A VERDADE NÃO SERIA BASTANTE PLAUSÍVEL SE FOSSE FICÇÃO - Richard Bach
Mostrando postagens com marcador Froilan Gonzalez. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Froilan Gonzalez. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Spa 1953


Fróilan toma a ponta seguido de Fangio...

Não fazia muito que voltara o Fangio às pistas, depois de seu bizarro acidente em Monza no ano anterior. O Chueco estava em busca de um bom resultado, especialmente para provar a si mesmo que ainda era "um dos Gigantes".
Na Bélgica, a Maserati apareceu mais portenha do que um tango: seus pilotos eram Juan Manuel Fangio, Froilan Gonzalez e Onofre Marimon. Os Maseratis A6GCM era velozes mas 52-53 foi o período de dominação de Alberto Ascari e da Ferrari 500. "Ciccio" conseguira uma série de vitórias do GP da Bélgica/52 ao GP da Bélgica/53, onde simplesmente não tivera adversários. 
Pole, o Chueco foi surpreendido por Froilan, demonstrando a velocidade dos Maseratis, que no entanto padeciam de confiabilidade. Na volta 12, abandona o Pepe, com o pedal do acelerador quebrado e duas voltas depois é a vez de Fangio, por falha do motor. Ascari passa tranqüilo para a ponta.

O Quintuple e a Maserati A6GCM

A Maserati determina que o belga Johnny Claes (uma curiosa mistura de trompetista de jazz e piloto de corrida) ceda seu carro a Fangio para que ele possa voltar à briga. Marimon passou a defender a honra da Officine Alfieri Maserati, mantendo-se em terceiro, atrás de Mike Hawthorn e sua Ferrari 500. "Pinocchio" Marimon porém, tem que diminuir o ritmo, para não acabar como seus mentores e perde a posição para Luigi Villoresi. Entrementes, fazia o Fangio uma corrida prodigiosa, avançando do 15º lugar para a quarta posição, que um vazamento de combustível no carro de Hawthorn  transformou em terceiro lugar. A corrida alucinada do Fangio contudo, acaba em uma saída de pista na última volta, quando a Maserati se detém num barranco e joga o piloto do cockpit (sorry, nada de cinto de segurança). A batida é forte e o carro por pouco não completa o giro, caindo sobre o piloto. Mas o Maserati termina pousando sobre o eixo traseiro novamente.
Era o tipo de acidente que já cobrara a vida de muitos pilotos antes, com a palavra, Il Maestro:"Suerte. La suerte fue muy importante en mi vida. Y yo tuve mucha..."
A sinceridade (e modéstia) própria dos grandes.
Ciccio Ascari concluiu seu passeio pela região das Ardenas em primeiro, acompanhado por Gigi Viloresi e Onofre Marimon. 
Restava ao Chueco seguir amadurecendo a vitória que representaria a retomada de sua carreira...

Caranguejo


1952 o acidente em Monza 




quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Spa

 

Sessenta anos atrás na mesma Spa Juan Manuel Fangio largava na pole com sua Maserati A6GCM-53 cravando 4.32.00, exatos dois segundos à frente do segundo Alberto "Ciccio" Ascari com a Ferrari 500 com Froilan Goanzalez na outra Maserati em terceiro com o mesmo tempo de Ciccio. 
Fangio e Gonzalez partiram forte na liderança com Ciccio logo à seguir, mas a liderança durou pouco tendo Gonzalez quebrado na décima primeira volta logo após fazer a que seria a melhor volta da corrida com 4.33.00 e Fangio na decima terceira volta deixando o caminho livre para vitória de Ciccio Ascari com Gigi Villoresi em segundo com outra Ferrari e em terceiro chegando Onofre Marimon com a Maserati A6GCM-53.   

Fangio e Gonzalez disparam na ponta seguidos por Ciccio Ascari 
 Ciccio e a Ferrari 500



quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Pedralbes 1951

O primeiro titulo de Fangio
 Fangio e a Alfa Romeo 159M
Largada, pole de Ciccio Ascari e a Ferrari 375, ao seu lado em outra Ferrari 375 o #6 Froilan Gonzalez, ao lado dele Nino Farina na Alfa 159M e um pouco atrás Fangio.
Ciccio Ascari e a Ferrari 375
Felice Bonetto, 5º lugar com a Alfa 159

Antes de tudo quero deixar à todos um maravilhoso 2013, estive ausente alguns dias e quero agradecer às pessoas que mesmo sem novos posts continuaram a nos prestigiar, abraços à todos!
Barcelona 1951 no circuito de Pedralbes, Juan Manuel Fangio, após vencer sua quinta corrida na Formula Um, Mônaco, Spa e Reims em 1950, quando foi vice campeão, agora com a segunda vitória na temporada de 1951, finalmente vencia o Mundial de Pilotos da Formula Um, e assim começava sua caminhada aos cinco títulos que conquistou.

Rui Amaral Jr



Antes da grande decisão de 1951, Fangio e Ciccio Ascari fizeram uma aposta, pois a pendenga, estava claro (sem nenhum desrespeito ao grande Gonzalez), seria resolvida entre os dois.
Combinam que o vencedor, bancaria a festa onde iriam celebrar e o perdedor escolheria os convidados e o local.
Trato feito, dias depois, Fangio patrocina a festa, em um restaurante de Milão, para os quarenta convidados de Alberto Ascari. O Chueco contratou uma orquestra espanhola, que entreteu os convidados, personagens de um tempo em que esse tipo de atitude e camaradagem era corriqueira.

Caranguejo


Assistindo ao vídeo no blog Forgoten F1, lembrei de algumas fotos da corrida. 

RESULTADO

1º   #22   Juan Manuel Fangio Alfa Romeo 159M
2º    #6    Froilan Gonzalez         Ferrari 375
3º   #20    Nino Farina                 Alfa Romeo 159M
4º   #2    Alberto Ascari                 Ferrari 375
5º   #24   Felice Bonetto                 Alfa Romeo 159


CAMPEONATO 

Juan Manuel Fangio   31
Alberto Ascari      25
Froilan Gonzalez      24
Nino Farina              19
Luigi Villoresi              15
Piero Taruffi              10




sexta-feira, 5 de outubro de 2012

90 ANOS, PARABÉNS CAMPEÃO

Jose Froilan Gonzalez




Mal saído do berço, o pequeno Jose Froilan Gonzalez sempre foi inquieto, para desespero de seus pais. Um dia, lá pelos seus 4 anos, estava ele passeando no Chevrolet da família. A estrada, poeirenta e cheia de buracos, concentrava a atenção dos pais, que iam no banco dianteiro, mas não faziam que Froilan parasse de agitar, sozinho no banco traseiro. De repente, passa o Chevrolet sobre um solavanco que abre a porta traseira e lá foi o pequeno passageiro para fora do carro. O pai e a mãe, que não tinham percebido nada continuaram a viagem. Algum tempo depois, repararam o silêncio no banco de trás. 
"E Pepe?", perguntaram-se.
Perplexos, viram que o banco traseiro estava vazio.
Desesperados, pararam e já estavam descendo quando viram surgir da poeira, correndo atrás do Chevrolet, o pequeno Gonzalez, o futuro primeiro vencedor da Ferrari.

Caranguejo

Vida longa Campeão!

Rui Amaral Jr

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Silverstone, 1951 - Rei morto, Rei posto.‏



 Largada  #12 Gonzalez, #2 Fangio, #11 Ciccio Ascari
Equipe Alfa Romeo,  Consalvo Sanesi, Farina, Felice Bonetto e Fangio.
Peter Walker #7 e Reg Parnell #6, BRM P15

As imagens são poderosas, veja a primeira fila, com a campeã e a desafiante em todas as posições: Gonzalez(12), Fangio(2), Farina(1) e Ascari(11).
Mesmo assim, Bonetto, o homem do cachimbo foi quem largou na frente com uma das Alfettas. Mas durou pouco. Gonzalez e Fangio o deixaram para trás e no décimo giro o Chueco passa à frente. Todavia, na 39ª volta Pepe é de novo o líder, o que já seria um feito notável, pois o argentino contava com um chassi e motor mais velhos em relação a seus parceiros de equipe, Alberto Ascari e Luigi Villoresi, e mesmo assim cravara a pole-position.  Fangio e Gonzalez começam então uma "luta portenha" pela ponta que termina quando Fangio tem de reabastecer na volta 48. A "beberrona" Alfetta 159 precisava de 300 litros numa operação que demorava algo como 48 ou 50 segundos, como se pode ver no filme, no reabastecimento de Consalvo Sanesi, na Alfetta #3. Já os pneus, eram na base do martelo e braço forte. Por seu lado, Froilan Gonzalez só para na volta 60: reabastece com 220 litros e perde exatos 23 segundos. Tem tempo até de perguntar ao Ciccio Ascari se ele não quer retornar à prova. Com a "bênção" de Ascari, Pepe Gonzalez volta na liderança e lá se mantém, apesar dos esforços do Fangio, o único a terminar no mesmo giro do líder apesar dos 50 segundos de desvantagem. O terceiro colocado, Gigi Villoresi chegou duas voltas atrás. Para os súditos da Rainha, a grande atração foram os BRM P15, de Reg Parnell e Peter Walker, que largaram nas últimas posições mas conseguiram terminar em 5º com Parnell e 7º com Walker.

Caranguejo 




O TOURO e a Ferrari 375 em três fotos.
Gonzalez e Cicio Ascari
Peter Walker e Consalo Sanesi
Fim de corrida para Farina
Gonzales no box reabastecendo, notem a ajuda de Ciccio Ascari, à direita.

Um pouco antes do beijo!
Podium, Fangio, Gonzalez e Gigi Viloresi




sábado, 4 de agosto de 2012

Buenos Aires 16 de Janeiro de 1955


Sexta Feira o André mostra a foto de Fangio autografada e pergunta se alguém sabe alguma coisa dela. Logo em seguida o Caranguejo se manifesta contando que é o GP da Argentina de 1955. Eu lembro da foto que digitalizei e já mostrei aqui e de um texto, em um livro, do jornalista Mark Hughes.
Deu um trabalhão para copiar, escrevo com dois dedos e olhando o teclado, mas valeu à pena.
À todos aqueles que levaram a arte de pilotar ao seu limite máximo e a você Fangio, onde estiver, sempre em nossas lembranças. 
http://pordentrodosboxes.blogspot.com.br/2012/08/autografo.html

Rui

Fangio em Buenos Aires 1955



Em meados de Janeiro de 1955, a Argentina estava assolada por uma sufocante onda de calor de verão. Apesar da temperatura de 50º na pista, a multidão compareceu em massa para reverenciar seu herói, Juan Manuel Fangio. Ninguém ficou desapontado com o que assistiu. 
A Mercedes de Fangio liderava a prova mas, ciente que não deveria empenhar demais seus recursos nas 96 voltas sob intenso calor, ele passou a poupar energias e logo foi ultrapassado pela Ferrari de Froilan Gonzalez e pela Lancia D50 Alberto “Ciccio” Ascari. Ascari, na realidade, foi o primeiro a sofrer a exaustão por causa do calor, rodando na volta nº 20, quase inconsciente. Gonzalez também não suportou e logo em seguida entrou nos boxes, entregando o carro para um piloto substituto, com Fangio assumindo a liderança.
Os pilotos iam abandonando como moscas em redor dele e uma desnorteante dança de cadeiras quando alguns carros chegaram a usar até três pilotos a fim de poupá-los nestas condições adversas. No entanto Fangio se mantinha firme o tempo todo. 
“Comecei a imaginar que eu era um homem perdido na neve” declarou Fangio,“e que teria que seguir em frente senão morreria de frio. Houve um momento que achei que não conseguiria, porem quando um  certo momento critico era superado, meu animo se restabelecia e a vontade de vencer retornava”
Embora perdesse a liderança quando foi forçado a fazer uma parada antecipada para reabastecimento por causa de um erro da equipe, ele alcançou e passou à frente de todos os outros com a consistência de um metrônomo. O chefe da equipe Alfred Neubauer, sinalizou para que ele entregasse o carro ao colega de equipe Moss que, depois de abandonar seu próprio carro, havia tomado um banho de chuveiro e agora estava recuperado. Fangio no entanto, fingiu não entender e continuou pilotando até uma assombrosa vitória obtida pela sua determinação férrea. Ele teve que ser retirado do carro para receber atendimento medico imediato, mas havia realizado o impossível.


Texto:Mark Hughes      


quinta-feira, 8 de julho de 2010

Silverstone 1951 Froilan Gonzalez vence a primeira corrida da Ferrari na Formula Um

Escrevi e postei a história da primeira vitória da Ferrari na Formula Um com o grande Froilan Gonzalez em 19 de Maio de 2009 com a ajuda de meu amigo Carlos de Paula, hoje com a chegada da F I a Silverstone resolvi mostrar novamente o post. Hoje não acredito que a Ferrari tenha condições de repetir essa vitória, sendo que para mim os grandes favoritos são Vettel, Hamilton, Button e Webber. Vindo a seguir Force India, Renault - Kubica - e Ferrari.  


Froilan recebendo a bandeirada da vitória.

Froilan ultrapassando Farina- Alfa Romeo- campeão da F1 no ano anterior .


A "vontade" com que o Touro dos Pampas pilotava .

Conhecemos por suas inúmeras vitórias na F1 , mas a 1ª vitória na categoria veio só no segundo ano de participação. Enzo Ferrari foi um piloto de relativo sucesso chegando a vencer várias corridas inclusive dois GP de Módena em 1927 e 28 pilotando para Alfa Romeo. Logo depois montaria sua Scuderia Ferrari e com ela representar a marca Alfa Romeo nas pistas, e como representou !! Por sua equipe passaram os maiores nomes do automobilismo da época, Antonio Ascari, Gigi Villoresi, Achille Varzi, Rudolf Caraciola, Luigi Fagioli, Giuseppe Campari, Compagnoni, Pintacuda e o grande Tazio Nuvolari. Esta equipe ganhou de tudo representando a Alfa e mesmo depois da saída de Enzo continuou ganhando, sendo a Alfa Romeo talvez a maior vencedora de corridas de todos os tempos, superando inclusive a Porsche a conferir. No começo da década de 1940 Enzo se desliga da Alfa Romeo, existia entre ele e o engenheiro chefe Wifredo Ricart um antagonismo latente, dois temperamentos difíceis, dois gênios do automobilismo. Tendo Ricart anos depois ao fim da segunda guerra, feito na Espanha um dos mais espetaculares carros esportes da época o Pegaso , dá para ver que a richa continuou. Quando saiu da Alfa, por força de contrato Enzo não podia usar o nome Ferrari, então sua equipe chamava-se Auto Avia Construzione e apesar de competir com o antigo patrão e vencer às vezes, ainda não tinha todo esquema da antiga equipe. Ai veio o novo campeonato de viaturas GP, a F1, e a Alfa Romeo com seus carros já amplamente testados em corridas venceu os dois primeiros campeonatos, em 1950 com o grande piloto de outrora Giuseppe Farina e em 1951 com aquele que por anos viria ser o ícone da categoria, o nome a seguir Juan Manuel Fangio. No dia 14 de Julho de 1951 no GP da Inglaterra viria acontecer a vitória que mudaria o rumo da F1, na pista de Silverstone, pista de altíssima velocidade, onde os grandes pilotos se destacam, tanto que esta pista até hoje é conhecida como Dasilvastone, por conta de um certo brasileiro chamado Ayrton que por lá barbarizou na FF e F3. Neste 14 de Julho tinha um touro no caminho. A Alfa com "apenas" seu time completo, Giuseppe Farina, Juan Manuel Fangio - a caminho de seu primeiro título - Bonetto e Sanesi e a Ferrari "somente" com Alberto Ascari, Gigi Viloresi, e o " Touro dos Pampas " Froilan Gonzáles. A Alfa com seu motor beberrão de 8 cilindros 1.500cc comprimido e a Ferrari com seu V12 de 4.494cc aspirado, por esta época este motor tinha uns 375cv contra os mais de 420cv das Alfas, mais era bem menos beberrão, tinha sido projetado por Aurelio Lampredi que substituíra Gioachino Colombo como projetista da casa de Marannelo. O primeiro piloto da Ferrari era o grande Alberto Ascari, filho de Antonio, morto em um acidente quando liderava o GP da França em 1925. Mas quem fez a pole nesta corrida foi o Touro, a seguir a ordem de largada.
Pole F. Gonzales 1.43,4 - Ferrari
2º J. M. Fangio 1.44,4 - Alfa Romeo
3º G. Farina 1.45 - Alfa Romeo
4º A. Ascari 1.45,4 - Ferrari
5ºL. Villloresi 1.45,8 - Ferrari
6º C. Sanesi 1.50,2 - Alfa Romeo
7º F. Bonetto 1.52 - Alfa Romeo
Grid composto de 20 carros.
Como se vê era o dia dele, colocar 1s em cima de Fangio a caminho de seu primeiro titulo, e ainda por cima seu concorrente desde os tempos da Argentina, e 2s no rapidíssimo Alberto Ascari talvez o piloto mais rápido de sua época.
Na corrida Bonetto largando da segunda fila com Alfa tomou a liderança, para antes do fim da 1ª volta ser devorado por Froilan e Fangio que seguiram lutando pela ponta com o Touro em 1º, pela décima volta Fangio assume a ponta, mas a luta continua renhida, pela metade da prova, Froilan toma de novo a ponta, e quando Fangio entra nos boxes, volta 45, para reabastecer a gastona Alfa, seu adversário abre 1m30s de vantagem. Quase ao final a Ferrari do Touro tem que fazer uma rápida parada para reabastecer, mas nem com isto perde a ponta, e vence corrida batendo Fangio por 51s e os dois chegando a simplesmente duas voltas na frente de Gigi Villoresi o 3º e quatro à frente de Bonetto o 4º.
Nos relatos que leio desta corrida, desde minha adolescência, todos dizem que a luta entre os dois Argentinos foi espetacular, os dois andando no limite desde a 1ª volta até o final, dizem feroz. Froilan Gonzáles foi o nome do dia, ainda por cima deu à Ferrari sua primeira vitória na F1, só que ainda não era a vez da Ferrari ser campeã do mundo, depois de Silverstone Fangio partiu firme para conquistar seu 1º titulo. Froilan ganhou mais uma corrida do mundial de pilotos, também em Silverstone, em 1954, e competiu ainda algum tempo na F1 e depois voltou para Argentina. Em 1971 ou 72 eu estava nos boxes em Interlagos, e alguém me disse de um senhor sentado em outro box é o Froilan, eu com vergonha não lhe pedi um autógrafo, seria uma relíquia, do "Touro dos pampas" o homem que naquele 14 de Julho deu a 1ª vitória à Ferrari e bateu ferozmente os melhores pilotos da época.


NT. Ele preparou muitos Opalas para alguns pilotos no Brasil, inclusive do pernambucano Antonio da Fonte, e correu na Copa Sul-americana de 1960 em Interlagos e ganhou uma corrida em Interlagos em 1958. Curioso que participou do ultimo GP da Argentina da fase romântica, em 1960.


Agradeço meu amigo Carlos de Paula .

Leia mais: