A VERDADE NÃO SERIA BASTANTE PLAUSÍVEL SE FOSSE FICÇÃO - Richard Bach
Mostrando postagens com marcador Arturo Merzario. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Arturo Merzario. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 29 de maio de 2012

ALFA ROMEO T33

 Nino Vacarella pilota, em sua vitória em dupla com Toine Hezemans na Targa Florio 1971

A bela tomada de ar para os carburadores rendeu o apelido de "IL PERISCOPIO"

A Alfa Romeo 33 foi produzida por mais de dez anos a partir de 1967, eram carros feitos para principalmente as corridas de longa duração. Sua fabricação e desenvolvimento foi entregue à Autodelta de Carlo Chitti e Ludovico Chizzola que era o departamento de competições semi oficial da Alfa, a idéia inicial era colocar no carro o motor quatro cilindros em linha das Alfas GT/GTA que eram preparados pela Autodelta. Carlo Chitti tinha outros planos, um motor V8 com quatro comandos de válvulas, e a partir do final de 67 esse motor foi construído, tinha 1.995cc 78mm x 50,4mm, quatro válvulas por cilindro, e já desenvolvia 200 HP à 6.500 rpm.
O chassi tubular como era a tradição da Alfa foi projetado por Orazio  Satta Puliga engenheiro chefe de projetos da Alfa e de grande prestigio na marca, já que fora responsável por grandes carros desde as Alfettas 158 até as Alfa Romeo GTV.
O chassi era de tubos de magnésio fundidos e a carroceria de fibra de vidro e o peso do protótipo era de apenas 580 kg. Era apelidada na Italia de IL PERISCOPIO por conta da tomada de ar para os carburadores sobre o motor, bem antes de qualquer carro de Formula Um.
A T33/2  correu em 1967/68 e venceu muitas corridas, mas já corria contra os Porsches de 3 litros e vencer apenas na categoria não era a idéia da Alfa.
Ainda em 1968 começaram os testes do motor V8 de 3 litros e a aparência da T33/3 já mudara muito.


Rolf Stommelen em Brands Hacth 1971



O motor V8 de 3 litros

Em 1971 seu motor já bem desenvolvido tinha a potencia de 450 HP,  seu peso total com o novo motor era de 650 kg. Esse carro venceu algumas corridas importantes como a Targa Florio, 6 Horas de Watikins Glen e as 6  Horas de Brands Hatch.
Na Targa Florio 1971 uma vitória empolgante do ídolo italiano Nino Vacarella em dupla com Toine Hezemans. 
Em 1972 foi desenvolvido o motor 12 cilindros flat, estreando em 73 na Targa Florio, tinha 2.995cc com curso de 77mm x diâmetro de 53,6mm. Esse motor equipou alguns Formula Um como a Lola de Grahan Hill em 74 , a  March 721X de 72 e a MacLaren  em 1970, era beberão para F I e produzia 530hp à 12.000 rpm.


Andrea de Adamich em Brands Hatch 1971
 Arturo Merzario na TT33/3 12 cilindros
 Rolf Stommelen nos 1.000 KM de Nurburgring 1973
Andrea de Adamich TT33 nos 1.000 KM de Brands Hacth 1972.

A Alfa Romeo, já com problemas financeiros, entregou a equipe ao alemão Willy Kausen, e no ano de 1975 foi campeã do Campeonato Mundial de Marcas. Nesse ano já corria com o motor flat 12 com a cilindrada reduzida para 2.134cc e com a ajuda de um turbo a 1.4 atmosferas de pressão. Esse motor tinha 640 HP de potencia a 11.000 rpm e a denominação do carro era 33TT12, pesava 770 kg. TT significava Telaio Tubulare - chassi tubular.
Uma grande geração de carros que ficou na lembrança de que acompanhou o automobilismo de competição da época. 

Targa Florio 1971








Post de 13 de Novembro de 2010



sábado, 13 de novembro de 2010

ALFA ROMEO T33

Nino Vacarella pilota na sua vitória em dupla com Toine Hezemans na Targa Florio 1971.
A bela tomada de ar para os carburadores rendeu o apelido de "IL PERISCOPIO".


A Alfa Romeo 33 foi produzida por mais de dez anos a partir de 1967, eram carros feitos para principalmente as corridas de longa duração. Sua fabricação e desenvolvimento foi entregue à Autodelta de Carlo Chitti e Ludovico Chizzola que era o departamento de competições semi oficial da Alfa, a idéia inicial era colocar no carro o motor quatro cilindros em linha das Alfas GT/GTA que eram preparados pela Autodelta. Carlo Chitti tinha outros planos, um motor V8 com quatro comandos de válvulas e a partir do final de 67 esse motor foi construído, tinha 1.995cc 78mm x 50,4mm, quatro válvulas por cilindro, e já desenvolvia 200 HP à 6.500 rpm.
O chassi tubular como era a tradição da Alfa foi projetado por Orazio  Satta Puliga engenheiro chefe de projetos da Alfa e de grande prestigio na marca já que fora responsável por grandes carros desde as Alfettas 158 até as Alfa Romeo GTV.
O chassi era de tubos de magnésio fundidos e a carroceria de fibra de vidro e o peso do protótipo era de apenas 580 kg. Era apelidada na Italia de IL PERISCOPIO por conta da tomada de ar para os carburadores sobre o motor, bem antes de qualquer carro de Formula Um.
A T33/2  correu em 1967/68 e venceu muitas corridas, mas já corria contra os Porsches de 3 litros e vencer apenas na categoria não era a idéia da Alfa.
Ainda em 1968 começaram os testes do motor V8 de 3 litros e a aparência da T33/3 já mudara muito.




Rolf Stommelen em Brands Hacth 1971.
O motor V8 de 3 L.


Em 1971 seu motor já bem desenvolvido tinha a potencia de 450 HP  seu peso total com o novo motor era de  650 kg. Esse carro venceu algumas corridas importantes como a Targa Florio, 6 Horas de Watikins Glen e as 6  Horas de Brands Hatch.
Na Targa Florio 1971 uma vitória empolgante do ídolo italiano Nino Vacarella em dupla com Toine Hezemans. 
Em 1972 foi desenvolvido o motor 12 cilindros flat estreando em 73 na Targa Florio, tinha 2.995cc com curso de 77mm x diâmetro de 53,6mm. Esse motor equipou alguns Formula Um como a Lola de Grahan Hill em 74 , a  March 721X de 72 e a MacLaren  em 1970, era beberão para F I e produzia 530hp à 12.000 rpm.

Andrea de Adamich TT33 nos 1.000 KM de Brands Hacth 1972.
Arturo Merzario na TT 33/3 12 cilindros.
Rolf Stommelen nos 1.000 KM de Nurburgring 1973.

Andrea de Adamich em Brands Hatch 1971.


A Alfa Romeo já com problemas financeiros entregou a equipe ao alemão Willy Kausen e no ano de 1975 foi campeã do Campeonato Mundial de Marcas. Nesse ano já corria com o motor flat 12 com a cilindrada reduzida para 2.134cc e com a ajuda de um turbo a 1.4 atmosferas de pressão . Esse motor tinha 640 HP de potencia a 11.000 rpm e a denominação do carro era 33TT12 e pesava 770 kg. TT significava Telaio Tubulare - chassi tubular.
Uma grande geração de carros que ficou na lembrança de que acompanhou o automobilismo de competição da época.  

Targa Florio 1971








terça-feira, 2 de novembro de 2010

FERRARI 312T



1974 a Ferrari não vencia um Mundial de Formula Um há treze anos, lembro bem era uma batalha na imprensa italiana, grandes pilotos tinham passado pela equipe e bons carros foram feitos e nenhum campeonato vencido. Lembro bem de um texto de Jacky Ickx para a revista Autosprint quando ele saiu da Ferrari, escreveu que foi um dos grandes vencedores da equipe, mostrava as vitórias, as voltas na liderança e muitas outras peculiaridades de sua passagem na equipe, só que titulo não conseguiu nenhum.
Outros grandes pilotos correram pela equipe, Arturo Merzario, Chris Amon, Mario Andretti e tantos outros, todos pilotando carros complicados e que também não trouxeram campeonatos a Casa de Maranello.
Em 74 o acordo Ferrari/Fiat já estava consolidado e por influencia da Fiat foi nomeado Luca Cordero di Montezemolo para dirigir a equipe, formado em Direito pela Universidade de Roma e pós graduado em Direito Comercial pela Universidade de Columbia, estava na Fiat já algum tempo quando foi designado para Ferrari.

Montezemolo trouxe em 74 Niki Lauda que estava na equipe BRM e lhe deu o lugar de primeiro piloto, junto com ele correria um baita bota de quem sou fã, o aguerrido Gianclaudio Regazzoni ou simplesmente Clay Regazzoni.
1974 começou com Clay vencendo o GP da Alemanha em Nurburgring, e Lauda as duas primeiras vitórias de sua carreira vencendo o GP da Espanha em Jarama e o da Holanda em Zanvoort pilotaram  a 312 B3 trabalhada na Itália por Forghieri depois da desastrada fase de projetos feitos na Inglaterra por John Thonpson. Sob o comando de Montezemolo e Mauro Forghieri a Ferrari já preparava o carro para o ano seguinte, a 312T. Lauda se queixava do grande substerço (saída de frente ) da 312 B3, isso se devia a maior distancia entre eixos que o motor Flat12 obrigava o carro ter se comparados aos V8 Ford Cosworth que vinha dominando a categoria desde 1968. O beberrão Flat 12 foi sendo aperfeiçoado durante o ano de 74, e segundo Lauda sua curva de Torque suave e sua incrível potencia, por volta de 500hp contra 470 dos Cosworth, eram os trunfos do carro.
Então Forghieri e sua equipe desenharam para 312T um cambio transversal, o que trazia toda massa mais para o centro do carro, com isso tornando mais fácil o acerto e tornando-o mais neutro nas curvas, podendo assim aproveitar todas características do motor. 
Lançado em 1974 o 312T venceu pela primeira vez com Clay Regazzoni o GP da Alemanha em Nurburgring  e logo depois na Holanda e Espanha com Lauda.
1975 trouxe a consagração do 312T tendo Lauda vencido cinco corridas do Campeonato, Mônaco onde a Ferrari não vencia desde 1955, Bélgica, Suécia, França e EUA e tendo Clay vencido na Itália em Monza dando a Niki Lauda o titulo Mundial.





Carlos Reutmann venceu no Rio de Janeiro com evolução da 312 a T2.
Gilles vence em Long Beach 1979 com a T4. 
Carlos Pace a frente de Lauda pouco antes do acidente em Nurburgring 1976.
Ferrari 312 B3 com Mario Andretti.




312 T 

MOTOR

Traseiro, longitudinal, V12 a 180º
Diâmetro 80mm , curso 49,6mm
Cilindrada unitária  249,31 cc
Cilindrada total  2991,80 cc 
Taxa de compressão  11,5:1
Potencia máxima 495 hp a 12.200 rpm 
Potencia especifica 165 hp/litro
Distribuição, comando de válvulas duplo com 4 válvulas por cilindro
Alimentação, injeção indireta LUCAS
Lubrificação,  cárter seco 
Fricção multidisco.

                                                     CHASSI

Monocoque com tubos de aço e painéis de alumínio

Suspensão dianteira: Indenpendente com quadrilateros transversais, molas helicoidais associadas aos amortecedores telescópicos on board e barra estabilizadora.


Suspensão traseira:Independente com braço superior e trapézio inferior e braço central. Molas com amortecedores helicoidais on board e barra estabilizadora.


Cambio: Transversal com 5 marchas e ré.


Direção: Pinhão e cremalheira.


Combustível: Reservatório de 200 litros.


Pneus;  Dianteiros    9,2 - 20 - 13
             Traseiros    16,2 - 26 - 13




Comprimento: 4,143mm 
Largura:          2,030mm  
Altura:             1,275mm
Peso:                575kg com agua e óleo