glen

Motor:
Traseiro, longitudinal, 12V 180°
Diâmetro e Curso 80 x 49,6 mm
Cilindrada unitária 249,31 cm3
Cilindrada total 2991,80 cm3
Compressão 11,5 : 1
Potencia máxima 379 kW (515 CV) a 12.300 giri/min
Potencia especifica 172 CV/l
Distribuição, duplo comando no cabeçote, 4 válvulas  por cilindro
Alimentação injeção indireta Lucas
Lubrificação carter seco
Ficção multidisco

Chassi monobloco, em liga leve e painéis de alumínio
Suspensão dianteira, independente, quadrilátero transversal, molas helicoidais com amortecedores telescópios in board e barra estabilizadora.
Suspensão traseira, independente, quadrilátero transversal, molas helicoidais, amortecedores telescópicos, in board e barra estabilizadora.
Freios a disco
Cambio 5 marchas + Ré
Direção pinhão e cremalheira
Reservatório de combustível capacidade  190 l
Pneus dianteiros  23/59 x 13
Pneus traseiros  38/68 x 13






A Gilles, Campeão sem titulo...

Rui Amaral Jr

domingo, 26 de agosto de 2012

1973

Silverstone 1973

Jody estreia na FI em Watkins Glen 1972, com MacLaren M19, atrás de seu companheiro Hulme à frente de Emerson, já campeão do mundo. 

Lembro como se fosse hoje, tínhamos um pastifício na R. dos Pinheiros, as massas Tevere, e íamos mudar a industria para Mooca, onde ficavam os Alimentos Selecionados Amaral, e naquele domingo lá estava eu pela manhã acompanhando os trabalhos.
1973 era um ano complicado para mim, tinha corrido a fatídica Copa Brasil de 1972 na Divisão 3 e quebrado nas duas corridas. Para 1973, quando faria 21 anos, meu pai havia prometido investir em minha carreira, que até então era tocada com apenas meu empenho, apesar dele ter pago para mim o aluguel do carro da Equipe De Lamare em algumas corridas de Estreantes e Novatos em 1971.
Em 72 para conseguir montar meu D3 trabalhei com o Expedito Marazzi, brigávamos como cão e gato, mas certamente nos gostávamos como pai e filho. 
Chega 73, e para mim e uma grande mágoa e decepção, em 1º de Abril, meu pai aos 59, faleceu vitima de um AVC.
Ouvia a corrida pelo rádio, entusiasmado com um talvez o bi campeonato do Emerson que vinha muito bem tendo vencido na Argentina, Brasil e Espanha, e com uma possível retomada de minha carreira.    


1973 em Kyalami à frente de Emerson
1973 Le Castellet

Era a quarta corrida de Jody na Formula Um, o sul-africano era sem duvida um piloto rápido e neste ano dividia sua tocada entre a Formula 5.000 e Um. Já em Le Castellet na França, havia tirado de Emerson uma provável vitória, e dele disse nosso campeão "Esse louco é uma ameaça para si mesmo e todos os outros e não pode estar na Fórmula 1". Havia estreado na categoria no GP dos EUA de 1972 em Watkins Glen com uma McLaren M19A da equipe de fabrica, largando em 8º lugar e chegando em 9º. 

Em 1973 correu apenas a terceira etapa em Kyalami, onde largou em 3º e chegou em 9º, tendo quebrado o motor. Depois na França em Le Castellet, quando estreou a McLaren M23 e onde bateu com Emerson.




Não sei por que, mas nunca fui um ouvinte de rádio, gosto muito de musica, mas nunca acompanhei nada por radio, mas naquele dia ouvia atento, Emerson largava na segunda fila com Ronnie na pole tendo ao seu lado dois MacLarens o de Revson e Hulme, na segunda fila Stewart e Emerson e Jody se não me engano, largava na quarta ou quinta fila.

Na largada Emerson fica para trás e Jody já se insinua na Copse e vem brigando com todos, Ronnie vem na ponta mas numa bela ultrapassagem na Becketts Stewart toma a ponta. 
Stewart, Ronnie, Reutmann e Jody tendo deixado Cevert para trás vem em quarto e roda na saída da Woodcote indo parar na reta em frente dos boxes com seu carro atravessado no meio da pista. Primeira volta, adrenalina à mil, e na lambança que se seguiu onze carros bateram. Além do lambão, bateram Chris Amon, Mike Hailwood, Jochen Mass, José Carlos Pace, Jean Pierre Beltoise, Roger Willianson, George Follmer, Jackie Oliver e Andrea De Adamich que ficou preso ao carro e demorou muito tempo até ser retirado.
Nunca o tempo demorou tanto a passar para mim, grudado no radio esperava a retirada de Andrea, na época o fogo era um perigo real na Formula Um e temia-se que o carro dele pudesse incendiar. Depois o alivio por saber que haviam conseguido e o valente italiano vivia.
A vitória na corrida foi de Peter Revson, MacLaren M23, seguido por Peterson e Hulme na outra McLaren.
Quanto a Jody, depois de boas temporadas na Tyrrel e Woolf foi enfim contratado pela Ferrari onde foi campeão do mundo em 1979, ano que depois de tantas expectativas voltei a colocar meu traseiro em um carro de corridas.  


NT: Hoje tem muitas corridas, Formula Indy, onde o Helio ainda tem chances no campeonato, Stock, Paulista e as corridas de ontem em Interlagos, que certamente o Ferraz irá mostrar.
Acontece que tive apenas vontade de escrever, e espero que vocês me desculpem se misturei um pouco de minha vida com os acontecimentos de Silverstone.


Rui Amaral Jr



-----------------------------------------------------------------------



PS: 13/09/2014 - Bravo meu amigo Ronaldo Nazar fez o comentário abaixo quando mostrei ontem este post no Face depois do amigo Cezar Fittipaldi colocar a foto acima e nós comentarmos. Um abração ao Ronaldão e ao Cezar.

Rui 

"Ronaldo Nazar - Então vou aqui. Na 1ª volta o Stewart fez uma BRILHANTE ultrapassagem sobre o Peterson e já vinha com um BOQUEIRÃO em cima da turma toda. Pena o Jody ter feito a lambança. Na verdade ele não "entendia" e quase ninguém "entendia" os pneus frios como o Jackie. O homem era realmente uma fera nesse ítem. O Sul africano abusou, pneu frio , veio fora do trilho rodou e foi aquela lambança que todo mundo viu. O De ADamich depois dessa prova nunca mais correu em F1. Só em protótipos qdo ajudou a Alfa a ser campeã mundial em 1975. Foi tb a 1ª vitória de Peter Revson na F1, coisa que antes só Dan Gurney tinha conseguido em 1967 em SPA. E depois dele que tb venceu no Canadá numa discutida corrida , com Emerson em 2 º só o Andretti, que todos nós sabemos que é italiano mas naturalizado americano,venceu na F1 ,mas foi genérico né!!!! Italianão da pesada. E foi nessa corrida que a coisa desandou de vez entre o Emerson e o Colin Chapman, pois o brasileiro já vinha notando um certo "favorecimento" ao sueco em detrimento dele. Mesmo assim ainda foi vice campeão para o Stewart. Bela temporada, belos carros , tremendos pilotos e fim de uma grande equipe no final do ano. Cevert morto e Stewart abandonando a F1." 

terça-feira, 24 de agosto de 2010

PROJETO 34


Templo 1977, curva do "Laranja" Depailler e Peterson num lindo sobreesterço, dois grandes pilotos essa corrida eu vi dali de perto simplesmente de arrepiar.



                        Jody a unica vitoria do Tyrrel P34 no GP da Suécia em Anderstorp 1976


                                                        Depailler num lindo voo em Monaco

                                                                   O Projeto 34

 1975 a grande preocupação das equipes e projetistas era a eorodinâmica, a penetração do carro no ambiente que o envolvia, os pneus e rodas super largos eram obstáculos diretos do ar que passava sobre o carro. Os túneis de vento eram somente em escala reduzida e não havia a informática.
Foi quando Derek Gardner trouxe a Kem Tyrrel a ideia de colocar na frente dos carros rodas de dez polegadas de diâmetro com pneus de perfil baixo, para fazer principalmente que o ar fluísse na dianteira dos carros e para isso concebeu o Projeto 34 o Tyrrel de seis rodas.

Ken Tyrrel abraça a ideia, ele que havia sido campeão do mundo com Stewart em 1973 via a superioridade de sua equipe ser ineficaz diante da MacLarem e Ferrari, alem de perder seu futuro campeão Cevert e logo a seguir Stewart que abandonou as pistas logo após de se tornar tri-campeão do mundo.

Para o Projeto 34 -P34- Ken foi buscar a parceria com a Goodyear para o desenvolvimento dos pneus que seriam colocados em rodas de aro 10 pol. E um dos maiores problemas ao desenvolvimento dos pneus era esse, só a Tyrrel iria usa-lo e não haveria parâmetro com outros carros.

No ano de 1976 sua equipe contava com dois expoentes da F I , Jody Scheckter e Patrick Depailler e foram deles os primeiros testes com o carro e a primeira participação em corridas no GP da Espanha de 1976.

Neste primeiro ano também veio a única vitória do carro com Jody no GP da Suécia em Anderstop tendo Depailler chegado em segundo, seguido de Lauda com Ferrari, Lafitte com Ligier, Hunt de MacLarem e Ragazzoni de Ferrari.

Na época a Formula Um era super competitiva e naquele ano Hunt se consagra campeão com a MacLarem deixada de bandeja para ele por Emerson.


Ronnie, sempre espetacular.

1977 sai Jody Scheckter para a Woolf e chega o Sueco Voador, Ronnie Peterson, neste ano alem de enfrentar um Lauda imbatível na Ferrari, o P 34 começa a ter problemas de desenvolvimento com os pneus, já que era a única equipe a usar e uma nova onda vinda de um grande genio do automobilismo começava a tomar forma. Era o carro asa do incrível Colin Chapman.

Outros carros foram feitos na configuração seis rodas, mas no final de 1977 a FIA resolveu mudar o regulamento e não permitir mais tal configuração.

Ofereço este post a meu amigo Joel - Joel Marcos Cesetti - cujo blog Sport Protótipos de template novo está cada dia melhor.  http://sportprototipos.blogspot.com/2010/08/detalhes.html
Me perdoem qualquer erro de datas e outros, pois esse post foi escrito principalmente do que tenho guardado na memória.


O March de seis rodas provavelmente um caça moedas da equipe. Howden Ganlei pilotando. 








Os pequenos discos de freio, sempre foram um problema nesse carro.

Notem a grossa barra estabilizadora, possivelmente para compensar o super grip que as quatro rodas proporcionavam.



O Willians de seis roda , dizem que o mais rápido de todos.