A VERDADE NÃO SERIA BASTANTE PLAUSÍVEL SE FOSSE FICÇÃO - Richard Bach
Mostrando postagens com marcador Eduardo Celidonio. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Eduardo Celidonio. Mostrar todas as postagens

sábado, 30 de agosto de 2014

40 anos Rui!



Pela manhã o Biju liga...seria apenas para comentar o menu que hoje a patroa prepara para ele, sacanagem dele pois 400 km longe fico apenas com água na boca, minha vingança é que ele vai engordar!
Daí vejo a foto de seu arquivo que ele postou no Face e comentamos, a certa hora digo "puxa 30 anos se passaram!" e ele pensativo fazendo os cálculos, acredito que pegou até uma calculadora" diz "30 não 40 anos Rui!".
Na foto de óculos o Gal Elói de Menezes presidente da CBA (pois é, tivemos dirigentes competentes!) à sua esquerda Milton Amaral e à sua direita Ricardo Mansur, Nelson Piquet, Eduardo Celidonio, Claudio Dúdus, Benjamim "Biju" Rangel e...Cardoso!
Quem seria o Cardoso? Um dia talvez eu conte algumas histórias deste personagem incrível, algumas ouvidas dele outras por amigos, que muito ajudou inúmeros pilotos com suas peripécias e não sei por que ficou conhecido por senhor Shadow! rs Um dia conto alguma coisa...

Um baita abração Biju, Ricardo e à todos meus amigos,

Rui Amaral Jr 


----------------------------------------------------------------------------------------------------

Chico Lameirão, Marcos Troncon, Ricardo Mansur, Claudio Dúdus e Eduardo Celidonio...


"Olá, Rui! O Bijú apronta mesmo! Rsrsrsrs! Quanto ao piloto entre o Celidônio e o Benjamin, é o Claudio Dúdus, gente finíssima que infelizmente mudou de categoria, senão certamente estaria nos azucrinando! Ele até me deu uma foto onde estávamos na entrada do "S" em Interlagos com uma dedicatória: Acho que era "À equipe Sabrinhal"! Isso por estarmos sempre juntos em Goiânia e Brasilia trocando preciosas informações com seu preparador Juan Samos Jimenez, O Gato! Sabrinhal era a mistura de SABRICO + PINHAL! Cheguei até a usar um Weber 40 de seu carro na 3ª bateria em Brasilia, chegando em 2º lugar! Um amigão! Em Interlagos no meu 3º lugar, quando chegou minha vez de beber o champagne, ele e o Celidônio "secaram" a garrafa... Eles podiam! Abs à todos!

Ricardo Mallio Mansur"



quinta-feira, 29 de novembro de 2012

CAMPEÃO

Celidonio recebe a bandeirada e Camilo vibra!

Camilo e seu tio Chico Landi
Escrevi o texto "Amarelo 18" e postei logo que comecei o Historias, três anos atrás, depois mostrei mais uma vez. Hoje no Facebbok um amigo escreveu algo sobre o Camilo e mostrei à ele.  
Algum tempo depois de postar, tive a oportunidade de comentar o post com dois amigos, ambos envolvidos diretamente nesta historia, o Jan -Jan Balder- e Mestre Crispim, um querido amigo.
Confesso a vocês, que anos mais tarde, já conhecendo o Camilão, me desiludi um pouco com sua tocada, para algum tempo depois voltar a admirar sua garra e força de vontade para fazer o que gostava e sabia muito bem!
Hoje guardo no coração algumas vezes que estive com ele e alguns de nossos papos, não foram muitos, mas muito mais do que isto, hoje sei que naquele dia estava certo, Glória Eterna a você Camilo, nosso campeão!    

 Duas fotos de meu amigo Mike Mercede, no alto Celidonio volta à corrida depois de abastecer, ele já vinha tocando e Camilo não quis substitui-lo. A outra acredito que na Ferradura.


AMARELO 18

“O ano era 1966, eu então com 13 anos, já vinha perturbando minha mãe,"quero ir assistir as Mil Milhas o Camilo vai ganhar", ela não me deixou ir assistir a largada que era a meia noite, assim que amanheceu pedi para alguém me levar até Interlagos, que na época era no fim do mundo, não lembro quem me levou. Do lado de fora do autódromo, já entrando, o amigo que tinha ido comigo e eu falávamos ao ouvir o ronco dos motores, “é o Camilo“. Devia ser umas 9h, e para nossa decepção não era ele quem liderava. Suprema ousadia, a prova era liderada pelo Pace com KG-Porsche seguido se não me engano pela dupla Jan Balder/Emerson Fittipaldi com Malzoni, para nós na época, simples figurantes no palco montado para vitória de nosso campeão. Não sabíamos nós de todas as glórias que estes três rapazes nos trariam no futuro, já estávamos vendo uma página da história. De repente a liderança passou ao Emersos/Jan, e lá vinha o Camilo, com aquele ronco ensurdecedor do V8, e nós torcendo. Acho que eles nem sentiram o gosto da liderança, um problema no motor os fez parar logo depois, e para nossa alegria lá vinha o Amarelo 18 na liderança. Se não me falha a memória, depois foi só entregar o carro ao Celidonio e comemorar a bandeirada de vitória.
Posso estar muito enganado, mas no troféu das Mil Milhas está escrito "Gloria eterna aos vencedores das Mil Milhas" deve ter sido o Barão, Wilson Fittipaldi que idealizou e realizou as Mil Milhas quem a escreveu.
Neste dia a gloria, para nossa felicidade, foi da dupla Camilo/Celidonio. Voltamos para casa felizes, tivemos que descer até o Largo do Socorro para pegar um táxi, uma baita caminhada, só falávamos da vitória do Amarelo 18 do grande Camilo Cristófaro.”


Rui Amaral Jr

NT: As Mil Milhas Brasileiras foram idealizadas e realizadas por Wilson Fittipaldo e Eloy Gogliano. 



quarta-feira, 14 de março de 2012

Formula Super Vê e VW 1.300

Continuando a mostrar as fotos que recebi de Edgar Rocha...agora a Super VÊ e a Vezinha, categorias que vieram mais de uma década após as fotos mostradas anteriormente.
Aos meus amigos, Julio Caio, Guaraná, Chico Lameirão, Jan, Ricardo...
Também à ; Fabiani, Cezar, Juanh, Mauricio, Corradi e todos outros amigos.
Dedico este post ao Caranguejo, fã ardoroso da categoria, e defensor de uma categoria de Formula no Brasil, que possa novamente mostrar algum talento nato para o mundo.
Postei as fotos com a ajuda  inigualável do Caranguejo! 
E com muito carinho para Veridiana de Azevedo Marques, filha do Julio.


Rui

Julio Caio, Nelson Piquet e Eduardo Celidonio.
  
 2º Chico Lameirão, 1º Marcos Troncon e 3º encoberto Ricardo Mallio Mansur




 Nelson Piquet

 Ingo vitória em Brasília-74 - Primeira prova da Super Vê.
Alfredo Garaná Menezes.

INTERLAGOS Formula Super Vê


 Dois grandes caras, Emerson, já bi campeão do mundo e seu amigo e companheiro Jan Balder.






PEDRO MUFFATO, TRONCON, GUARANÁ. POR FORA, PRADO-INTERLAGOS 77
CHICO FEOLI-INTERLAGOS 77

MOURA BRITO E ATRÁS,AMADEO CAMPOS, entrada do S , Interlagos.

Super Vê, outras pistas.



MOURA BRITO E CHATEAUBRIAND -RIO 1977

RONALDO C.ELY, CHICO FEOLI, AMADEO CAMPOS, TOTÓ PORTO E TITE CATAPANI-GOIÂNIA 77
ZÉ PEDRO E TRONCON,CHEGANDO EM TARUMÃ-77-FVW1600
JACAREPAGUÁ-77-EM PRIMEIRO PLANO, LUIS MOURA BRITO.
CHULAN -EM TARUMÃ 77
CHULAN EM TARUMÃ 77, PERSEGUIDO PELO PRADO.
PRADO, EM PRIMEIRO PLANO-1978
MOURA BRITO E CHATEAUBRIAND EM JACAREPAGUÁ 77


EM TARUMÃ,AMADEO PUXA ELY E MUFFATO 1977

FORMULAVê 


JOSÉ LUIS BASTOS E LUIS ROSENFELD -FVW1300 -GOIÂNIA 77
O carro de José Luis Bastos é um Cianciaruso, a carenagem imitando uma Ferrari 312T, é obra de meu amigo Claudinho Carignato.
ERNEST PERENYI -FVW1300 -INTERLAGOS 77
LUIS ROSENFELD -FVW1300 INTERLAGOS 77
GOIÂNIA FVW1300- PERENYI E AO LADO JOSÉ LUIS BASTOS. (1977)
ELCIO PELLEGRINI -FVW1300 -INTERLAGOS 77