A VERDADE NÃO SERIA BASTANTE PLAUSÍVEL SE FOSSE FICÇÃO - Richard Bach
Mostrando postagens com marcador Ferrari 250 GTO. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Ferrari 250 GTO. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Museu Ferrari

A 250 Drogo ao lado de outra maravilha a 250 LM.


Pois bem, vamos lá! 
1961 a Ferrari lança a 250 GT, um carro maravilhoso, no ano seguinte para homologar esse carro para categoria GT da FIA don Enzo faz uma edição de 25 carros com características especiais para disputar o Campeonato do Mundo da categoria, era a mítica Ferrari 250 GTO - “O” de Omologatta. Dizem algumas más línguas que com um certo aperto financeiro apenas algumas dessas belas máquinas foram realmente feita à época.


 Le Mans 1962 a Drogo da Scuderia Serenissima de Carlo Maria Abate e Maurice Trintgnant. 


O conde Volpi que tinha uma 250 GT muito rápida encomenda uma para disputar o campeonato iria entregar o carro à equipe comandada por Carlo Chitti ex Ferrari, e Piero Bizzarrini, Enzo demora à entregar, provavelmente temendo a concorrência da equipe de seu ex companheiro. 
Cancelada a encomenda Chitti e Bizzarrini entregaram uma 250 GT para que a Piero Drogo Carrozzeria Sports Cars de Modena a transformasse em um carro de ainda mais competitivo. Piero Drogo aproveitou algumas teorias aerodinâmicas do engenheiro Dr Kamm para o carro, que embora o tenham enfeiado um pouco trouxeram resultados. Fora isto trouxe o motor V12 de 3.000cc um pouco mais para trás, reduziu o peso do carro em aproximadamente 100kg e algumas outras melhorias em freios e motor.
Bem mais velozes e rápidas que os carros de fabrica don Enzo logo conseguiu que ela não fossem incluídas na homologação e por este motivo correram na categoria Protótipos, não fazendo concorrência ao carros de fabrica ou de clientes, e tendo que enfrentar carros mais potentes.
Em Le Mans as Ferrari Drogo eram aproximadamente 7 km/h mais velozes em Mulsanne que as GTO carros de fábrica! 
Ao receber hoje a NL da Ferrari vejo que uma delas está no museu da fabrica, provavelmente uma comprada na época por Gianni Agnelli, e vejo como o tempo pode apagar magoas e desavenças!

Rui Amaral Jr


domingo, 19 de agosto de 2012

FERRARI 250 GTO


Só alguém como eu, que tem o privilégio de um fotografo exclusivíssimo como o Milton, pode se dar ao luxo de mostrar a maravilhosa 250 GTO. Vejam que antes de fotografar ele a reverencia, essa que para mim e tantos é a macchina símbolo da casa de Maranello. 
Tenho vários posts sobre ela, no link abaixo um em que descreve suas características técnicas, e já teve mais de 2.500 leitores.
Obrigado Milton e um forte abraço, e ofereço o post a você e a nossos amigos Romeu e Chico.     





quarta-feira, 18 de julho de 2012

Ferrari 250 GTO





A Ferrari da foto é uma 250 GT transformada pela Drago em GTO. #18 Camillo Christófaro sendo perseguido por Jaime Silva #26 e Ciro Cayres #44 Simca-Abarth. 
Targa Florio 1963


Para o Romeu



quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Stirling Moss e Denis Jenkinson vencem a Mille Miglia de 1955 - II

Mercedes 300SLR , Stirling Moss e Denis Jenkinson .

Mille Miglia talvez junto com a Targa Flório a corrida que mais incendiou meu imáginario , saia de Brescia descendo até Roma dai voltando a Brescia , eram 1.600 KM de pura velocidade pelas estradas Italianas . Fellini em seu clássico Amarcord mostrou todo encanto e magia desta corrida ao passar se não me engano por Rimini . Na edição de 1955 a corrida que era disputada desde 1927 , foi marcada pela grande vitória de um jovem piloto , Stirling Moss levando como co-piloto o jornalista Ingles Danis Jankinson , a bordo de sua Mercedes Bens 300 SLR .

Moss e Jenkins , o rosto negro , o braço erguido , a Vitória .

Pela primeira vez em uma corrida um co-piloto usou um dispositivo em que marcava em um rolo de papel de seis metros , todas caracteristicas do circuito , curvas rápidas , lentas , retas longas , curtas , freadas fortes etc . Era uma caixa de metal impermeável , com o rolo de papel que trazia as anotações , girando-o Jenkins ia lendo as anotações feitas previamente . Hoje usa-se um GPS , e intercomunicador , na 300 SLR Jenkins ia fazendo sinais manuais a Moss. Imagino como foi estar ao lado do rapidíssimo Moss por 10h 7min 48s , tempo que eles levaram para vencer as Mil Milhas . Algumas vezes Jenkins passou mal , tendo Moss dito a ele para colocar os bofes para fora em plena corrida . Era só virar a cabeça para o lado .

Juan Manuel Fangio com uma 300SLR monoposto , terminou a corrida em segundo lugar , com uma série de problemas . Abaixo o apertadissimo cockpit de seu carro .


Uma Maserati à frente da Ferrari de Piero Taruffi .

O Triumph de Brooke .

O povo se aglomerava a beira das estradas Italianas para ver seus idolos .

Uma Issetta , completou a corrida em mais de vinte horas o dobro do vencedor .


Mais de setecentos carros largaram em varias categorias , tendo os últimos a chegar completado o percurso em um tempo maior que o dobro dos primeiros colocados .




Postado em 24 de Agosto de 2009. 

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

A RAINHA DAS FERRARIS

Escrevi sobre esse magnifico carro no ano passado e no post anterior mostrando a Ferrari que o  Camilo correu Rio descobrimos que não era uma verdadeira GTO. Então fui até o site oficial da Ferrari buscar as informações sobre ela e as transcrevo aqui. Deu um trabalhão para traduzir mas acho que é uma justa homenagem a essa que é considerada a Rainha das Ferraris.  


É o carro que melhor resume a filosofia da Ferrari nos níveis mais elevados de desempenho e estética. Criado pela equipe liderada por Giotto Bizzarrini , deve a sua forma  aos estudos realizados no túnel de vento . Nascido com carisma, o 250 GTO foi o ponto mais alto de desenvolvimento alcançado pelo GT 250 modelo de competição , mantendo-se um carro que também pode ser utilizado em estradas. Ele fez sua primeira aparição pública na habitual conferência de imprensa que antecedeu o início da temporada , em Janeiro de 1962 e foi o único modelo com este motor dianteiro: todos outros carros esportivos, tinha o motor em posição central . O carro em exibição não tinha o spoiler na traseira, que foi adicionado antes da estréia na competição , em Março no circuito de Sebring EUA . Nas 12 horas que inaugurou sua carreira , o GTO foi conduzido pela dupla Phil Hill - Oliver Gendebien e terminou a corrida em segundo lugar, atrás da Testa Rossa 250 , ganhando facilmente a classe GT, um desempenho notável para um modelo lançado a pouco tempo, que serviu como base para tudo o que foi conquistado nos três anos próximos anos. 
Construída sobre o chassi de distância entre eixos de 2400mm, como os anteriores 250 GT SWB Berlinetta , construído seguindo as mesmas diretrizes , os tubos utilizados foram menores , e havia tubos cruzados  adicionais para aumentar rigidez torcional. Como a 250 GT SWB Berlinetta , quatro freios a disco foram instalados, o freio de estacionamento operada por um cabo sob as rodas traseiras e foi disponíveis para a condução à esquerda ou à direita. 
O início do desenvolvimento do novo modelo foi mantido em segredo , e Giotto Bizzarrini foi encarregado de construir um carro capaz de bater o Jaguar "E" Type. Em diversas entrevistas ao longo dos anos , Giotto , disse ter recebido como uma base para trabalhar para o novo projeto um chassi 250 GT  . No entanto, os registros oficiais da companhia dizem que a ele foi dado um chassis 250 GT SWB , n º 1791 GT sobre a qual construiu o novo carro . Em sua primeira aparição no circuito de Monza, em setembro de 1961, antes do Grande Prêmio da Itália , o carro ganhou o apelido de "monstro" por causa de suas formas. O carro era conduzido por Stirling Moss e fez um tremendo tempo : o desempenho que o 250 GT SWB "nunca tinha conseguido”. Mais tarde nesse ano , a Ferrari numa "revolução palaciana" famosa dispensou Bizarrice e a construção final do carro foi entregue a Sergio Scaglietti , que nos deu a forma final do GTO.
O motor era essencialmente uma versão especial do Testa Rossa 250 V 12 de três litros , DOHC único comando por bloco de cilindros , projetado por Gioacchino Colombo , com diâmetro e curso de 73mm x 58,8 milímetros , lubrificação por cárter seco e o número de referência interno 168 Comp/62 . As velas estavam localizados fora do bloco do motor em "V" , a alimentação de combustível  por uma bateria de seis carburadores Weber 38 DCN corpo duplo ,a bobina de ignição e distribuidor estavam na parte de trás de cada bancada do cabeçote . A potência era de aproximadamente 300 hp. O motor foi acoplado a uma caixa de cinco velocidades sincronizadas com uma nova torre para a seleção de marchas , localizada no cockpit , similar aos usados em corridas dos modelos a partir de meados dos anos cinquenta . Como convém a um carro projetado para corridas o diferencial estava no eixo traseiro, e dispunha de varias relações como convém a um carro de corridas.
O formato da carroceria de alumínio projetado e construído por Scaglietti mudou muito pouco durante o período de produção, que foi de 1962 a 1964, exceto por uma carroçaria original com as linhas do 330 LM Berlinetta e os três últimos carros da série: esses máquinas estavam vestidos com um corpo desenhado por Pininfarina e construído por Scaglietti sempre. Esteticamente, os modelos eram muito semelhantes ao 250 LM esporte de motor central. 
 Nos carros da primeira série , houve pequenas entradas de ar para o radiador elíptico , juntamente com as luzes de neblina retangulares. No início , as entradas de ar para resfriar os  freios estavam localizadas debaixo do nariz , e mais tarde tornou-se vertical, e mudou-se para perto dos faróis de neblina, que estavam sob os faróis cobertos com acrílicos. O spoiler da cauda foi aparafusado no painel traseiro , havia saídas para o ar no painel . Em pouco tempo, as entradas de ar para resfriamento do freio ficaram circulares, e as luzes de estacionamento  em um semi recesso nas laterais dos pára-lamas dianteiros. Logo após a realização de todas essas pequenas mudanças , a cauda spoiler foi rebitada e tornou-se parte integrante do corpo.
Todas as unidades produzidas , além dos carros fabricados em 1964, estavam equipados com três painéis pequena abertura que tinham a forma de um "D" e estavam na frente do capô do motor : usado para melhorar o fluxo de ar para o radiador . O padrão se repetiu no nariz, onde havia três entradas de ar semelhantes com a mesma função. Mesmo os carros fabricados em 1964 diferem em muitos detalhes , mas, nesses casos, as diferenças relacionadas com a forma do teto e capô. O primeiro pode ser mais longo , mais curto spoiler com spoiler integrado com nenhum ou mais curtos, enquanto o segundo poderia ter a entrada de ar clássico ou protuberância  na área central que se estendia em direção à extremidade dianteira. Um número de carros foi objeto de alterações durante o tempo que correu: em especial, foi adicionado o  terceiro orifício no pára-choque dianteiro e, ocasionalmente, outras faixas foram abertas na capô para facilitar a dissipação de temperaturas elevadas. Além dos principais detalhes já mencionados , entre outros, havia muitas diferenças individuais : por exemplo, alguns carros tiveram as luzes traseiras  montadas sobre os suportes , enquanto outras foram fixadas diretamente no painel. 
O 250 GTO Berlinetta continuou a série de sucessos em competições, começou com os modelos  ", longa distância entre eixos "e" distância entre eixos curta " , e quando o campeonato de construtores foi transferido para a categoria GT em 1962, o GTO deu à Ferrari muitos louros pelo mundo , Venceu entre 1962 e 1964. Era um carro que dominou a sua classe, com grande autoridade, e só no último ano de corridas tivemos algumas dificuldades contra o AC Cobra , também equipado com um motor V8 , com uma capacidade cúbica bem maior.
Os muitos sucessos internacionais da 250 GTO: Vitórias no Tour de France 1963 e 1964 , conquistando o primeiro lugar na categoria "GT" do Targa Florio 1962-1963 - 1964, Tourist Trophy em Goodwood, 1962 e 1963, vitória na GT em Le Mans em 1962 - 1963 e 1000 km de Nurburgring em 1963 e 1964.
O 250 GTO foi a maior expressão da Ferrari 250 GT, sentia-se igualmente à vontade na pista ou estrada, e foi talvez o último carro produzido em pequenas séries, a vangloriar-se deste recurso. Aos fãs da Ferrari , o GTO chegou a um status lendário. Um número relativamente pequeno de trinta e seis carros, foram construídos, muitos com muitas vitórias, tornando-se um ícone da produção da Ferrari , e sua fama o colocou em uma posição de destaque entre o círculo de colecionadores.

MOTOR 
Dianteiro, 12V 60 ° 
Diâmetro e curso 73 x 58,8 milímetros 
Cilindrada unitária  246,10 cm3 
Cilindrada total  2953,21 cm3 
Taxa de compressão  9,8 : 1 
Potência máxima 300 HP à 7400 rpm 
Potência específica,102 HP/L 

SOHC, comando único em cada cabeçote , 2 válvulas por cilindro 
Alimentação  6 carburadores Weber 38 DCN 
Ignição   2 distribuidores 
Lubrificação cárter seco 
Embreagem  disco único

Chassi  em aço, tubular  
Suspensão dianteira,triângulos independentes, molas helicoidais com amortecedores telescópicos coaxial, barra estabilizadora 
Suspensão traseira,eixo rígido , dois suportes laterais , molas com longitudinais com amortecedores telescópicos  

Freios a disco 

Cambio  5 velocidades + ré 

Os reservatórios de combustível capacidade para 130 l 

Pneus dianteiros  6,00 x 15 
Pneus traseiros  7,00 x 15

Carroceria

Sedan , 2 lugares 
Comprimento 
4325 milímetros 
Largura 
1600 milímetros 
Altura 
1210 milímetros 

Bitola dianteira 1354 milímetros 
Bitola traseira 1350 milímetros 
Peso  880 kg a seco 

Velocidade máxima 280 kmh 

NT:Alem da tradução está muito difícil fazer as postagens pois nada fica em seus devidos lugares por esse motivo peço desculpas antecipadas por alguma falha. 


terça-feira, 28 de setembro de 2010

GP IV Centenário do Rio - Barra da Tijuca - 1965 - II

Camilo Cristófaro e a Ferrari 250 GT , seria uma GTO ? seguem Jaime Silva e Ciro Cayres ambos em Simca-Abarth .



Luiz , Zambelo e Piero Gancia na bela Alfa Zagato .



Bird Clemente de Berlineta numa bela entortada , outra Berlineta nº 35 é de Carlos Erymá, a frente Zambelo de Alfa Giulia e lá na frente a Ferrari .


Piero Gancia empurra a Alfa Zagato , até empurrando o carro ele era elegante .


Rodada de Lolli com o Simca Tempestade , Luizinho de Berlineta deve ter levado um susto .



Na rodada do Tempestade de Lolli , nota-se o publico apavorado .


 
Foi uma luta desigual , Camilo estava com a Ferrari 250 GT ,me pergunto seria uma 250 GT ou uma 250 GTO , O de Omologato , cujo motor era um Testa Rossa . E os outros pilotos com carros que disputavam as provas do Campeonato Brasileiro , não deu outra , Camilo abriu três voltas do segundo colocado Marinho com um DKW Malzoni , tal era a disparidade dos carros . Guardo estas fotos desde meus doze anos , era fã incondicional de Camilo e acredito que continuo sendo até hoje , para mim ele foi o A.J. Foyt brasileiro , piloto que reunia uma enorme legião de fãs que iam as pistas onde ele corria para torcer por ele . Conheci mais tarde o Camilo , e no começo de minha carreira até entrei na pista junto se não me engano numa Copa Brasil , em que eu corri de D 3 até 1.600 cc e ele a Copa com sua carretera , continuei a admira-lo , sem a veneração da juventude , agora vendo e sabendo de perto tudo que ele era , um bom mecânico , um sujeito de garra e um piloto esforçado , que com as próprias mãos construiu sua carreira .
Hoje passados quase quarenta anos acho que voltei a vê-lo como na minha juventude , um ídolo.


NT:Estas fotos são de um álbum que guardo desde os 13 anos, não lembro a origem delas.
 Escrevi este post em 15 de Junho de 2009, mais do que nunca os nomes que aí estão são meus ídolos, muitos conheci pessoalmente e tive ou tenho amizade, todos grandes pilotos e grandes homens. Camilo, Luizinho, Ciro, Jayme, Tôco, Piero, Emilio, Bird, Lolli e outros a minha homenagem. 

sexta-feira, 30 de abril de 2010

FERRARI 250 GTO

Esta Ferrari 250 GTO está á venda no Ebay, uma pequena homenagem a quem gosta da marca e principalmente do carro.


http://cgi.ebay.com/ebaymotors/250-GTO-Rebody-Allegretti-BEAUTIFUL-/160427052516?cmd=ViewItem&pt=US_Cars_Trucks&hash=item255a328de4

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Stirling Moss e Denis Jenkinson vencem a Mille Miglia de 1955

Mercedes 300SLR , Stirling Moss e Denis Jenkinson .
Mille Miglia talvez junto com a Targa Flório a corrida que mais incendiou meu imáginario , saia de Brescia descendo até Roma dai voltando a Brescia , eram 1.600 KM de pura velocidade pelas estradas Italianas . Fellini em seu clássico Amarcord mostrou todo encanto e magia desta corrida ao passar se não me engano por Rimini . Na edição de 1955 a corrida que era disputada desde 1927 , foi marcada pela grande vitória de um jovem piloto , Stirling Moss levando como co-piloto o jornalista Ingles Danis Jankinson , a bordo de sua Mercedes Bens 300 SLR .

Moss e Jenkins , o rosto negro , o braço erguido , a Vitória .

Pela primeira vez em uma corrida um co-piloto usou um dispositivo em que marcava em um rolo de papel de seis metros , todas caracteristicas do circuito , curvas rápidas , lentas , retas longas , curtas , freadas fortes etc . Era uma caixa de metal impermeável , com o rolo de papel que trazia as anotações , girando-o Jenkins ia lendo as anotações feitas previamente . Hoje usa-se um GPS , e intercomunicador , na 300 SLR Jenkins ia fazendo sinais manuais a Moss. Imagino como foi estar ao lado do rapidíssimo Moss por 10h 7min 48s , tempo que eles levaram para vencer as Mil Milhas . Algumas vezes Jenkins passou mal , tendo Moss dito a ele para colocar os bofes para fora em plena corrida . Era só virar a cabeça para o lado .

Juan Manuel Fangio com uma 300SLR monoposto , terminou a corrida em segundo lugar , com uma série de problemas . Abaixo o apertadissimo cockpit de seu carro .




Uma Maserati à frente da Ferrari de Piero Taruffi .

O Triumph de Brooke .

O povo se aglomerava a beira das estradas Italianas para ver seus idolos .

Uma Issetta , completou a corrida em mais de vinte horas o dobro do vencedor .
Mais de setecentos carros largaram em varias categorias , tendo os últimos a chegar completado o percurso em um tempo maior que o dobro dos primeiros colocados .