A VERDADE NÃO SERIA BASTANTE PLAUSÍVEL SE FOSSE FICÇÃO - Richard Bach

sábado, 8 de janeiro de 2011

Uma Mulher na Largada - Parte final



A prova "Washington Luis" foi dividida em quatro etapas nos seus mais de 2.000 quilometros de estradas. Dada a largada oficial, no quilometro 12 da Via Anhanguera, as atenções voltaram-se a dois pilotos favoritos: o paulista Chico Landi e o gaúcho Catharino Andreatta.

Pela ordem de largada, Landi, que venceu a primeira etapa, saiu na frente, mas, Catharino não o perdeu de vista até próximo à localidade de São Manoel, quando o motor da carretera Ford número 10 do gaúcho teve problema na distribuição elétrica, obrigando-o a parar.

No entanto, o pior ainda estava pela frente. Devido à falha na sinalização do trajeto da corrida, tanto Catharino quanto os demais pilotos concorrentes tomaram uma estrada errada.

Quando o erro foi percebido, todos trataram de voltar imediatamente a fim de pegar o caminho certo. Só que, nessa manobra, uns carros estavam indo e outros voltando a 150km/h, na mesma estrada de chão!

O inevitável ocorreu: Catharino trombou sua carreteira com a de Julio Vieira. Por sorte, os danos gerais não impediram que todos continuassem na disputa. O gaúcho acelerou mais ainda e já na cidade de Sorocaba estava em primeiro lugar.

Dali para frente só deu Catharino até receber bandeirada final no mesmo ponto de partida da prova na Via Anhanguera, sagrando-se vencedor da disputa. Tanto ele, quanto os demais pilotos, não pouparam críticas ao Automóvel Clube do Brasil, pelas gritantes falhas na organização da corrida.

Tanto é que o major Vila Forte, da Força Aérea Brasileira, que acompanhou de avião todo o desenrolar da contenda, disse que não acreditava que uma prova dessas pudesse ser realizada com tantos obstáculos aos pilotos.

Do alto, ele viu trombadas, capotamento de carros, "mata-burros", pontes sem guardas e trechos urbanos sem policiamento. Ou seja, era um "Deus nos acuda"! Felizmente, entre vivos e mortos, todos se salvaram e Catharino Andreatta mais uma vez mostrou a competência dos gaúchos no automobilismo de competição brasileiro.

Ah, e a Kitty Fabri? Ela atrasou-se bastante com seu Ford 1942 e não acompanhou o ritmo da corrida, pois, já na cidade de Campinas teve pane na parte elétrica do seu carro.

Mas, a sua presença, a única mulher, numa corrida de carros dessa envergadura nos idos de 1949, foi um fato extraordinário, exemplo para outras que a seguiram. Numa foto de hoje, a largada oficial da prova na Via Anhanguera. Na outra, Catharino, seu mecânico (D) e sua carreteira "Galgos Brancos".


Por Ari Moro

Publicado primeiramente no Jornal do automóvel/Tribuna e Paraná Online
06/01/2011 às 00:00:00 - Atualizado em 05/01/2011 às 22:54:31

Nossos agradecimentos ao amigo e grande jornalista Ari Moro a cedência deste.

6 comentários:

  1. Grande Ari!!
    Parabéns Graziela, mais uma vez vc nos mostra a HISTÓRIA.

    Um abração aos dois.

    Rui

    ResponderExcluir
  2. Fabiani C Gargioni #269 de janeiro de 2011 19:09

    Grande Rui,qdo vem a próxima???E o Brasil sempre na base do vamo vê,desde aquela época até hoje hehehe!!!

    ResponderExcluir
  3. Fabiani C Gargioni #269 de janeiro de 2011 19:12

    Parabéns mais uma vez Graziela.Fiquei de te mandar as fotos da F-100 lembra?Mas o dono dela sobe o preço toda vez que a gente conversa...Muito obrigado pela disponibilidade!!!

    ResponderExcluir
  4. Olá, Fabiani
    tudo bom! Espero que o amigo também.
    Fico no aguardo das fotos...
    Obrigada por nos acompanhar aqui no Histórias.
    Um abraço,
    Graziela

    ResponderExcluir
  5. Graziela, tentei mandar um comentário mas não sei se foi de primeira. Tenho uma pequena passagem da história da Kitty Fabri vinculada a minha família. Meu avô foi o mecânico anterior ao Catharino da foto e se chamava Orlando Panetti. Ele deixou seu posto após ter casado com a minha avó e ter voltado para o interior de São Paulo, sempre disse que recebeu o convite para voltar, mas não houve permissão da patroa, rs.Possuo o jornal A Gazeta Esportiva de 20/09/1948 em mãos ao qual meu avô sempre guardou com muito carinho, onde ele aparece ao lado de Kitty Fabri e de carro. Gostaria de manter contato com vc e se possível te passar essas imagens para que ao menos meu avô seja lembrada mais uma vez onde quer que esteja. Grande abraço! Roberto Panetti e-mail: betopanetti@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Roberto, vou encaminhar à Graziela, vc pode enviar o que quiser p/ meu e-mail ruiamaraljr@hotmail.com que publico.

      Obrigado e um abraço

      Excluir

Os comentários serão aprovados por mim assim que possível, para aqueles que não possuam blogs favor usar a opção anonimo na escolha de identidade. Obrigado por sua visita, ela é muito importante para nós.

Rui Amaral Jr