A VERDADE NÃO SERIA BASTANTE PLAUSÍVEL SE FOSSE FICÇÃO - Richard Bach
Mostrando postagens com marcador BRM. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador BRM. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Helmut Marko

Helmut Marko e a BRM em Clermont-Ferrand.


1972 o GP da França que no ano anterior havia sido disputado na moderna pista de Paul Ricard volta ao circuito de Clermont-Ferrand. Circuito complicado para segurança dos pilotos, pista de alta velocidade seu percurso era de 8.500 metros e composto de 51 curvas, serpenteando pelas montanhas de Auvergne, com subidas e descidas, curvas de alta e baixa velocidade. Na época as pistas não tinham o que hoje chamamos de Zebras, a guia em ângulo que circunda a parte externa e interna das curvas hoje em dia, ainda mais difícil de aparecer em circuitos longos como Nurburgring e Clermont-Ferrant.  Era comum os pilotos usarem algum espaço a mais no ponto de tangencia das curvas para ganhar tempo e as vezes também para jogando poeira e detritos tirar a concentração dos carros que o seguiam.  

Emerson Fittipaldi aproveitando cada pedaço de pista seguido por Jakie Stewart.


Nos anos 70/71/72 a equipe BRM inscrevia quase sempre cinco carros a cada etapa da F I, alguns dos pilotos eram contratados e outros alugavam seus carros para uma ou mais corridas, em 1972 correram pela equipe Jean Pierre Beltoise, Peter Guetin, Brian Redman, Howden Ganley, Helmut Marko, Jackie Oliver, Alex Soler-Roig e Bill Back.
Helmut Marko vinha pilotando para a equipe desde o ano anterior, que havia sido um belo ano para ele já que vencera as 24 Horas de Le Mans em dupla com Gijs Van Lennep, pilotando um Porsche 917 K #22 da Martini Int. Racing Tean.

Porsche 917 K em Le Mans 1971 na vitória de Marko/Gijs Van Lennep.

Aí em Clermont-Ferran veio a tragédia para ele, numa disputa por posição na nona volta, quando ocupava a quinta colocação, uma pedra provavelmente jogada pelo pneu do carro de Ronnie ou Emerson ( as versões variam ) atinge a viseira do capacete de Marko e perfurando atinge seu  olho. Ele ainda consegue encostar seu carro antes de desmaiar. Chegava aos 29 anos o fim de sua carreira como piloto.  


        

Henrique Mércio e Rui Amaral Jr

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

FORMULA UM -- QUE SAUDADES !!!


Outro dia mostrando a derradeira corrida da BUGATTI fiquei com saudades da Formula Um que comecei a gostar bem jovem , meu primeiro ídolo na categoria foi Jim Clark isso em 1964 , depois comecei a conhecer outros grandes pilotos Fangio , Moss , Surtees , Ascari , Amon etc etc . Foram tantos grandes pilotos que vi pilotar !! Toda vez que vier essa saudades vou postar aqui os antigos FORMULA UM e os pilotos que com certeza nunca esqueceremos .


Jim Clark e o Lotus 33 em 1966 com este carro ele foi campeão do mundo em 1965 .

O Lotus 25 campeão do mundo em 1963 com Jim Clark . A Lotus viria a ser campeã em 1968 nas mãos de Grahan Hill depois da trágica morte de Jim Clark . De novo em 1970 foi campeã com Jochen Rindt , morto em acidente em Monza antes da ultima prova . Ai entra em cena nosso Emerson Fittipaldi e vence o titulo de 1972 . Nunca vou esquecer de um treino para o GP do Brasil , acho que em 1972 , eu estava no barranco da curva do "Sol" naquela reta que unia essa curva ao "Sargento" quando vi a Tyrrel de Stewart saindo do "Sol" com a Lotus preta do Emerson em seu vácuo , na freada do "Sargento" Emerson tira o carro para a esquerda e passa o Stewart , creio que meu coração parou de bater por uns 10 segundos !!

Que bela briga ! Na frente Jack Brabhan com a Brabham BT 20 a segui-lo Jim Clark na Lotus 33 ano de 1966


Jackie Stewart e a Tyrrel 003 campeão do mundo em 1971 , aqui tomando a curva "Karroussel" do antigo Nurburgring .

Monaco , na frente Stewart e a Tyrrel 003 , atrás a BRM de Jo Siffert .

A Tyrrel de François Cevert .

Monaco , numa Toleman Hart , Ayrton mostrou ao mundo por que tinha chegado a FORMULA UM .

Brabhan BT 52 BMW , desenvolvida por Nelson Piquet para ser o primeiro carro com turbocompressor a ser campeão do mundo em 1983 .

Jack Brabham e sua criação a Brabham Repco BT 20 campeões em 1967 .


Grahan Hill e a BRM P578 carro com que conquistou o titulo mundial de 1962 .


BRM P578 nas mãos do Italiano Lorenzo Bandini .

Pedro Rodriguez e BRM em 1971

Juan Manuel Fangio na BRM H 16 , isso mesmo dezesseis cilindros , em um teste em 1952 .

A Cooper com Johon Surtees 1969 .

Stirling Moss em Monaco com o Vanwall em 1958 .

Largada do GP de Monza em 1958 , os Vanwalls na primeira fila ,Tony Brooks com o 22 , Lewis-Evans com o 18 e Stirling Moss com o 20

segunda-feira, 23 de março de 2009

CAMPEÕES SEM TITULO II - A VOLTA DA RAZÃO

Beltoise e a BRM a caminho da vitoria , Monaco 1973
Ayrton e a Tolemman , a 1ª vitória lhe foi tirada .

Ayrton e a Lotus em Portugal , a vitória .


Dirigente tem cada ideia !!!!! Às vezes eles não tem nenhuma , outras como esta de dar ao piloto com maior numero de vitorias o titulo da F 1 . Eles não pilotam , não tem que frear no limite com outro "maluco " atraz ou ao lado ,não fazem a Eau Rouge cravado com um "bando" atraz ou tentando chegar em um carro mais rápido à frente . Não rodam a 250 km/h numa bela curva de alta tentando ganhar 0,10 de segundo , não largam com todos aqueles "malucos" tentando ganhar posições , ou ameaçar a sua conseguida a duras penas , e principalmente , não morrem em uma pista de corridas .
Conheci alguns bons dirigentes , deles ainda vou escrever . Me parece que o mentor da F Truck aqui no Brasil foi um grande dirigente , o pessoal que dirige a Stock e a Porsche Cup .
Acontece que apesar de falarem de profissionalismo , macacões anti chamas , capacetes etc , a maioria dos pilotos são "malucos" , a grande maioria ama o que faz , cheiro de combustível , borracha , aquele frenezi , um barulho ensurdecedor , sempre acha que vai ultrapassar quem está à frente ou segurar quem vem atrás , sempre tentando ganhar aquele décimo de segundo que às vezes faz a diferença .
Imaginem no sistema de vitorias , ao chegar a ultima prova do campeonato , Hamilton , Kubica , Buton , Vettel e Massa com três vitórias cada , seria uma corrida espetacular , só que ia terminar em pancada , e se tudo desse certo ninguém se machucaria , e se desse mal ?
Talvez a F.I.S.A tenha voltado ao bom senso , bom senso que não teve ao dar o titulo de 1989 ao francês , quando ele jogou seu carro contra o do Ayrton naquela chicane , provocando ela aquele terrível acidente do ano seguinte . Ou não punindo exemplarmente o Schummi , que ao jogar propositalmente seu carro contra o de Damon Hill tirou-lhe o titulo mundial .
Já escrevi muito , e talvez muita bobagem , mais é o que penso , é a visão que tenho do esporte .
Por que "CAMPEÕES SEM TITULO II ", queria comentar a batida do Alemão contra o Hill e escrever de novo sobre o Ayrton , e ainda lembrar de um baita piloto francês , que conheci aqui no Brasil , Jean Pierre Beltoise , fui e ainda sou seu admirador , motociclista desde a juventude ,começou sua carreira em motos depois nos carros foi a esperança da França ter um campeão , só que nas 12 Horas de Rheins sofreu um terrível acidente quando pilotava um Rene Bonnet , vendo-o colocar seu capacete com aquele braço que não esticava me perguntava como ele conseguia dirigir um F 1 . Mais naquele G.P de Monaco em 1972 veio a chuva , a chuva que nivela os carros e destaca os pilotos excepcionais Ayrton , Vettel , Peterson etc etc , Boltoise tomou a ponta na largada de um Ickx sem ter o que fazer com sua Ferrari e dominou as 80 voltas da corrida com sua BRM que não era favorita . Debaixo de chuva deu um show , lembro que assistindo a corrida pela T.V. as vezes fechava um olho como se assim pudesse conter minha ânsia , quando ele vinha de lado ou dava alguma escapada . Quando veio a quadriculada acho que eu estava mais cansado do que ele . O interessante é que 12 anos depois o mesmo Ickx , que não havia segurado o Beltoise naquela largada , tenha antecipado a bandeirada final , negando a Ayrton o que seria sua primeira vitória na F 1 , ainda bem que era o Ayrton , Portugal no ano seguinte viu uma de suas mais belas vitórias , quando sob a mesma chuva que nivela os equipamentos proporcionou a ele a primeira vitória de sua carreira , abrindo "apenas" 62 segundos do segundo colocado .