A VERDADE NÃO SERIA BASTANTE PLAUSÍVEL SE FOSSE FICÇÃO - Richard Bach
Mostrando postagens com marcador Celso Lara Barberis. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Celso Lara Barberis. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 11 de abril de 2016

Paulão, Miltão, Bird, Celso, Camilo...

...hoje pela manhã me deparo em meu perfil do Face com o recorte de jornal mostrando a corrida de Piracicaba enviado por meu amigo Paulo Delavigne, logo lembrei da foto que o Bird Clemente me enviou do Celso pilotando o Porsche 550 RS, ainda na reportagem o Camilo Christófaro pilota um carro patrocinado pela Bongotti empresa de radiadores do pai e irmãos de meu amigo Milton Bonani.
Então é assim que vamos escrevendo as historias que mostramos aqui, contando com os amigos e resgatando um pouco de nosso automobilismo de todos os tempos!
Ao Paulão, Miltão e Bird meu forte abraço e o obrigado pela amizade e carinho.
Ao Celso, Camilão e todos pilotos citados no jornal, heróis de minha juventude, alguns que tive a  imensa honra de conhecer, outros que tenho o privilegio da amizade!




Rui Amaral Jr

     
 Celso e o 550 RS em Piracicaba.
Paulão
Miltão
A Lenda... 
Camilo vê seu companheiro  Eduardo Celidonio receber a bandeirada da vitória nas Mil Milhas Brasileiras de 1966. 



segunda-feira, 9 de junho de 2014

Porsche 550-1500 RS Spyder “Carrera Panamericana”


Volto ao assunto do Porsche 550 RS Spyder depois de alguns papos com amigos mais velhos que o conheceram de perto e parte de sua história. Volto sem empáfia ou soberba pois queiram ou não sou uma modestíssima parte desta história e afinal os “dotes” acima não fazem parte de meu ser já que desde que me propus a escrever tomo cada um de vocês como amigos e escrevo apenas para dividir o pouco que sei.
Hans Stuck Von Villiez foi um piloto famoso que pilotou para grandes marcas na Europa e por volta de 1954/55 aportou em terras brasileiras onde já havia corrido e obviamente como uma locomotiva da sociedade havia deixado amigos.  
Stuck trouxe ao Brasil em sua longa estada alguns grandes carros e entre eles um Porsche 550 que utilizou na Alemanha em provas de subida da montanha(adiante dou uma dica deste fato).
Não tenho a mínima idéia do que fez com o Porsche aqui, sei apenas que por volta de 1956/57 este carro aparece nas mãos de grandes pilotos brasileiros alguns como Chico Landi adversário dele na Europa e aqui.

Largada em Interlagos o própio Hans von Stuck com o que trouxe ao Brasil...
 derrepente aparece o 550RS Spyder para derrotar nas mãos de Christian alguns bichos papões de nossas pistas!
"Prova Prefeito Ademar de Barros" realizada em 30/11/1958. 
Os participantes são: 
82 - José Gimenez Lopes - Ferrari 250 TR (4ºlugar)
36 - Jean Louis Lacerda - Ferrari 750 Monza (2ºlugar)
46 - Celso Lara Barberis - Ferrari 250 TR (5º/Abandonou)
12 - Álvaro Varanda - Ferrari 250S (3ºlugar)
Na segunda fila 
9 - Christian Heins - Porsche 550RS (1ºlugar)
Bandeirada para Christian.
Chico Landi e o 550
Depoimento de Fernando Chaves "Rui, o Porsche 550 Spyder foi trazido pelo alemão Hans von Stuck, primeiro para o Circuito da Gávea e, depois para a corrida comemorativa do IV Centenário de São Paulo, ambas as provas realizadas em janeiro de 1954, conforme descreve o Bird Clemente em seu livro Entre Ases e Reis (pag.23). Bird ainda nos informa que esse carro foi adquirido pelo Ricardo Fasanello e que após um acidente de rua foi vendido ao Christian Heins. Ainda, de acordo com o Bird o carro foi enviando para Alemanha e voltou com um novo motor de quatro comandos. O Ciro Caires correu com esse carro em parceria com Christian nos Mil Km de Buenos Aires em 1957. Quando o Bino foi para Europa ele vendeu o carro para o Fritz D’Orey, conforme ele mesmo conta em entrevista para o Lito Cavalcanti. O Fritz fez cinco corridas com esse Porsche, quatro em Interlagos e uma no Rio no Circuito da Boa Vista. Em 1959 ele também vai para a Europa e o carro fica com o José Gimenes Lopes da Escuderia Tubularte. Nesse mesmo ano o Celso Lara Barberis corre com Porsche em Poços de Caldas MG e em 1960 em Piracicaba. Chico Landi também participou de três provas com esse carro. Em 1961 o seu irmão Paulo Amaral comprou o carro do Gimenes e correu com ele os 500 km de Interlagos, como está amplamente relatado em seu Blog. Esse carro voltou a pertencer ao Chico Landi e posteriormente ao Marivaldo que vendeu o chassi para os irmãos Fittipaldi que a partir dele construíram o Fitti-Porsche. Espero ter contribuído um pouquinho, com a história desse “lendário” carro que andou por nossas terras. Um grande abraço."

Sei que “seu” Chico venceu com este carro uma prova de subida da montanha na Serra Velha de Santos e me parece que depois o carro foi vendido à Christian Heins...até então o Porsche era um 550 provavelmente 1952/53 com motor derivado do VW, Christian leva o carro para Porsche na Alemanha e o 550 volta um 550 RS 1500 Spyder totalmente diferente de carroceria e com o motor 1.500cc de duplo comando que tanto sucesso fez na América e Europa.
O que ouvi e o pouco que me lembro o 550 RS 1500 Spyder foi pilotado no Brasil e venceu com grandes pilotos como “seu” Chico, Christian Heins, Ciro Cayres, Celso Lara Barberis, José Gimenez Lopez e acredito que até Jean Loius Lacerda Soares.

José Gimenez Lopes e Jean Louis Lacerda Soares no Porsche que venderia ao meu irmão Paulo

 A carreta que transporta o Porsche era de Celso Lara Barberis

Os 500 KM de Interlagos 1961

Abaixo em Amaral em Revista

Talvez a primeira volta da corrida, Paulo largou...

Revista Quatro Rodas






1961 meu irmão Paulo e seus amigos Luciano Mioso e Victor Simonsen (Victor era então namorado de minha irmã Cida) compram o carro de Gimenez Lopez para correrem os 500 KM de Interlagos daquele ano, por problemas outros Victor não correu e Luciano e Paulo levaram o carro ao 5º lugar e primeiro da categoria até 2.500cc. Nunca mais correram com este carro ou outro, não eram pilotos e sim entusiastas e o 550 RS Spyder ficou na garagem de nossa casa por um longo tempo e junto com meus amigos sentávamos ao volante fingindo pilotar em Interlagos, Le Mans, Spa até chegar um adulto e sermos expulsos dele! 
Já escrevi sobre, foi o primeiro carro de corridas em que andei, tinha então 8 anos e meu irmão me levou à algumas voltas pelo Anel Externo de Interlagos...desde a primeira vez que entrei em um Box o cheiro da gasolina, óleo, pneus entrou pelas minhas narinas e se alojou em meu ser, o vento que bateu em meu rosto naquelas poucas voltas ainda hoje agita meus cabelos e essa paixão perdura até hoje...fez parte de cada vez que entrei em uma oficina, nas horas e horas em que passei vendo meus mecânicos mexendo em meus carros, nas inúmeras horas em que numa pista lutava para acertar um chassi ou motor e nas inúmeras largadas e bandeiradas...e ainda hoje agita meus cabelos cada vez que piso em uma pista!
Pois bem, aquele carro prateado com os bancos vermelhos escuro ficou em minha casa por um bom tempo depois dos 500 KM, os troféus no quarto de meu irmão, o capacete com aquela viseira eu afanava de vez em quando para descer feito louco aquelas belas ladeiras do Pacaembu em meu super carrinho de rolimã.
Da corrida meu irmão falecido no ano que passou já contou aqui alguma coisa, algumas coisas que ficaram para trás lembro agora, como no dia em que ele me contou que ao se preparar para largada chega Christian Heins e diz à ele que com aquela garoa venceria facilmente a corrida. Outra coisa que me chamou atenção foi o Paulo contar que o cambio apesar de ser o tradicional 4 marchas e H possuía uma marcha que ele chamava “primina”, situada ao lado da primeira precisava que a alavanca de cambio fosse levantada para engatar e eles nunca usaram essa marcha pois era muito curta! 
Depois do tempo em que ficou em nossa garagem o carro foi vendido ou trocado por um dos carros de rua de meu irmão, ele nunca lembrou para quem foi...
Não pesquisei o suficiente  para saber quem mais pilotou o carro depois dos 500 KM de 1961...




...quase ao final do ano de 1967 aparece a noticia que os irmãos Fittipaldi estavam fazendo um protótipo com motor Porsche e este protótipo nada mais era que o Porsche 550RS com um motor Porsche 2 litros que equipava um dos KG-Porsche da Dacon. Pelo que me contaram do carro usaram o chassi, suspensões, freios e cambio, fazendo uma bela carroceria usando rodas bem mais largas, carro rapidíssimo e que com a ida dos irmãos para Europa foi vendido ao piloto brasiliense Antonio Martins e pouco se sabe sobre o seu paradeiro atual.
Cerca de seis meses atrás fiquei sabendo pelo então dono do motor original que havia vendido um pouco antes.

Final do ano passado, após a morte de meu irmão minha sobrinha Viviane Amaral me entrega um dos troféus que ele recebeu nos 500 KM, lembro que eram dois, este pela vitória na categoria e outro pela colocação na geral que cada um dos pilotos recebeu. Hoje ele repousa muito bem guardado em minha casa.   

É um pouco do que sei e me foi transmitido por meu irmão e alguns amigos..

Rui Amaral Jr


A réplica de meu amigo Juan!


Porsche 550-1500 RS Spyder “Carrera Panamericana”1954-1955

Motor: refrigerado a ar quatro cilindros flat
Válvulas: duas por cilindro acionadas por dois comandos por cabeçote. 
Cilindrada: 1,498 ccm
Diâmetro e curso: 85 x 66 mm
Potencia máxima: 117 bhp (86 kW) at 7,800 rpm
Torque: 129 Nm (95 ftlb.) à 5,300 rpm
Alimentação: dois carburadores Solex 40 PJJ duplos
Transmissão: cambio 4 marchas + ré, diferencial autoblocante ZF 
Freios: Hidráulicos à tambor
Velocidade máxima: 220 km/h (137 mph)
Peso: 550 kg
Pneus; dianteiros 5.00-16 traseiros 5.50-16
Entre eixos: 2100 mm
Comprimento:3.600mm
Largura:1.550mm
Altura:1.015mm 


Meu muito obrigado ao grande Bird, Milton Bonani e Fernando pelas fotos e pelo carinho! 

terça-feira, 10 de setembro de 2013

1963 - 500 KM de Interlagos

Na foto do Jr pequeno Celso sorri ao ado do primo Lulu Lara Campos do seu Chico e Eloy.

Naquele 7 de Setembro eu estava lá, assim como meus amigos Ana, Djalma e Fernando, naquela época as corridas eram festas, divulgadas por jornais, rádios e Tvs, com onze anos já havia acompanhado os 500 KM de 1961 então com nove anos, em que meu irmão Paulo correu com o Luciano Mioso, tinha acompanhado os treinos, e minha mãe não me deixou ir na corrida.
Estava no barranco um pouco antes dos antigos boxes no Café e de repente, logo após a largada alguém ao meu lado diz que o Celso havia batido. Logo depois vem a noticia de sua morte...na boca aquele gosto amargo que viria a sentir muitas vezes, na pista ou assistindo alguma corrida pela TV!






Anos depois o Expedito me contou que ao ir abraçar o Celso antes da largada ele estava estranho “verde” nas palavras de meu amigo. Quem assistiu os minutos que antecederam a corrida de Ímola em 1994 viu bem o que é isto!
Acho estranho e descabido quando o tresloucado narrador das corridas da F Um diz que algum piloto estava se divertindo. Apenas alguém sem o menor censo do ridículo pode dizer tal coisa naquele tom. 
É divertido sim quando nos encontramos tempos depois e ficamos rindo das loucuras e barbaridades feitas nas pistas, mas mesmo para nós que “apenas” chegávamos na Um e fazíamos cravado, ou na curva Três de Tarumã passávamos dois carros na tomada, ou entravamos forte demais naquela curva Sul do hoje destruído autódromo de Jacarepaguá, sabemos que na hora vinha um friozinho na barriga mesmo com toda adrenalina correndo solta.
Talvez Andrea de Cesaris hoje comente divertido seus inúmeros acidentes que na hora certamente o assustaram, e fico aqui imaginando a tamanha responsabilidade dos grandes campeões ao entrar na Eau Rouge cravado, ou contornar aquela maravilhosa Parabolica no limite... 
À todos pilotos que deixam suas vidas em uma pista, e especialmente aos grandes que continuam conosco e aos amigos que hoje comentam divertidos acontecimentos passados.
E a você Celso!    

Rui Amaral Jr 

Coincidência ou não a matéria sobre a corrida está na mesma Quatro Rodas em que o Expedito testa o Austin Realey de minha irmã Cida. Aproveito para dedicar este post também à eles; Expedito o amigo que se foi cedo e faz falta e minha irmã, que com a Graça de Deus continua entre nós. 

Outubro de 1963


segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Ricardo Bifulco

As réplicas do Ricardo dos grandes carros de nossas pistas são para autorama, elas são simplesmente perfeitas, só de olhar de perto já nos emocionamos, eu por exemplo, jamais colocaria qualquer uma delas na pista, mas ele anda e até de vez em quando dá umas pancas.
Assim é o Ricardo, e estes seus carros...

 A Maserati de Celso Lara Barberis

500 KM de Interlagos 1961
Simca de Ciro Cayres



Ciro correndo com Jaime Silva
 Alfa P33 de Marivaldo Fernandes

Na visão de meu amigo Fernando Fagundes, o Hiperfanauto.
 Simca Abarth da equipe Simca comandada por Chico Landi, que teve como pilotos Ciro Cayres, Jaime Silva, Toco e Ubaldo Cesar Lolli
 Jaime

 Jaime e Lolli
 Camilo, Jaime e Ciro
 Jaime e Ciro

Jaime