A VERDADE NÃO SERIA BASTANTE PLAUSÍVEL SE FOSSE FICÇÃO - Richard Bach
Mostrando postagens com marcador Jack Brabham. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Jack Brabham. Mostrar todas as postagens

sábado, 21 de maio de 2016

Monaco 1970...

Jochen
Black Jack à frente de Amon com a March 701.

...Rindt já era um piloto completo, arrojado, rápido e combativo, Black Jack ou como o Ronaldão diz "Old Jack" já era ele mesmo, tri campeão do mundo, construtor de sucesso sua equipe era bi campeã com carro de sua fabricação e motor desenvolvido por ele e Tauranac em parceria com a Repco...chega 1970 a Lotus lança o incrível 72 substituindo o não menos incrível 49 que feito para usar o motor Ford-Cosworth DFV e dar a Jimmy seu terceiro titulo e que depois do trágico acidente de Hockenhain foi muito bem aproveitado por Graham Hill.
Stewart campeão do ano anterior vinha com novo equipamento, a March 701 Cosworth e havia vencido a segunda etapa da temporada em Jarama, a primeira em Kyalamy foi vencida por aquele que o Ronaldão chama de "Old Jack" mas que de "Old" nada tem, continua mandando a bota!  
Chegam ao Principado na terceira corrida da temporada e Stewart faz a pole  com Rindt largando em oitavo e Black Jack em quarto...Stewart larga na frente e vem liderando com certa vantagem...a certa altura Black Jack já está em segundo e atrás dele a briga é "de cachorro grande" com Peterson, Amon e outros se pegando como se a corrida fosse de dez voltas, e Rindt? Bem o austríaco vem  apenas "babando" e chega em Black Jack, a briga é das boas com o "Velhinho" segurando com garra o austríaco quando na Rascasse perde o ponto de freada e toca no guard rail entregando a vitória à Rindt e ainda chegando em segundo lugar!
Foi a terceira vitória seguida da Lotus 49 em Mônaco sendo Hill em 1968/69...Rindt que com Milles havia estreado a Lotus 72 em Jarama escolheu correr  com a confiável 49 assim como Hill e Milles.
O resto é historia...


 Jochen à frente de Piers Courage com a De Tomaso. 
Piers Courage
 Hill vence em 1968...
...e 1969 com o #1 de campeão do mundo à frente de Beltoise de Matra MS120.
 Jochen no lançamento da 72 ao lado de Chapapman e Keuth Dickworth e equipe.
Hill testa a 72.

À todos esses grandes pilotos que aprendi à admirar desde muito cedo, e ao meus amigos Ronaldão, Ricardo e Cezar.

Rui Amaral Jr 


Abaixo os vídeos de Mônaco 1970


 Old Jack bate...


todos os vídeos

e por fim...
Ronaldão, Raul Boesel, Cezar e eu em Interlagos.


   

quarta-feira, 18 de maio de 2016

Jack Brabham e Graham Hill



Fala aheeee, Grandalhão. 

Aproveitando que hj é dia do seu NATALÍCIO, mando essas imagens, que tenho QUASE certeza , que vc não deve saber que esse fato aconteceu . Foi durante o GP da Inglaterra de 1969. Umas duas semanas antes do GP , Jack Brabham estava treinando com o Brabham BT 26 que ia muito bem naquele ano e deu uma batida e quebrou o tornozelo esquerdo. Ficou impossibilitado de participar do GP inglês. Mas o que chamou atenção foram os treinos iniciais de 5ª feira. A equipe Lotus não aprontou seus carros e Jochen Rindt e Graham Hill ficaram a pé. Com isso Ron Tauranac, convidou Hill para dar umas voltas no Brabham de Old Jack , no que o então campeão mundial aceitou sem pestanejar. Uma pérola  nos anais da categoria , que hj em dia é SIMPLESMENTE IMPENSÁVEL que possa a vir a ocorrer de novo. Nas fotos vc pode ver Graham guiando o Brabham nº 8 a toda velocidade com o seu inconfudível capacete e ele parado nos boxes trocando informações com Ron Tauranac.Detalhe em pé olhando atento a outra coisa o jovem Ron Dennis. Mando tb a foto do Jack Brabham andando de muleta nos boxes na ocasião do GP. Na corrida Ickx chegou em 2º sem gasolina , mas chegou . O vencedor foi o futuro campeão mundial o escocês Jack Stewart com sua Matra Ford depois de um pega incrível com Jochen Rindt até a quebra deste. É isso meu caro . Se vc já sabia , pelo menos tentei... Se não , fica como um presente do seu aniversário.Acho que fica legal publicar no blog. 

Black Jack 
Ron e Hil na Brabham BT26 - BT = Brabham &Tauranac 
Hill e a BT26
Stewart e Rindt
Ickx
Stewart
Stewart e sua mulher Helen

Abção... Grandalhão....

Ronaldo Nazar

________________________________________________________________

Muito obrigado Ronaldão meu amigo!

Para quem não conhece a FERA o Ronaldão é um entusiasta do automobilismo, com sua enorme coleção de livros e revistas, que lê e rele sempre, tem sempre alguma ótima história para contar. Um dia conto o que este ser incrível fez e faz por nosso automobilismo! 

Um beijão à família Nazar; Sonia, tia Lena, Pandora e Ronaldão. 

quarta-feira, 1 de julho de 2015

GP da Itália 1967 - Monza

 Largando na pole Clark fica para trás, Black Jack assume a ponta seguido de Bruce McLaren, Dan Gurney, Chris Amon, Clark, Hill, Stewart e Hulme...o vencedor está logo atrás da linha de chegada.  
 Big John cruza a linha 30/1.000 à frente de Black Jack.


quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Conta Chico - GP da Inglaterra Brands Hacth II


..., pois é amigo RUI , eu estava lá, e foi interessante de ver pois após o final da corrida o JACK. BRABHAM contestou a altura do AEROFOLIO do RINDT, o que fez o CHAPMAN em mandar os mecânicos abaixarem a PRESS dos PNEUS, ficando o dito AEROFOLIO em um passe de mágica ficar dentro do regulamento......!!!!!!! """""" tanto lá como cá , espertos há """""""


Abraco amigo de CHICO LAMEIRÃO


terça-feira, 16 de dezembro de 2014

GP da Inglaterra 1970 Brands Hacth

 Ronnie Peterson e o March 701


Largada
 Rindt

GP da Grã-Bretanha 1970 - Essa foi a segunda corrida que Rindt ganhou em cima de Black Jack Brabham. E como em Mônaco, parecia que o tricampeão estava com tudo sob controle. Dessa vez ficou sem combustível na última volta, dizem, por erro de cálculo de um jovem mecânico de sua equipe, um certo Ronald Dennis.

Caranguejo


Black Jack na cola de Rindt
 A estréia de Emerson na F.Um


GRID
 RESULTADO



Meus amigos, Claudinho Carignato, André Candreva, Guima - Luiz Guimarães - acertaram.

terça-feira, 20 de maio de 2014

O CANTO DO CISNE DO VELHO JACK


Kyalami 1970

O GP de África do Sul de 1970, foi o primeiro da década, um período importante para a F1, de consolidação da sua importância no esporte a motor, de transformações e marcando a aparição de importantes equipes e pilotos talentosos. Mas em março de 70, todos só comentavam como haviam carros da March no grid. Nada menos do que cinco pilotos iriam conduzir o modelo 701: Chris Amon, Jo Siffert, Mario Andretti, Johnny Servoz-Gavin e o campeão de 1969, Jackie Stewart. O escocês inclusive encheu de orgulho os próceres da nova equipe, Max Mosley e Robin Herd e marcando a pole-position. Ao seu lado na primeira fila (o grid em Kyalami adotava a formação 3-2-3), Chris Amon em outro March e o veterano campeão Jack Brabham, com seu novo Brabham BT-33, o primeiro chassi monocoque da equipe. Aos 43 anos e três títulos na Fórmula 1, Old Jack era uma atração da corrida, sua presença daria um colorido especial à prova mas nada além disso. Stewart, o veloz Amon e o inquieto Jochen Rindt eram os favoritos. Na largada, Jackie saiu na ponta e atrás dele, Rindt largou bem mas acabou tocando em Amon e os dois se atrasaram. Não apenas isso: para evitá-los, Jack Brabham perdeu posições para a Ferrari de Jacky Ickx, a Matra- Simca de Jean Pierre Beltoise, o BRM de Jackie Oliver e a McLaren de Bruce McLaren. Corrida disputada sob forte calor, como de praxe em Kyalami, teria o velho Brabham “gás” para cumprir as oitenta voltas? Como resposta, Jack Brabham começou a recuperar-se, ultrapassando os quatro à sua frente Na sexta volta, ele já estava em segundo e pronto para atacar Stewart. O vesgo estava despencado na frente e foram necessárias catorze voltas para alcançá-lo e passá-lo. Sossegado na frente, o tricampeão viu Jackie e a novidade March ficarem para trás. Denny Hulme, outro que fazia uma corrida paciente, deixou Stewart em terceiro. Old Jack chegou assim à sua 14ª vitória, secundado por um antigo companheiro de equipe, Hulme, um dos tantos que seus críticos costumavam considerar mais velozes do que ele. Stewart foi o terceiro e Beltoise chegou em quarto, como o único representante do quarteto animado do início da corrida que chegou ao fim. Ickx e McLaren tiveram problemas de motor e Oliver, com a caixa de câmbio. O insosso John Miles e outro veterano, Graham Hill, completaram os lugares pontuáveis. Jack Brabham começava assim, de forma brilhante aquela que seria sua temporada de despedida da F1. Ele ainda faria mais três pódios, um deles em Brands Hatch, onde assistiu a estréia de um novo nome da categoria, um certo Emerson Fittipaldi...

À Memória de Black Jack Brabham, tricampeão de F1 em 59-60-66, melhor piloto australiano de todos os tempos.

Caranguejo

 Jack e o Brabham BT19
Brands Hatch 1966...saindo da Paddok Hil subindo a Hailwoods Hill à caminho da Druids Bend a Brabham BT19 de Jack lidera Dan Gurney e Jimmy Clark... 

Jack e Jimmy
 Com o pessoal da Repco preparando o bloco Oldsmobile do motor Repco-Brabham que seria campeão do mundo de Formula Um nos anos 1966 e 67.
Com a atriz Françoise Hardy nas filmagens de Grand Prix
1970 na Matra-Simca MS650 correndo com Jean Pierre Beltoise os 1.000 KM BOAC em Brands, tomando a Druids Bend.


terça-feira, 28 de janeiro de 2014

GP da Alemanha 1967 Nurburgring

 Black Jack recebe a bandeirada do 2º lugar com Chris Amon à sua cola!
Hulme
Carona para o patrão! 

Denny estava em sua terceira temporada pela Brabham, havia vencido sua primeira corrida neste ano em Mônaco, e agora partia em busca do campeonato e no momento estava com 24  pontos contra 19 do patrão e marcara pontos importantes em todas as corridas apenas tendo se retirado no GP da Bélgica quando correu com o antigo Brabham BT19. 

 Guy Ligier
Pedro Rodriguez Cooper T86 e David Hobbs Lola 100.

Jim Clark havia feito a pole com o tempo de 8m04s 10/1000 com absurdos 9segundos à frente de Hulme com 8m13s 500/1000 o segundo no grid, a Lotus 49 com o novíssimo motor Cosworth era velocíssima mas pouco confiável, também na primeira fila, que à época era de quatro carros,  Jackie Stewart com a BRM P115 e Dan Gurney com a Eagle -Weslake.
Dada a largada Clark toma a ponta com Hulme à sua cola, não desaparece como fariam prever os nove segundos que fora mais rápido na classificação, mas uma quebra de cambio tira o escocês da corrida e abre caminho para vitória de Hulme numa corrida emocionante com várias trocas de posições entre os pilotos, nesta briga Dan Gurney faz a melhor volta com o tempo de 8m 15s 100/1000.


Resultado

Pos Piloto   Equipe Voltas      Tempo Grid          Pts
------------------------------------------------------------------------------------------------------------
1 2 Denny Hulme Brabham-Repco 15 05:56.3 2 9
2 1 Jack Brabham Brabham-Repco 15 38.5 7 6
3 8 Chris Amon Ferrari 15 39 8 4
4 7 John Surtees Honda 15 + 2:25.7 6 3
5 16 Jo Bonnier Cooper-Maserati 15 + 8:42.1 16 2
6 15 Guy Ligier Brabham-Repco 14 + 1 Volta 17

Meus amigos Heitor Luciano Nogueira Filho e Paulo Levi acertaram na lata um minuto após a postagem e hoje pela manhã o Barba.

Rui Amaral Jr


terça-feira, 7 de agosto de 2012

COOPER

1959, Black Jack - Jack Brabham - empurra seu Cooper T45 em Sebring, para terminar no 4º lugar, ao fundo Tony Brooks e a Ferrari Dino 246 3º colocado.
Black Jack caminha para seu bi campeonato em 1960 com a vitória em Spa. Cooper T53
Tony Brooks, Cooper T53 em Mônaco 

JOHN NEWTON COOPER era um homem brilhante e como soe acontecer, sua criatividade residia nas coisas simples e nas ideias práticas. John, foi o fundador, juntamente com seu pai, Charles, da Cooper Car Company. O velho Charles Cooper iniciou seu negócio em uma velha garagem em Surbiton, Inglaterra, no Reino Unido, onde John nascera, e era especializado na manutenção de carros de corrida. Nada demais portanto, que John desde pequeno, estivesse cercado e se sentisse seduzido por aquele ambiente barulhento e veloz. Após o serviço militar e no final da II Guerra Mundial, os Coopers começaram a construir monopostos de baixo custo, para pilotos novatos. E muitas vezes usavam o excedente de guerra nesses “carros”. 
Apesar disso, o sucesso foi instantâneo e em 1948, tiveram que ampliar seu negócio para atenderem aos pedidos. Até John Cooper experimentou pilotar durante algum tempo, afastando-se das pistas depois para dedicar-se somente aos negócios. Seus pequenos carros de motor traseiro logo estariam começando um revolução na Fórmula 1, pela proposta da nova posição do propulsor (que nem era tão nova assim, vide os Auto Union do pré-guerra).


1958, Moss vence na Argentina 
Big John - John Surtees - vence no México em 1966. Cooper T81
 Jo Bonnier e a Coper Maserati 1965 em Silverstone

Coube a um dos pilotos que começara sua carreira guiando um Cooper nas “fórmulas de promoção”, um inglês que sofria de calvície precoce, Stirling Moss, dar à Cooper e seu modelo T43 o primeiro triunfo, ao vencer o GP da Argentina de 1958. No ano seguinte, o australiano Jack Brabham sagrou-se campeão mundial a bordo de um Cooper-Climax T51 e na última etapa, disputada em Sebring, o carro encantou o piloto local Rodger Ward. O norte-americano estava participando da prova com um modelo no mínimo exótico, um Kurtis-Kraft Midget e não sossegou enquanto não convenceu John a levar seu carro à Indianápolis. 
Em 1960 com Black Jack ao volante, o carrinho passou rapidamente de novidade à surpresa e de certa forma, decretou o final da era daqueles roadsters de grandes motores dianteiros que os ianques vinham usando.
Homem de visão, John também idealizou o Mini Cooper, célebre carro de rallys e slalons. Reconhecido pelas realizações em prol do automobilismo, talvez uma de suas mágoas fosse que as competições haviam deixado de ser “divertidas”, como em seu tempo. 
Não poderia ser diferente para alguém de quem se afirmava que havia gasto não mais do que dez mil dólares para levantar o campeonato de F1 em 1959...

C.HENRIQUE MERCIO - Caranguejo


_______________________________________________

A pedido de minha amiga Leandra Giovanetti, com toda nossa consideração e carinho.
http://memoriasdabieleta.blogspot.com.br/

Rui